17/12/11

12/12/11

Ao vivo... Roger Waters

Data - 22 de Março de 2011
Local - Pavilhão Atlântico
Notas - Depois do excelente concerto do dia anterior, fui assistir, novamente, a mais um concerto de Roger Waters. Mais uma vez, um concerto perfeito, sem qualquer falha, e com um som de grande qualidade, algo raro no Pavilhão Atlântico.

09/12/11

Setlist... Smashing Pumpkins

Setlist do concerto dos Smashing Pumpkins, no dia 08 de Dezembro, no Campo Pequeno.

01 - Quasar
02 - Panopticon
03 - Starla
05 - Greek USA
06 - Muzzle
07 - Window Pane
08 - Lightning Strikes
09 - Soma
10 - Siva
11 - Oceania
12 - Frail and Bedazzled
13 - Silverfuck
14 - Pinwheels
15 - Pale Horse
16 - Thru The Eyes Of Ruby
17 - Cherub Rock
18 - Tonight, Tonigh

Encore

19 - Today
20 - Zero
21 - Bullet with Butterfly Wings

03/12/11

Ao vivo... Rock Rendez Vous


No ano de 1981, foram vários os concertos a que assisti no Rock Rendez Vous. Como não tenho os bilhetes, coloco um cartaz feito na altura no qual constavam todos os concertos desse ano.

02/12/11

Ao vivo... Girls

Data - 29 de Novembro de 2011
Local - Discoteca Lux
Notas - Não fosse o imenso número de convites atribuídos para este concerto, e a sala da discoteca Lux teria uma aspecto desolador. A título de curiosidade, é de referir que após o primeiro controle à entrada da discoteca é criada uma nova fila no cimo das escadas, à espera da abertura da sala onde se vai realizar o concerto; nesse local, a fila dos convites era praticamente do tamanho da dos pagantes. Se por um lado isto tem algo de positivo, pois dessa forma a sala fica "mais composta", por outro lado não deixa de ser relevante o facto de estar tão pouca gente (pagante) para assistir ao concerto. Se são ou não sinais de crise, desconheço, mas um facto é que não existiu grande promoção a nível da imprensa, e como se sabe, a maior parte dos jornais em Portugal, só fala deste tipo de eventos, caso existam "contrapartidas"; realço, por exemplo, a ausência de qualquer crónica no site da Blitz. A esta falta de divulgação, junta-se ainda o facto de o grupo não ser muito conhecido em Portugal, apesar de ter dois excelentes discos editados, "Album" em 2009 e "Father, Son, Holy Ghost" em 2011, ambos uma presença assídua nas diversas listas de melhores discos dos respectivos anos.


Relativamente ao concerto, e como já foi referido, a sala estava com uma assistência razoável, para uma noite de boa música num ambiente que só não foi intimista pois a música dos Grils não se proporciona a isso, com o seu rock / pop com uma sonoridade característica indie, sempre com uns laivos de revivalismo, a fazer lembrar alguma da música das décadas de 60 e 80.
Não sendo um concerto de grande nível, foi bom; no entanto, nem o facto de esta sala ter a característica de não existir qualquer separação entre o palco e o público, fez com que o grupo tivesse qualquer tipo de interacção com os fans que se divertiram, mais por força das devoção e das excelentes músicas, do que pela prestação do grupo que se limitou a tocar de forma perfeita, as canções dos seus dois trabalho já editados. Podia, no entanto, ter existido algo mais, mas não sei se pela timidez da banda, ou por alguma frieza de parte do público isso não aconteceu, transparecendo a ideia de que, em palco, o grupo ainda não está a funcionar na sua plenitude, não conseguindo tirar partido das excelentes canções de que dispõe.
Ao todo, tocaram 16 temas curtos (excepção de "Vomit"), fáceis e agradáveis, mas não deixa de ficar uma certa preocupação quando ao futuro do grupo, pois parecem estar numa encruzilhada de onde não vai ser fácil sair, pois se os dois discos já editados conseguiram fazer parte das lista de melhores dos respectivos anos, a perspectiva em termos de futuro é que a carreira do grupo entre no estilo "mais do mesmo", apesar de já terem conseguido ultrapassar a síndrome do primeiro álbum.
Resta aguardar pelo próximo disco, para a confirmação da qualidade e longevidade da banda.

30/11/11

Momentos... Girls

Girls, na discoteca Lux

Setlist... Girls

Setlist do concerto dos Girls na discoteca Lux, no dia 29 de Novembro

No encore, tocaram ainda Saying I Love You, Darling e Forgiveness.

28/11/11

Ao vivo... Roger Waters

Data - 21 de Março de 2011
Local - Pavilhão Atlântico
Notas - Se a perfeição existe, no que à música diz respeito, o disco "The Wall" dos Pink Floyd é um desses casos, e mais de 30 anos após a sua edição, contínua a ser um disco excelente e intemporal, sendo um exemplo do que pode ser apelidado de "arte em forma de música". Sei que a música é uma arte, mas a dos Pink Floyd, vai muito além disso.
Quando existe um quadro emblemático, por exemplo de Da Vinci ou Van Gogh, quanto mais olhamos para ele mais gostamos, pois vamos descobrindo pormenores fascinantes que aumentam, ainda mais, a sua beleza e a sua magia.
A música dos Pink Floyd é isso: é arte. Como eu costumo dizer: há música, e há Pink Floyd.
Nesta tournée, Roger Waters conseguiu retratar em palco, ao mais ínfimo pormenor, o disco e o filme The Wall, sendo que se o disco foi e continua a ser um sucesso estrondoso, sendo mesmo um dos mais vendidos de sempre da história da música, já o filme foi um tremendo fracasso, mas com o passar do tempo vai-se impondo, como um "objecto" de culto.
Este concerto foi perfeito, com um som excelente (coisa rara no Pavilhão Atlântico), com Roger Waters rodeado de excelentes músicos e com um efeito cénico que nos transportou para o filme.
Para este primeiro dia, posicionei-me do meio da sala, para ter uma perspectiva completa do palco e de todo o cenário envolvente, e foi algo inesquecível, pois para além de estar a ouvir na perfeição um dos melhores discos de sempre, foi como se estivesse a ver o filme "The Wall". Um espectáculo de grande nível, onde não existiu qualquer falha, qualquer pormenor que não fosse feito na perfeição, e foi por causa dessa "excessiva" perfeição que afirmei logo no início que "a perfeição existe", não está é ao alcance de todos... só dos génios, e os Pink Floyd e Roger Waters são alguns deles.

23/11/11

22/11/11

Rosebuds - Loud Planes Fly Low

No mês em que celebraram o seu casamento, Maio de 2001, Ian Howard (voz e guitarras) e Kelly Crisp (teclados), decidiram formar os Rosebuds, em Wilmington, na Carolina do Norte.
Sem nunca abdicarem do conceito de duo, convidam Billy Alphi para baterista do grupo, e em 2003 editam através da conceituada label Merge, o primeiro longa-duração do grupo, “The Rosebuds Make Out”, disco que foi muito bem recebido pela crítica e pelos circuitos da música independente americana. Após a edição deste disco, Alphi, deixa o grupo e é substituído por Jonathan Bass, que mais tarde é substituído por Waters Lee para a gravação do segundo disco do grupo, “Birds Make Good Neighbors”, em 2005, disco este que ficou um pouco aquém do seu antecessor.
Com uma cada vez maior predominância do conceito duo, a música do grupo torna-se muito mais introspectiva e pessoal, e o grupo vai colmatando a parte da bateria através de convites que vão sendo feitos a vários músicos, à medida que vai sendo necessário. É neste espírito que é editado o terceiro disco, “Night Of The Furies” em 2007, com Matt McCaughan na bateria e os Shout Out Louds no apoio ao nível de coros, o que acaba por se tornar uma mais valia para a música e sonoridade do duo.
Em 2008 é editado “Life Like”, e após a edição deste disco Howard junta-se a um novo projecto, os “Gayngs”, uma espécie de super-grupo de que também faz parte Bon Iver e que edita "Relayted" em 2010, dentro de um estilo totalmente diferente dos Rosebuds, mais próximo do Trip-Hop, e para além deste novo projecto e, para além disto, Howard e Kelly divorciam-se mas decidem manter o grupo.
É com toda esta envolvência e ambiente que é elaborado, produzido, e editado já em 2011, este “Loud Planes Fly Low”, para o qual convidam Chris Stamey e BJ Burton, como produtores. A música do grupo surge diferente, mais calma e mais melódica, como se fosse necessário aos elementos do grupo relaxarem.
Composto por dez temas calmos, vozes e melodias suaves, quase ausentes de densidade com excepção de "Woods" e "A Story", trata-se de um disco extremamente agradável de se ouvir e sentir, pois é bastante melódico e intimista.

01 - Go Ahead
02 - Limitless Arms
03 - Second Bird of Paradise
04 - Come Visit Me
05 - Without a Focus
06 - Waiting for you
07 - Woods
08 - A Story
09 - Cover Years
10 - Worthwhile

Nota - 7.7 /10

Momentos... Grinderman

Grinderman, no Festival Optimus Alive 2011

21/11/11

Setlist... GNR

Alinhamento do concerto dos GNR, no Coliseu de Lisboa:

Reis do Roque
Video Maria
Sete Naves
Asas Eléctricas
Efectivamente
Ana Lee
Bellevue
Sangue Oculto
Piloto Automático
Mais Vale Nunca
Vocês
Burro em Pé
Pronúncia do Norte
Cais
Voos Domésticos
Las Vagas
Únika
Popless
Morte ao Sol
Dunas
Inferno

Encore

Sangue Oculto (versão original)
Espelho Meu / Portugal na CEE
Sexta-feira

20/11/11

Ao vivo... GNR

Data - 19 de Novembro de 2011
Local - Coliseu de Lisboa
Notas - "Lisboa longe de mim": frase utilizada por Rui Reininho, durante o excelente concerto no Coliseu dos Recreios, em Lisboa. Rui Reininho é conhecido, apreciado e odiado pelas farpas que vai lançando durante os concertos dos GNR. Se há quem as aprecie, como é o meu caso, também existe quem não goste e, talvez por isso, muito dificilmente os GNR conseguem encher os concertos em Lisboa.
O Coliseu estava cheio, mas ficou a ideia que muita da gente que lá estava era por ter obtido bilhetes de forma gratuita através de passatempos ou convites, e como tal não foi possível deixar de reparar que mais para o final do concerto, junto aos encores, já existissem bastantes lugares nas bancadas e nas galerias, o que na minha opinião é sintomático, pois quem gosta de um grupo e vai a um concerto desse mesmo grupo, não abandona a sala antes daquele acender de luzes, a partir do qual a nostalgia começa a substituir o prazer do momento que passámos.
Relativamente ao concerto, propriamente dito, e estabelecendo a inevitável comparação com o do Porto no passado fim-de-semana, ficou a sensação de que neste concerto não existiu o ambiente de festa que houve no Porto. No Porto houve uma festa de aniversário com um concerto em que se cantaram os parabéns ao grupo de forma respeitosa; em Lisboa houve um concerto para celebrar o aniversário de uma banda.
Um Rui Reininho igual a si próprio, com uma voz que não perde a qualidade e o timbre, apesar dos anos que vão passando e que, ao fim de 30 anos, continua excelente, bem como a sua presença em palco, onde o seu estilo muito próprio e sedutor fazem com que seja extremamente difícil desviar o olhar da sua presença, enquanto Tóli César Machado (único elemento da formação original), discreto como sempre, mantém a jovialidade inicial, mantém o prazer de estar em palco, sempre com uma expressão de orgulho e felicidade por poder continuar a tocar os muitos êxitos intemporais desta grande banda, êxitos que têm perdurado no tempo e que, seguramente, se vão perpetuar, tal como a imagem de um Jorge Romão sempre com uma energia impressionante, mesmo ao fim de 30 anos, e que contínua a estar em palco com o prazer de outrora, como se continuasse a ser um miúdo, como se não tivesse crescido, e nós gostamos, gostamos dessa sensação de recuo no tempo que a música dos GNR transmite, e isso faz-nos pensar que, como eles dizem, "mais vale nunca mais crescer" e continuar a desfrutar dos pequenos e grandes prazeres da vida, e um desses prazeres é ouvir a música dos GNR e recuar no tempo, sempre com um pequeno brilho nos olhos e uma expressão de felicidade.
Na primeira parte actuaram os Capitães da Areia, com um estilo musical pop-rock, com uma pequena fusão com ritmos de world-music. Parece ser um grupo com possibilidades de obter algum sucesso, se bem que um pouco mais de humildade não ficava mal.

18/11/11

Momentos... Joe Jonas na O2 Arena

Joe Jonas, na O2 Arena, Londres

17/11/11

Momentos... GNR

GNR, no Coliseu do Porto

16/11/11

Ao vivo... Scorpions

Data - 11 de Novembro de 2011
Local - Pavilhão Atlântico
Notas - Pavilhão Atlântico esgota para uma viagem no tempo, uma viagem pela música de um grupo que já conta com mais de 40 anos de carreira. Os Scorpions formaram-se no final dos anos 60 e editaram o seu primeiro trabalho de originais em 1972 "Lonesome Crow". Desde essa altura foram editados mais de duas dezenas de discos de estúdio e alguns discos ao vivo que venderam mais de 100 milhões de unidades.
Para além disto, o grupo conseguiu manter um nível de qualidade razoável, pois se não apresentou muitos discos deslumbrantes, diga-se em abono da verdade que também não apresentou grandes decepções em matéria musical.
Alguns discos de grande brilhantismo, como por exemplo, "In Trance" (1975), "Lovedrive (1979), "Blackout" (1982), "Love At First Sting" (19884) ou "Crazy World (1990), alternaram com discos mais fracos como por exemplo "Rock Galaxy" (1980), Pure Instinct (1996) ou "Eye II Eye" (1999). Uma carreira longa e brilhante, repleta de sucessos que todas as pessoas conhecem, que percorreram e vão continuar a percorrer várias gerações.
E essa longevidade do grupo foi algo que se viu nesta noite no Pavilhão Atlântico, com gente de todas as idades que se divertiu ao longo das duas horas de um concerto que, sem ser memorável, vai ficar para memória futura.
O inicio mais rock do concerto pode ter surpreendido alguns fans, mas não podemos esquecer que os Scorpions são um grupo basicamente de rock que, apesar disso ou talvez por isso, tem baladas lindíssimas. Quem é que não gosta de Still Loving You, Wind of Change, ou Holiday? Duvido que exista alguém que o afirme ou que não saiba parte das suas letras.
Uma setlist de luxo e um alinhamento perfeito, proporcionaram um excelente concerto.

Momentos... GNR

GNR, no Coliseu do Porto

15/11/11

Setlist... Scorpions

Setlist do concerto dos Scorpions no Pavilhão Atlântico, no dia 11 de Novembro de 2011

Sigur Rós - Inni

Este é o primeiro trabalho ao vivo editado pelos islandeses Sigur Rós. Se nos registos em estúdio os créditos do grupo já estavam mais do que confirmados através da edição de vários discos, todos eles de grande qualidade, a expectativa para a edição de um trabalho ao vivo era imensa, pois podia surgir uma certa dificuldade do grupo conseguir reproduzir a sua sonoridade intimista num ambiente ao vivo, o que felizmente não se verificou.
A excelente e melodiosa voz de Jónsi, a perfeição da execução musical, e a sonoridade do grupo, estão presentes neste disco ao vivo, como se de um disco de estúdio se tratasse.
Já tive a oportunidade de assistir a um concerto dos Sigur Rós, no dia 16 de Julho de 2006 no Pavilhão Atlântico, e recordo-me que na altura fiquei extremamente surpreendido por o grupo conseguir transpor para o conceito "ao vivo" os trabalhos de estúdio, com um preciosismo impressionante, o que faz com que não possa considerar uma grande surpresa a sonoridade do grupo neste "Inni".
É lógico que a música dos Sigur Rós, dada a sua complexidade e o seu cariz conceptual, não se pode enquadrar naquele género que se possa ouvir em qualquer altura ou qualquer lugar, pois é preciso existir um ambiente adequado e uma fonte sonora de qualidade para, desse modo, se poder desfrutar de toda a sua magia e qualidade.
Apesar de não ser um disco composto por temas originais, e devido a toda a sua envolvência, é um disco altamente recomendável, do qual não é possível destacar um ou outro tema, pois a música deste grupo e toda a sua obra, primam por uma enorme complexidade que só a enaltece. Sendo um estilo música que não tem rigorosamente nada de comercial, é fascinante.
"Inni" é um disco duplo, ao vivo, que merece toda a atenção.

Svefn-g-englar
Glósóli
Ny Batteri
Fljóavik
Vlô Spilum Endalaust
Hoppipolla
Meô Blóônasir
Inni Mér Syngur Vitleysingur
E-Bow
Saeglópur
Festival
Hafsol
All Allright
Lúppulagió

Nota - 7.5/10

14/11/11

Momentos... GNR

GNR ao vivo no Coliseu do Porto, num dos momentos altos da noite

Ao vivo... GNR

Data - 12 de Novembro de 2011
Local - Coliseu do Porto
Notas - Grande... grande festa. Esta é a melhor definição que encontro para descrever o que se passou no Coliseu do Porto neste dia 12 de Novembro.
Perante uma sala esgotada, Rui Reininho, Jorge Romão e Toli César Machado (único elemento que vem da primeira formação do grupo), acompanhados por excelentes músicos, proporcionaram ao imenso público que esteve presente, uma noite memorável.
Claramente a "jogar em casa", durante duas horas e uma setlist que percorreu toda a carreira do grupo, os GNR estiveram em excelente nível com um som muito bom, salvo duas ou três pequenas falhas.
Um alinhamento brilhante, sem quebras de ritmo e sempre com o humor cirúrgico e irónico de Rui Reininho, fizeram desta noite algo memorável, quer para o público quer para o grupo, pelo menos a julgar pelo ar de felicidade espelhado nos rostos.
Apesar de ser extremamente difícil destacar algum momento em particular deste concerto, não posso deixar de referir como alguns dos mais altos da noite, o regresso de Tóli à bateria nos temas Piloto Automático e Mais Vale Nunca, a Pronúncia do Norte com o Coliseu ao rubro, e Efectivamente, tema dedicado aos senhores que mandam na Europa.
Durante duas horas, o grupo celebrou em palco os seus 3o anos, e foi mesmo uma celebração em forma de concerto, ao qual não faltaram os parabéns, convidados, nem as garrafas de champanhe.
Na primeira parte actuaram os Salto, um grupo que começa agora a sua carreira e que ambiciona chegar à mesma idade dos GNR. Um duo a ter em conta.
P.S. - Fico a aguardar com expectativa o concerto do próximo dia 19, no Coliseu de Lisboa, onde vou estar.

13/11/11

Setlist... GNR

Setlist do concerto dos GNR no Coliseu do Porto, dia 12 de Novembro de 2011

Momentos... Sufjan Stevens

Sufjan Stevens no Coliseu de Lisboa

05/11/11

Walkabouts... Travels In The Dustland

Seis anos após a edição do seu último álbum de originais, "Acetylene", os Walkabouts estão de regresso às edições discográficas, com um disco surpreendente.
Este "Travels In The Dustland" surpreende, não porque exista uma inovação na música do grupo, ou surja algum pormenor peculiar em termos de produção ou sonoridade. Nada disso: este disco surpreende pelo seu equilíbrio, pela sua vertente melodiosa e sedutora, e pela sua qualidade.
Os Walkabouts, formaram-se em 1984 na cidade de Seattle. que na altura vivia o período áureo do grunge. Mais de vinte e cinco anos depois, o grupo liderado por Chris Eckman e Carla Torgerson continua a ter a capacidade de nos presentear com bons discos, e demonstrar que a sua criatividade se mantém incólume.
"Travels In The Dustland" é composto por onze canções, algumas cantadas por Carla Torgerson, outras por Chris Eckman e uma delas em forma de dueto.
Logo a abrir o disco, surge "My Diviner", com o som de uma slide guitar que permanece durante toda a música a servir de base à sedutora voz de Carla, num tema em jeito de balada, daquelas que só eles sabem fazer tão bem e que nos cativam à primeira audição.
Em "The Dustlands" e "Soul Thief", é a vez de Chis Eckan entrar em acção para dois temas menos calmos, mas sempre melódicos e com bons pormenores em termos instrumentais. Se no segundo tema do disco a voz de Chris aparece algo distorcida, o que na minha opinião era perfeitamente evitável, já em "Soul Thief", um tema forte para espectáculos ao vivo, aparece naquele tom a que nos habituou, quer como membro dos Walkabouts, quer na sua carreira a solo.
Segue-se "They Are Not Like US", que nos traz um dos momentos mais belos do disco. Carla, num tema extremamente calmo, é acompanhada básicamente por um piano, e em algumas partes ouve-se a voz de Chris em jeito de sussurro, numa canção maravilhosa e com o poder de nos relaxar, aquele poder que só algumas canções têm, e só alguns músicos o conseguem transmitir.
Os Walkabouts são peritos nisso, mas também são peritos em nos despertar para a realidade e fazer com que voltemos a vibrar com temas mais enérgicos como "Thin Of The Air", com a predominância da voz de Carla acompanhada pelo sussurro de Chris, desta feita num tema mais ritmado e com uma excelente parte orquestral. Não sendo um dos bons temas do disco, ouve-se com bastante agrado, bem como o tema que se segue, "Rainmaker Blues", cantado por Chris e onde são visíveis algumas influências que o grupo tem de Blues. No entanto, estes dois temas são, na minha opinião, os menos conseguidos deste disco.
Segue-se o tema mais longo do disco, "Every River Will Burn", e, como em todos os temas longos da discografia dos Walkabouts, ficamos maravilhados com os pormenores musicais das guitarras que só este grupo consegue fazer, principalmente através dos "dedos" de Carla Torgerson. Aquela forma de tocar em que se entra no acorde seguinte sem se sair do anterior é algo que a mim me fascina, e Carla Torgerson faz isso melhor do que ninguém, criando um elo de ligação entre cada acorde. Neste tema, o solo de Carla pode estar longe do brilhantismo de "Train to Mercy" do álbum "Scavenger", mas é na mesma fabuloso, como fabuloso é o solo do tema seguinte, "No Rhyme, No Reason", cantado por Chris Eckman, num estilo mais rock, e que antecede o melhor tema deste disco, a balada "Wild Sky Reverly". Com um fundo musical em que sobressai o som da slide guitar e de um piano, a voz de Carla Torgerson é simplesmente bela, numa canção ideal para ouvir num bar em ambiente de fim de noite, quando os nossos corpos estão cansados de mais um dia em que sobrevivemos num mundo cada vez pior, numa sociedade sem valores. Esta música tem o dom de conseguir com que nós a interiorizemos, e dessa maneira transporta-nos para longe, não para um mundo perfeito pois esse não existe, mas sim para um ambiente em que nos conseguimos alhear das coisas más que nos rodeiam, e são estes pequenos momentos e prazeres que fazem com que a música deste grupo seja, acima de tudo, bela.
Depois de um raro momento de beleza, eis que surge "Long Drive In a Slow Machine", cantado por Chris Eckman naquele que será, seguramente, o melhor tema deste disco para ser tocado ao vivo. Bem ritmado, um refrão fácil e contagiante, a boa voz de Chris Eckman e um excelente solo de guitarra de Carla Torgerson, fazem com que este seja o eleito para para criar um ambiente de apoteose em final de concerto.
E, para terminar, nada melhor do que mais uma balada, desta vez em jeito de dueto, com Chris e Carla. "Horizon Fade", não sendo um tema brilhante, é aquele tipo de canção que num disco pode ser entendido como uma espécie de agradecimento por parte do grupo a quem os ouviu, mas quem tem de agradecer, é quem ouve, pois a música dos Walkabouts faz-nos felizes.

01 - My Diviner
02 - The Dustlands
03 - Soul Thief
04 - They Are Not Like Us
05 - Thin Of The Air
06 - Rainmaker Blues
07 - Every River Will Burn
08 - No Rhyme, No Reason
09 - Wild Sky Reverly
10 - Long Drive In a Slow Machine
11 - Horizon Fade

Nota - 9/10

P.S. - Vi Walkbouts no dia 09 de Outubro de 2009 na Aula Magna em Lisboa, no dia 10 de Outubro no Hard Club em Vila Nova de Gaia e no dia 12 de Agosto de 2000 em Paredes de Coura.
Espero que voltem a Portugal este ano, ou em 2012. Se vierem, eu vou.

Momentos... Arcade Fire

Arcade Fire no Super Bock Super Rock

04/11/11

Momentos... Grinderman

Grinderman, no Festival Optimus Alive

03/11/11

Momentos... George Michael

Concerto de George Michael, na Biskaia Arena em Barakaldo (Bilbao)

02/11/11

Momentos... Grinderman

Grinderman, no Festival Optimus Alive