31 March 2009

D'Outrora... Recorte de Imprensa


Artigo publicado no jornal Musicalíssimo sobre um concerto no Rock Rendez Vous. O artigo não é de minha autoria, mas estive lá neste dia e aproveitei para para fazer uma entrevista ao Anibal Miranda, numa altura em que este músico tinha bastante sucesso, principalmente graças ao seu single "Don't Shoot".

Momentos... Afrika Star

Foto tirada pelo autor deste blog, ao vocalista dos Afrika Star após uma entrevista para o jornal Musicalíssimo, que será publicada em breve neste blog.

30 March 2009

A não perder... Cinematic Orchestra

Os Cinematic Orchestra sobem ao palco da Aula Magna no próximo dia 02 de Abril. O colectivo liderado pelo multi-instrumentalista Jason Swinscoe conta ainda com Phil France, Tom Chant, Luke Flowers, Nick Ramm e Stuart McCallum.
A sua música é uma verdadeira mescla de estilos, com grandes improvisações assentes em ritmos electrónicos com passagens e fusões com Acid Jazz, Trip-Hop, Drum n'Bass e um Post-Rock experimental numa vertente eletrónica, sem devaneios de guitarras.
Será, sem dúvida alguma, um excelente concerto naquela que é, para mim, a melhor sala de espectáculos de Lisboa, Aula Magna.
Discografia:

- Motion (1999)
- Every Day (2002)
- Man With A Movie Camera (2003)
- Ma Fleur (2007)
- Live At The Royal Albert Hall (2008)

Ao vivo... Genesis

Data - 22 de Julho de 1992
Local - Estádio de Alvalade
Notas - Grande concerto no estádio de Alvalade. Estádio cheio para receber os Genesis liderados por um Phil Collins simpático e comunicativo com os espectadores, para além de Mike Rutherford e Tony Banks. Destaque para, a meio do concerto, quando Phil Collins assume a bateria por breves instantes, instantes esses que foram suficientes para confirmar estar perante um dos melhores bateristas do mundo. Quanto ao resto, foram uns Genesis muito diferentes daquilo a que nos habituaram com Peter Gabriel a liderar a banda. Menos progressivos e conceptuais, sendo alguns temas bastante comerciais.

27 March 2009

Marianne Faithfull... Easy Come Easy Go


Três anos depois do muito aclamado Before The Poison Marianne Faithful regressa aos discos com este Easy Come Easy Go. Sem conseguir chegar ao nivel do seu antecessor, e muito menos do inesquecível "Broken English", estamos perante um bom disco com boas canções; acrescento, boas versões de canções, pois é disso que se trata.

Easy Come Easy Go é um disco de covers que abrange diversos estilos e autores como Randy Newman, Decemberists, Smokey Robinson ou Morrissey. Para além de Faithfull seleccionar excelentes temas destes músicos, rodeou-se também de um elenco de luxo ao nível de colaborações, como por exemplo Antony Hegarty, Nick Cave, Rufus Wainwright, Jarvis Cocker, Sean Lennon, Keith Richard e muitos outros.

Canções bem interpretadas, numa toada melancólica e calma, com excepção de Hold On Hold On e Dear God Please Help Me que apresentam um ritmo ligeiramente mais rápido, uma batida mais forte e com boas guitarras à mistura. Destaque para Sing Me Back Home que conta com a voz de Keith Richards e de The Crane Wife que conta com Nick Cave nos coros.

01 - Down From Dover
02 - Hold On Hold on
03 - Solitude
04 - The Crane Wife
05 - Easy Come Easy Go
06 - Children Of Stone
07 - How Many Worlds
08 - In Germany Before The War
09 - O O Baby
10 - Sing Me Back home
11 - Salvation
12 - Black Coffee
13 - The Phoenix
14 - Dear God Please Help Me
15 - Kimbie
16 - Many A Mile
17 - Somewhere
18 - Flandyke Shores

Estes dezoito temas fazem parte da edição para Inglaterra, pois a dos Estados Unidos inclui somente doze.

Nota - 8/10

Ao vivo... Moonspell

Data - 31 de Outubro de 2001
Local - Coliseu dos Recreios de Lisboa
Observações - Grande concerto dos Moonspell. Sala completamente cheia para assistir a um alinhamento que abrangeu um pouco de toda a obra do grupo, principalmente do álbum Darkness And Hope.

26 March 2009

D'Outrora... Recorte de Imprensa

Recorte sobre um concerto dos Uriah Heep em Lisboa, publicado em Agosto de 1980 na revista Música & Som.

25 March 2009

Pet Shop Boys... Yes

Yes marca o regresso dos Pet Shop Boys aos discos, após um interregno de cerca de três anos.
Neste disco Chris Lowe e Neil Tennant mantêm aquele estilo de tocar e cantar que tem tanto de inconfundível como de limitador.
É um facto que ao longo de toda a carreira desta banda inglesa, formada em Londres em 1981, os seus discos têm tido sempre um bom nível qualitativo. Não existe uma obra-prima na imensa discografia do grupo, mas também não existe um disco sobre o qual seja possível ter uma opinião negativa. Os Pet Shop Boys apresentam-nos sempre discos coerentes, com excelentes produções, com canções bem construídas, canções que nos fazem dançar, ao mesmo tempo que nos embalam com a excelente, bonita e suave voz de Neil Tennant e o toque simples mas melodioso de Chris Lowe nas teclas e programação.
Yes surge na tal linha limitadora que tem a música do grupo. Acaba por ser, quase, mais do mesmo. Digo quase porque, apesar de ser parecido com os anteriores trabalhos, é diferente. As músicas continuam a ser bonitas e ouvimo-las como sendo uma novidade, pois é disso que se trata: um novo disco de um grupo antigo, mas que consegue manter-se em bom nível ao fim de 27 anos de carreira. Desde Suburbia e West End Girls, temas do seu primeiro disco "Please", até qualquer um dos temas deste "Yes", a música dos Pet Shop Boys permanece como sempre... boa e intemporal.
Finalmente, acrescento que este disco conta com a colaboração de Johnny Marr, ex-Smiths e Modest Mouse e com os arranjos, nas cordas, de Owen Pallett que costuma colaborar com os Arcade Fire e Last Shadow Puppets.

01 - Love Etc.
02 - All Over The World
03 - Beautiful People
04 - Did You See Me Coming?
05 - Vulnerable
06 - More Than A Dream
07 - Building A Wall
08 - King Of Rome
09 - Pandemonium
10 - The Way It Used To Be
11 - Legacy

(Edição extra)

12 - This Used To Be In The Future (Philip Oakey)
13 - More Than A Dream (Magical Dub)
14 - Pandemonium (Stars And Sun Dub)
15 - The Way It Used To Be (Left Of Love Dub)
16 - All Over The World (This Is A Dub)
17 - Vulnerable (Public Eye Dub)
18 - Love, Etc. (Beautiful Dub)
19 - Ging And Jag
20 - We're All Criminals Now

Note - 8/10

24 March 2009

D'Outrora... Recorte de Imprensa

Recorte de um artido publicado na revista Rock Em Portugal em Julho de 1978, sobre um concerto dos Tantra e Arte & Ofício.

23 March 2009

Ao vivo... Elton John

Data - 16 de Julho de 1992
Local - Estádio de Alvalade
Notas - Numa altura em que existia a polémica sobre a possível queda da pala do estádio de Alvalade, o que fez com que o posicionamento do palco fosse diferente do habitual (ficou situado em frente à dita bancada), Elton John deu um bom espectáculo para um público devoto mas que não esgotou o recinto. O momento alto da noite foi quando Elton John dedicou o tema dos Queen "The Show Must Go On" a Freddie Mercury, falecido no dia 24 de Novembro de 1991. Uma excelente interpretação para uma fabulosa canção.

20 March 2009

Que é feito de... Nina Hagen?


Nina Hagen nasceu em Berlin, na Alemanha no dia 11 de Março de 1955. Em 1976 emigra para o ocidente onde assina contrato com a CBS e lançou o seu primeiro trabalho em 1978. Tornou-se mais conhecida pelas suas extravagâncias e o seu visual arrojado e estranho para a época, do que pela sua música.

Com uma voz estranha mas segura e bem colocada, na qual eram evidentes as influências da ópera que chegou a aprender, os seus dois primeiros discos conseguiram obter algum sucesso, apesar de nunca terem sido considerados trabalhos de grande qualidade. Nina Hagen gravou uma versão punk do conhecido tema "My Way" de Frank Sinatra.

Em 1982 muda-se para Nova york onde grava o seu primeiro disco em Inglês, Nunsexmonkrock, seguindo-se Fearless em 1983, com produção do então muito na moda Giorgio Moroder. Em 1985 deixa a CBS após a edição de Nina Hagen In Extacy passa a editar no Canadá, sem grande sucesso.

Finalmente em 1989 regressa à Alemanha e ao mercado alemão, seguindo-se vários trabalhos numa discografia extensa, mas de fraca qualidade.

Que é feito dela?

DISCOGRAFIA

1979 - Nina Hagen Band
1980 - Unbehagen
1982 - Nunsexmonkrock
1983 - Angstlos
1983 - Fearless
1985 - In Ekstacy
1987 - Love
1989 - X Love
1991 - Street
1994 - Revolution Ballroom
1995 - Freud Euch
1996 - BeeHappy
1998 - Om Namaj Shivay
2000 - Return Of The Mother
2001 - Sternenmaedchen
2003 - Big Band Explosion
2006 - Die Reise Zur Shneekpenigin
2008 - Mother Is Reacting

Esta discografia é selectiva.

Ao vivo... Aniversário Programa Rock em Stock

Concerto comemorativo do 2º aniversário do programa de rádio "Rock em Stock", realizado no pavilhão do Clube de Futebol "Os Belenenses" em 1981. No palco estão os Street Kids. Nesse dia tocaram ainda os Jafumega, Roxigénio, Arte & Oficio, UHF, GNR e NZZN.

19 March 2009

D'Outrora... Recorte de Imprensa


Recorte sobre um concerto de Joe Jackson no Pavilhão de Cascais, no final dos anos 70.

18 March 2009

Bruce Springsteen... Working On A Dream


Numa altura em que se começa a falar do regresso a Portugal de Bruce Springsteen, destaco o seu último trabalho “Working On a Dream”.

Este disco surge na sequência de Magic, editado em 2007 e marca o regresso do Boss ao rock depois da passagem pelo folk americano num excelente disco de covers de Pete Seeger “We Shall Overcome: The Seeger Sessions”, de 2006. Enquanto que Magic era evidente uma revolta originada pelas políticas de Bush, Working On a Dream mostra alguns sinais de optimismo pela eleição de Obama para a presidência americana. Sendo Springsteen um activista de esquerda, a sua música (como sua principal arma) não podia passar ao lado destas questões, bem como da esperança de que Obama possa mudar algo no mundo, e nos EUA.

Working On a Dream é um disco que vale pelo seu todo, com boas canções dentro do estilo a que Springsteen nos habituou; um disco cheio de esperança que começa com um tema longo, conceptual e brilhante (Outlaw Pete), seguindo-se um desfilar de bons temas onde é visível e audível o prazer de Bruce Springsteen em gravar com a sua E-Street Band numa era pós-Bush. "The Last Carnival" é dedicado a Danny Frederici, membro da E-Street Band e recentemente falecido. São notórios os sons a que a E-Strett Band nos habitou, as guitarras de Van Zandt e Nils Lofgren’s em My Lucky Day. Como tema extra aparece no disco "The Wrestler", feito propositadamente para o filme com o mesmo nome e interpretado por Mickey Rourke.

Um bom disco e, seguramente, um grande concerto.

01 – Outlaw Pete
02 – My Lucky Day
03 – Working On A Dream
04 – Queen Of The Supermarket
05 – What Love Can Do
06 – This Life
07 – Good Eye
08 – Tomorrow Never Knows
09 – Life Itself
10 – Kingdom Of Days
11 – Surprise, Surprise
12 – The Last Carnival
13 – The Wrestler

Nota – 8/10

Ao vivo... Disney no gelo

Data - 15 de Março de 2003
Local - Pavilhão Atlântico
Observações - A magia da Disney num espectáculo bonito com coreografias e danças interessantes, onde todo o público presente se diverte da mesma forma, seja qual for a idade.

17 March 2009

Momentos... Beatnicks

Foto tirada pelo autor deste blog durante um concerto dos Beatnicks no Rock Rendez Vous. Mais um grupo que não durou muito tempo nem obteve grande êxito. Chegou a contar com a Lena D'Água como vocalista na altura da edição do primeiro single. A partir dessa altura passou a ser Tó Leal o vocalista do grupo, tendo gravado, entre outros, os singles "Somos o Mar" e "Blue Jean", bem como o LP "Aspectos Humanos", que foi um registo curioso e importante numa onda de um pop suave mas agradável.
Se não estou em erro, o único elemento do grupo que ainda hoje grava é o Tó Leal, com uma carreira a solo virada, essencialmente, para a música ligeira.

16 March 2009

D'Outrora... Ferro & Fogo

Postal que vinha dentro de um single dos Ferro e Fogo, grupo de rock português com algum sucesso no início dos anos 80. Gravaram três singles e um LP "Vidas" que não obteve grande sucesso, em termos comerciais.
Esta banda, oriunda de grupos que nos anos 70 percorriam o país de Norte a Sul em bailes de finalistas (na altura eram moda), ainda hoje existe tendo-se tornado uma banda de "Covers" e actua em espaços pequenos, como bares e pubs.
A relativamente má produção dos seus discos fez com que o sucesso ficasse um pouco longe, mas o seu vocalista, João Carlos, era (e continua a ser) dono de uma excelente voz.
Na sua discografia, destaco os singles "Super-Homem" e "Santa Apolónia", bem como o já mencionado LP.

Ao vivo... Stomp

Data - 27 de Novembro de 2002
Local - Centro Cultural de Belém
Observações - Sapateado, música, teatro e boa disposição num só espectáculo. Os Stomp proporcionam bons momentos recorrendo aos mais diversos objectos para fazer música e a consequente dança. Desde vassouras a simples caixas e caixotes, tudo serve para se assistir a um espectáculo inesquecível mas que, basta ver uma vez. Assisti por duas vezes em anos diferentes e na segunda já não teve grande piada.

13 March 2009

D'Outrora... Recorte de Imprensa

Cartaz a anunciar concertos no Rock Rendez Vous em Lisboa no ano de 1981.

Ao vivo... Festival do Sudoeste 2008


Data - 08 de Agosto de 2008
Local - Zambujeira do Mar
Notas - Com o Festival do Sudoeste a decair ano após ano, numa quebra inqualificável em termos qualitativos, optei por ir somente um dia. Achei o cartaz deste ano de 2008 demasiado mau e numa altura em que começam a ser divulgados os primeiros nomes para a edição deste ano de 2009, torna-se preocupante a decadência do evento. Neste dia, passaram pela Herdade da Casa Branca os Goldfrapp, que deram um concerto morno; a portuguesa Rita Redshoes em excelente nível; uns Tindersticks em bom nível, apesar de estarem um bocado como peixes fora de água, pois o seu estilo musical é mais intimista e como tal, para recintos mais pequenos ou bucólicos (ex. Paredes de Coura); e a fechar a noite, os fabulosos Chemical Brothers que transformaram o local numa enorme discoteca ao ar livre.

12 March 2009

Ao vivo... Deep Purple

Data - 28 de Julho de 1999
Local - Coliseu dos Recreios de Lisboa
Observações - Os velhinhos Deep Purple a mostrarem grande forma: Quem sabe, jamais esquece. Primeira parte com os Portugueses Tarantula.