11 December 2013

Entrevista... Trabalhadores do Comércio

Quarta parte de uma entrevista feita pelo autor deste blog aos Trabalhadores do Comércio, em vésperas de concerto no Rock Rendez-Vous.

Perg. – O que levou tu e o Sérgio Castro a desdobrarem-se em dois grupos, os Trabalhadores do Comércio e os Arte & Ofício?
Resp. – Eu estava a ouvir as perguntas que fazias ao Sérgio, e ouvi-o falar mais ou menos do assunto. Nós estávamos nos Arte & Ofício que é o grupo onde tocamos há 6 anos. Os Trabalhadores do Comércio surgiram de uma brincadeira e graças ao impacto que teve obrigou-nos a pensar um bocado no que tínhamos feito. A partir daí começaram a surgir concertos, contratos que a principio não podíamos cumprir, pois éramos só três. Claro que mais tarde isso veio dar origem a que tivéssemos que procurar mais pessoas para fazerem um suporte musical. Inicialmente foi uma brincadeira, mas agora é um caso nacional; então surge a inclusão do Luís, que é um cantor (não gosto de dizer que é um puto). Apesar de ser um “puto”, ele assume o seu papel de vocalista, e posso adiantar que assume muito mais profissionalmente que muitos músicos que existem e que já andam nisto há muito tempo.
Perg. – Para terminar, gostava que me dissesses quais os músicos que servem de vosso suporte musical nos espectáculos ao vivo.
Resp. – Os músicos que nos acompanham são: Miguel Cerqueira (baixo); Jorge Filipe (sintetizados, vacoder); e o Carlos Araújo (guitarra).

FIM

10 December 2013

Entrevista... Trabalhadores do Comércio

Terceira parte de uma entrevista feita pelo autor deste blog aos Trabalhadores do Comércio, em vésperas de concerto no Rock Rendez-Vous.

(Depois do grande João Luís, chegou a vez do Álvaro Azevedo).
Perg. – O que achas desta enorme avalanche de grupos rock Portugueses, que surgiu no ano passado e este ano continua?
Resp. – Ora bem: tu dizes avalanche porque talvez não tenhas assistido aqui há 15 anos atrás como eu assisti, e foi nessa altura que comecei a tocar num grupo que na altura ganhou alguma nomeada que foram os Pop Five, que eram formados por mim, pelo Tozé Brito, Paulo Godinho e pelo Miguel Graça Moura. Foi um grupo que foi para a frente e em 1971 chegou a ir a Inglaterra gravar. Nessa altura já havia uma grande avalanche de grupos rock. Talvez não existisse uma grande publicidade por parte dos jornais nem apoio por parte da rádio, e eram coisas isoladas que se faziam, pois havia um grupo aqui e outro ali. Actualmente existem alguns 20 ou 30 grupos já com discos gravados e a fazerem espectáculos. Desses grupos, alguns têm qualidade, outros não, mas eu acho que da quantidade irá aparecer a qualidade, e já se fala muito de separar o “trigo do joio” e é claro que isso vai acontecer. Há quem condene esta avalanche, mas eu não porque a acho necessária, pois a lei dos 50% da música Portuguesa vai fazer com que as editoras tenham de editar qualquer coisa, já que têm de ter músicas para a rádio funcionar.
Perg. – Falaste numa selecção de grupos. Quais são, na tua opinião, os que “vão ficar pelo caminho”?
Resp. – Isso é uma pergunta um bocado tirada de surpresa. Sou uma pessoa que não gosta de estar a dizer mal disto ou daquilo, porque por um lado o que está mal agora daqui a um ou dois meses pode estar bem, porque já existe uma rodagem e ensaios. Grupos de certa nomeada ouço todos, como por exemplo os Salada de Frutas.
...

09 December 2013

Entrevista... Trabalhadores do Comércio

Segunda parte de uma entrevista feita pelo autor deste blog aos Trabalhadores do Comércio, em vésperas de concerto no Rock Rendez-Vous.

Perg. – Disseste que o “Lima 5” não obteve maior êxito porque a editora não fez grande promoção. Quer dizer que muitas vezes, a música pode não ter grande qualidade e ser um grande êxito, de vido a uma boa promoção editorial?
Resp. – Exacto. A campanha promocional é uma coisa fundamental. Nós temos um exemplo a nível mundial que é o caso dos Ramones e do Elvis Costelo, que são muito maus músicos. Mas os Ramones são um grupo que se dá ao luxo de vir aqui sacar quarenta e quatro mil contos por um ou dois concertos. Ora bem, isto é grave e é um insulto aos verdadeiros músicos; é uma amostra mais do que suficiente de como é que se funciona a nível promocional. Quer dizer, a partir do momento em que há uma editora gigante, como a dos Ramones, esses músicos têm êxito. Eu considero os Ramones um disparate absoluto e são apenas um caso de publicidade. E depois temos o caso contrário: toda a gente sabe que o John McLauphin é um tipo que tem imensos problemas quando toca em determinados sítios; quer dizer, as pessoas estão assim um bocado “nas tintas” para o que se passa num concerto dele, e isso acontece porque ele tem pouca publicidade.
(Mudando de entrevistado, a próxima pergunta é para o João Luís que tem apenas nove anos).
Perg. – Gostas de cantar numa banda que é composta por elementos muito mais velhos do que tu?
Resp. – Gosto. Adoro.
Perg. – Como é que foi que apareceste a cantar nos Trabalhadores do Comércio?
Resp. – O Sérgio mostrou-me as músicas e eu andava sempre a cantá-las. Um dia, estava a cantar e passado um bocado o Sérgio olhou para o Álvaro, o Álvaro olhou para ele e abanaram a cabeça; depois o Sérgio perguntou-me se eu queria vir a Lisboa gravar e aceitei. Depois gravámos, começamos a tocar ao vivo e agora vamos gravando.
Perg. – Em quê que a música mudou a tua vida.
Resp. – Antes, eu estava em casa sem fazer nada, só com a minha irmã a chatear-me. Agora já não.
...

08 December 2013

Entrevista... Trabalhadores do Comércio

Primeira parte de uma entrevista feita pelo autor deste blog aos Trabalhadores do Comércio, em vésperas de concerto no Rock Rendez-Vous.

Sérgio Castro, Álvaro Azevedo e João Luís formam um grupo rock que apareceu em 1980, grupo esse que tem o nome de Trabalhadores do Comércio. Actualmente tem gravado um LP e dois singles, e uma característica do grupo, é que cantam à moda do Porto. Aproveitando uma vinda deles a Lisboa para uma actuação no Rock Rendez-Vous, fui entrevistá-los.
Perg. – A gravação do vosso LP foi feita em Londres. Porquê Londres? Será que os estúdios portugueses, não têm as condições necessárias para a gravação de um álbum.
Resp. – (Sérgio Castro) – Isso é uma pergunta que muita gente nos faz, e não tem nada a ver com a questão dos estúdios cá não terem as condições necessárias. Efectivamente existem algumas carências nos estúdios portugueses, muitas vezes até a nível humano, por muito que isso possa custar a muita gente e já nos tem acontecido trabalharmos com pessoas pouco experientes o que, às vezes, nos traz alguns problemas. Por outro lado, e a principal razão, é que enquanto nós estávamos ligados à antiga editora (Gira), não havia estúdios disponíveis, e quando a editora quis alugar o estúdio para gravarmos, não conseguiu, e foi então que pusemos a hipótese de ir gravar a Londres, pois éramos poucos e a coisa às tantas não ficava mais cara. Então marcámos a gravação, aquilo foi adiado por várias razões, e entretanto houve algumas chatices com a editora, que levaram à nossa saída. Foi então que passámos para a Polygram; aceitaram a nossa ideia pois tinham o mesmo problema que a editora anterior: só nos podiam arranjar estúdio para uma determinada altura, altura essa que já não nos interessava, sequer, gravar. Aproveitámos esse estúdio para os Arte & Oficio e fomos gravar a Londres. Foi essa a principal razão.
Perg. – Como toda a gente sabe, vocês cantam à moda do Porto. Existiu alguma preocupação especial, nessa escolha?
Resp. – (Sérgio Castro) – A preocupação é esta: durante muitos anos afirmei, e continuo a afirmar que não gosto de rock cantado em Português, e continuo a não gostar por muito que isso possa custar a muita gente e por muito que eu esteja fora de moda, e de certeza que estou. De repente, porque fizemos este projecto que começou por ser um disco que eu e o Álvaro íamos fazer, e que depois apareceu o João Luís; depois aparece um nome, a seguir há aquele “boom” que foi o “Lima e”, que não foi maior porque a editora “Nossa Senhora”, não é? Portanto a partir daí os Trabalhadores do Comércio são um projecto para levar para a frente. Acontece que já nesse disco estava notório o nós cantarmos à moda do Porto, ou melhor, utilizando a fonética, o sotaque portuense de determinadas zonas (como por exemplo a Ribeira), nós vamos conseguir, sem dúvida, uma maior musicalidade. Temos uma data de palavras que conseguimos aumentar, temos outras que conseguimos comprimir, mas sem aparecerem como erro. Aí já começo a concordar em cantar daquela maneira, e acho que conseguimos uma determinada musicalidade. Propriamente a nossa música tem influências rock, Reggae e de alguns blues. Essas influências todas juntas, com uma influência fundamental que é a da música popular portuguesa, em que nós fomos descobrir que tínhamos algumas influência do António Mafra, a quem nós dedicámos o nosso LP dão um tipo de música que me parece um pouco perto de raízes algo folclóricas.
...

06 December 2013

Homenagem... Nelson Mandela

Nelson Mandela (1918-2013)

Como muitas vezes referi, um dos homens que mais admirei. Partiu ontem, dia 05 de Dezembro, mas existem pessoas cuja vida vai muito para além da morte; Mandela é uma dessas pessoas.
Um enorme ser humano que, no longínquo ano de 1999, quando de uma visita a Portugal, vi à entrada do Centro Comercial Amoreiras. Jamais esquecerei a sua simplicidade ao sair da viatura e dirigir-se a um grupo de cidadãos, anónimos, com os quais conversou como se fossem amigos de longa data.
A enormidade da sua simplicidade e da sua pessoa, marcaram-me desde sempre.
Um homem que soube perdoar... anos e anos de cativeiro injusto.

04 December 2013

22 November 2013

Setlist... The National

Setlist do concerto dos The National, na Meo Arena

01 - Don't Swallow The Cap
02 - I Should Live In Salt
03 - Secret Meeting
04 - Bloodbuzz Ohio
05 - Demons
06 - Sea Of Love
07 - Hard To Find
08 - Afraid Of Everyone
09 - Squalor Victoria
10 - I Need My Girl
11 - This Is The Last Time
12 - Lean
13 - Abel
14 - Slow Show
15 - Apartment Story
16 - Pink Rabbits
17 - England
18 - Graceless
19 - About Today
20 - Fake Empire

Encore

21 - Sorrow
22 - Mr. November
23 - Terrible Love
24 - Vanderlyle Crybaby Geeks

Ao vivo... Bruno Mars

Data - 16 de Novembro de 2013
Local - Meo Arena
Notas - Não sendo grande admirador da obra de Bruno Mars (Peter Gene Hernandez, nascido no dia 08 de Outubro de 1985), tenho de admitir que o concerto nem foi mau, antes pelo contrário, até foi muito bom.
Com dois álbuns lançados, "Doo-Wops & Hooligans" de 2010 e "Unorthodox Jukebox" de 2012 e ainda alguns singles - ou seja, pouco mais de duas dezenas de canções - Bruno Mars soube preencher um concerto que durou cerca de uma hora e trinta minutos, durante o qual tocou catorze músicas, não se limitando a fazer uma transcrição fiel das canções dos discos para o conceito "ao vivo", prolongando-as sem cair no exagero e acrescentando pequenos solos instrumentais mas respeitando sempre a respectiva estrutura. Perante uma Meo Arena completamente esgotada, Bruno Mars proporcionou aos fans uma noite que irá ficar na memória por muitos e muitos anos, pelo menos a julgar pelas expressões de delírio e felicidade estampadas nos rostos, na sua maioria femininos.
Acompanhado por oito excelentes músicos o concerto só pecou pela (na minha opinião) excessiva colagem ao estilo de dança de Michael Jackson. Não é que Bruno Mars não desempenhe bem esse papel, mas quem teve a oportunidade de ver Jackson ao vivo, sabe que não é igual, e que Michael Jackson era inimitável.
Exceptuando esta questão, o concerto foi mesmo muito bom e o som esteve em  bom nível, pelo menos na parte junto ao palco. Quanto às bancadas e à parte de trás da plateia, já toda a gente sabe que o som na Meo Arena é demasiado mau, com muito eco e pouco perceptível. Algo que urge corrigir.
Uma nota final para o músico Bruno Mars: é bom. Sempre que pegou na guitarra esteve bem, com excelentes solos, que se fossem num concerto de rock teriam de ser obrigatoriamente mais alongados e seriam, seguramente, de qualidade. No início do encore, Bruno Mars presenteou a imensa plateia com um pequeno solo de bateria e, na minha opinião, esteve em melhor nível que o próprio baterista da banda que em certos momentos parecia perder-se.
Na primeira parte esteve em palco Mayer Hawthorne, que durante pouco mais de trinta minutos conseguiu segurar uma plateia que aparentava desconhecer a sua obra, apesar de já ter três álbuns editados, "A Stranfe Arrangement" de 2009, "How Do You Do" de 2011 e "Where Does This Door Go" de 2013. Num estilo muito próximo de Justin Timberlake, não desiludiu mas também não empolgou, funcionando como um bom aquecimento para uma boa e divertida noite musical.
Voltando a Bruno Mars, apesar da sua carreira ser ainda curta, fica a ideia que conseguirá ir mais longe.
O tempo o dirá.

21 November 2013

Setlist... Bruno Mars

Setlist do concerto de Bruno Mars, na Meo Arena, Lisboa

01 - Moonshine
02 - Natalie
03 - Treasure
04 - Money (That's What I Want) - Billionaire - I Need a Dollar
05 - Bam Bam - Show Me - Our First Time - Pony - Ignition
06 - Marry You
07 - If I Knew
08 - Ranaway Baby
09 - Young Girls
10 - When I Was Your Man
11 - Grenade
12 - Just The Way You Are

Encore

13 - Locked Out of Heaven (Intro: Bruno Mars Drum Solo)
14 - Gorilla

12 November 2013

Ao vivo... Suede

Data - 08 de Novembro de 2013
Local - Coliseu do Porto
Notas - Depois do bom concerto que os Suede deram num vazio Coliseu dos Recreios em Lisboa, era chegada a vez de um vazio Coliseu do Porto os acolher.
Sinónimo da crise ou de pouca divulgação, o certo é que esta passagem por Portugal de Brett Anderson (voz), Mat Osman (baixo), Neil Codling (teclas e guitarra), Richard Oakes (guitarra) e Simon Gilbert (bateria), terá ficado um pouco aquém das expectativas do grupo e da entidade organizadora, pelo menos no que diz respeito à parte financeira.
Se financeiramente os concertos podem ter ficado longe do previsto, musicalmente isso não aconteceu, e até é possível afirmar que as melhores expectativas foram ultrapassadas. Quer em Lisboa, quer no Porto, os concertos foram mesmo muito bons.
Desengane-se quem julga que dois concertos seguidos da mesma banda (em dias consecutivos) são iguais. Não são.
Mesmo com alinhamentos iguais, nunca nada é igual num concerto ao vivo; é essa a magia de um espectáculo ao vivo. Para além disto, este concerto do Porto contou com seis temas que não foram tocados em Lisboa, dos quais destaco "New Generation" e "The Wild Ones" do álbum "Dog Man Star", ou "Sabotage" de "Bloodsports" que substituiu "Barriers" do mesmo disco, não faltando os "reincidentes" "For The Strangers" e "Snowblind", do mais recente disco, ou ainda "So Young", "Animal Nitrate" e "The Drowners", do álbum de estreia de um grupo que com esta digressão, comemora os 20 anos de carreira, e pelo que foi possível ver e ouvir, estão como o vinho desta bonita cidade do Porto: "quanto mais velhos melhores". 
Foram duas noites com uma hora e quarenta e cinco minutos de concerto cada uma, ficando no final uma sensação agridoce. Se por um lado soube a pouco, por outro resta a satisfação de os ter ouvido dizer que regressavam em breve.
Esperemos que sim, e que seja para actuarem perante uma plateia maior, se bem que desta vez podem ter sido poucos os espectadores, mas foram bons. Afinal é isso que interessa.

08 November 2013

Ao vivo... Suede

Data - 07 de Novembro de 2013
Local - Coliseu dos Recreios de Lisboa
Notas - Comentário já publicado.

Ao vivo... Suede

Foram uns Suede liderados por um Brett Anderson "de raiva" que enfrentaram uma plateia com pouco público. Com as bancadas que ladeiam a arena central do Coliseu tapadas por longos panos pretos e uma plateia muito longe de estar cheia, Brett Anderson (voz), Neil Codling (teclado e guitarra), Mat Osman (baixo e Simon Gilbert (bateria), não desiludiram e mostraram que estão em excelente nível, ideia que já tinha ficado do último disco "Bloodsports" de 2013.
Com uma energia impressionante, Anderson conseguiu agarrar o público e participou na festa de forma invulgar  ao percorrer a plateia e cantar no meio do público para delírio dos fans, durante "Drowners", primeiro single editado pelo grupo no já longínquo ano de 1993. Para além da sua característica muito glamorosa em palco, Brett esteve invulgarmente enérgico, sendo alguém por quem os anos teimam em não passar, sucedendo o mesmo com a música do grupo; veja-se, por exemplo, "Animal Nitrate" e "So Young", do álbum de estreia "Suede" (1993), dois clássicos do Brit-Pop, que nos dias de hoje conseguem cativar e empolgar o público da mesma forma que "Barriers" ou "Blindness", do mais recente trabalho, ou "Trash" ou "Beautiful Ones" de "Coming Up" (1996), entre muitos outros temas que o grupo tem, temas de grande qualidade e que conseguem ficar no ouvido de uma forma extremamente fácil.
Uma excelente noite de música, para a qual também contribuíram os Teleman, grupo britânico com um pop agradável e que, ao que parece, tem margem para progredir pois não se prendem à simplicidade musical e tentam, sempre, dar um toque diferente à sua sonoridade, proporcionando bom aquecimento para a boa noite dos Suede.
Nota final - Quanto ao alinhamento do concerto, de referir que os temas escolhidos percorreram toda a obra do grupo, exceptuando o mal-amado (com razão) "A New Morning" de 2002.
- Suede (1993) - Animal Nitrate, Metal Mickey, Pantomine Horse, So Young, Drowners;
- Dog Man Star (1994) - The 2 of Us, We Are The Pigs
- Coming Up (1997) - By The Sea, Trash, Beautiful Ones, Filmstar
- Sci-Fi Lullabies - (1997) - Another No One
- Head Music (1999) - Can't Get Enough, She's in Fashion
- Bloodsports (2013) - Barriers, For The Strangers, IT Starts and Ends With You, Snowblind, Sometime I Feel I'll Float Away.

Setlist... Suede

Setlist do concerto dos Suede no Coliseu dos Recreios de Lisboa, no dia 07 de Novembro.

01 - Pantomime Horse
02 - Barriers
03 - Snowblind
04 - It Stats and Ends With You
05 - Filmstar
06 - Trash
07 - Animal Nitrate
08 - We Are The Pigs
09 - Smetimes I Feel I'll Float Away
10 - By The Sea
11 - The Drowners
12 - Can't Get Enough
13 - The 2 of Us
14 - Another No one
15 - For The Strangers
16 - So Young
17 - Metal Mickey

Encore

18 - She's in Fashion (versão acústica)
19 - Beautiful Ones

07 November 2013

Ao vivo... Tindersticks


Mesmo com alguns lugares vagos na plateia sentada, e mesmo com as bancadas praticamente despidas de público, a noite de 01 de Novembro ter-se-á tornado inesquecível para quem se deslocou ao Coliseu dos Recreios de Lisboa.
Eram 21 horas em ponto quando se deu início a um dos melhores concertos dos Tindersticks em Portugal.
O grupo oriundo de Nottingham, liderado por Stuart A. Staples, Neil Frase e Dave Boulter, celebra nesta digressão os 20 anos de carreira, e quem diria que atendendo à característica  da sua música, muito fora dos parâmetros comerciais e recheada de pormenores por vezes imperceptíveis, chegariam aos dias de hoje, e ainda por cima em grande forma, como ficou provado com o disco de 2012 "The Something Rain".
Quanto ao concerto desta noite, ele foi dividido em duas partes, sendo a primeira de carácter ainda mais intimista e na qual os músicos ocupavam o centro do palco, com Stuart Staples sentado. Foi ao som de "Trickin", do álbum "Can Our Love..." de 2001 que começou uma excelente noite de música.
Sobriamente, as luzes incidiam somente sobre Staples e Boulter. Enquanto a excelente voz de Staples enchia o recinto, Boulter extraía pequenos sons das teclas e todos os outros elementos do grupo permaneciam na penumbra, à espera de, também eles, entrarem nesta viagem que nos iria transportar durante quase duas horas e meia, num tempo repleto de grandes emoções graças a uma música tocante e contagiante, chegando, por momentos, a provocar sorrisos e expressões faciais de felicidade por parte de uma plateia que vivia momentos de grande intensidade ao som de algumas das mais belas canções que, teimosamente, continuamos a ouvir de forma arrebatadora e que têm o poder de nos alhear de tudo o que nos rodeia.
Nem parecia que estávamos numa sala muito longe de estar cheia. Se não víssemos e apenas ouvíssemos os aplausos do público, podíamos afirmar desde o primeiro momento que o Coliseu tinha esgotado mais uma vez, para assistir a uma noite de culto aos Tindersticks, culto esse bem audível no final de cada tema (pelos imensos aplausos) e durante as canções (pelo impressionante silêncio).
Se a primeira parte do concerto foi numa toada mais calma, onde foi possível ouvir as recentemente regravadas "A Night to Still", "Marseilles Sunshine", "Friday Night", entre outras canções, a segunda parte foi ligeiramente mais dinâmica, continuando a percorrer a obra do grupo, desde o mítico "Tindersticks" de 1993 até "Across Six Leap Years" de 2013, disco em que regravaram alguns dos seus clássicos.
Numa noite de grandes emoções que teve como banda-sonora um conjunto de belas canções, é extremamente difícil destacar um momento, pois para além da perfeição do som (do melhor que ouvi até hoje no Coliseu), todo o ambiente estava igualmente perfeito (à excepção da ausência de público).
Arrisco, no entanto, a destacar alguns momentos, como por exemplo, "Say Goodbye To The City", numa interpretação cheia de energia quase próxima de uma Jam Session; "Sometimes it Hurts" e "Travelling Light", que contaram com a bela voz de Gina Foster; se em "Sometimes it Hurts" a participação foi mais discreta, talvez com o intuito de não fazer esquecer a grande Lhasa de Sela, já em "Travelling Light", Foster quase fez esquecer Carla Torgerson, a voz dos Walkabouts; destaque ainda para "Can We Start Again?", um tema mais "dançável" que pôs todo o Coliseu a bater palmas do primeiro ao último acorde, numa música que se aproxima ligeiramente do Soul. Houve ainda "This Fire of Autums", "Medicine", Another Night In, Sleepy Song", "Dying Slowly" e, entre muitas outras, a terminar a segunda parte surge, "My Oblivision".
Quanto ao tema escolhido para terminar a noite, nada melhor do que "My Sister", a funcionar como a cereja no topo do bolo.
Ao fim de duas horas e trinta minutos de música dá-se o regresso a casa, com um imenso ar de satisfação a inundar os rostos de um público que viveu uma noite de intensas sensações provocadas por uma música e sonoridade que vai muito para além da simples música e que nos cativa e prende, ao ponto de chegar a parecer que não respiramos.

04 November 2013

Ao vivo... Tindersticks

Data - 02 de Novembro de 2013
Local - Coliseu dos Recreios de Lisboa
Notas - Comentário já publicado.

31 October 2013

Setlist... Foals

Setlist do concerto dos Foals, no Coliseu de Lisboa

01 - Prelude
02 - Total Life Forever
03 - Olimpic Airways
04 - My Number
05 - Blue Blood
06 - Providence
07 - Late Night
08 - Milk & Black Spiders
09 - Spanish Sahara
10 - Red Socks Pugie

Encore

11 - Inhaler
12 - Two Steps, Twice

03 October 2013

Entrevista... Rui Veloso

Terceira parte de uma entrevista feita pelo autor deste blog a Rui Veloso, após a edição do disco "Ar de Rock".

O “Ar de Rock” foi o maior êxito de sempre do Rock Português. Recentemente num programa da rica querida (?) televisão, mostrou as emissoras de rádio piratas de França, e numa dessas emissoras passaram o “Ar de Rock”. Será que a música rock Portuguesa já tem qualidade para se poder implantar com êxito no mercado internacional? “Acho que sim, não vejo porque não. Lá fora também se faz muita merda, não é só cá. Mas se for cantado em Português acredito que não tenha êxito lá fora pois os estrangeiros não percebem nada da letra. No festival do Midem, mostraram-se interessados no meu disco, mas disseram que tinha de ser cantado em Inglês, pois em Português não dava”.
Voltando um bocado atrás na entrevista, falamos novamente da televisão em Portugal, de péssima qualidade. Relativamente a este assunto, a opinião de Rui Veloso é de que “É uma autêntica merda, uma anedota, algo que só vendo é que se acredita. Superficialmente é uma anedota; agora se as pessoas a conhecerem a fundo, começa a ser triste”.
Entre um e outro copo, um e outro cigarro, a entrevista aproximava-se do seu final. Para terminar, a pergunta da praxe: Projectos para o futuro? Rui Veloso disse “Ir gravando, dando uns espectáculos e continuar o meu trabalho que é a música”.
Possivelmente, muito ficou por dizer, mas acho que o essencial foi dito e escrito.

02 October 2013

Entrevista... Rui Veloso

Segunda parte de uma entrevista feita pelo autor deste blog a Rui Veloso, após a edição do disco "Ar de Rock".

Outro problema que leva a interrogar sobre o êxito do próximo LP de Rui Veloso é a sua linha musical, o seu estilo, que vai ser completamente diferente do “Ar de Rock”. No próximo LP, Rui Veloso vai cantar o Blues e em Português. Sobre a sua opinião sobre a aceitação do mercado Português desse estilo musical, Rui Veloso diz que “acha que tem uma boa aceitação, pois os concertos de grupos de Blues que têm acontecido por aqui, foram porreiros e o pessoal aderiu”.
As editoras actualmente têm as portas abertas aos grupos Rock Portugueses mas há quem diga que mais tarde ou mais cedo voltarão a fechar essas portas devido a eventuais prejuízos. A opinião do Rui Veloso é ligeiramente diferente: “Acho que as editoras não vão fechar essas portas. Quanto aos grupos darem prejuízo, isso não deve acontecer pois existe mercado. É natural que as vendas daqui a cinco anos estabilizem, mas para já não pois há por aí muitos grupos a vender bem”.
Neste tom descontraído a entrevista foi decorrendo, sendo constantemente interrompida por uma passa de cigarro. Assim, chegamos ao Rock Português e falamos da existência de um movimento Rock Português: “Não acho que exista um movimento de Rock Português. Existem grupos a tocar, mas movimento não”.
...

01 October 2013

Entrevista... Rui Veloso

Primeira parte de uma entrevista feita pelo autor deste blog a Rui Veloso, após a edição do disco "Ar de Rock".

Até Maio de 1980, quem é que ele era? Apenas um cidadão normal, como eu, tu e muitos outros. Para alterar completamente a vida deste “Herói do nosso tempo”, bastou um LP, com uma duração musical de cerca de 33 minutos e com uma capa a preto e branco, onde se podia ler “Rui Veloso – Ar de Rock”. Só isto bastou para colocar este “tripeiro”, pois ele é do Porto, nas bocas de todo o mundo, nos Tops, nas listas de discos de ouro, etc, etc.
RUI VELOSO: Um rapaz de 23 anos, nascido no Porto e que recentemente abalou para Lisboa, onde se encontra a residir, mas sem deixar de ir ao Porto com regularidade, pois segundo ele diz “não gosto muito de Lisboa, sinto-me bem quando vou ao Porto, quando estou lá com a malta. Não gosto de Lisboa porque há muito barulho, muito movimento”. Muitas vezes esses contras fazem com que um músico se deixe arrastar para um lado que lhe pode ser prejudicial, pode fazer com que perca a pureza devido às várias pressões que existem. Eis a sua opinião: “Por vezes uma pessoa tem problemas, mas não se trata de perder a pureza. Às vezes tenho crises de inspiração e não consigo fazer nada, por não ter ambiente”.
Algo que sabemos é que com o enorme êxito, conseguido assim repentinamente, Rui Veloso criou um certo compromisso e geralmente quando um cantor consegue um êxito repentino, mais tarde ou mais cedo, sujeita-se a entrar em decadência. Relativamente a este assunto, Rui Veloso disse que o “preocupava na medida em que prefere ganhar dinheiro à custa dos discos, pois não tem grande vida para andar a fazer espectáculos. É evidente que eu não acredito que o meu segundo disco vá vender tanto como o primeiro. As vendas do primeiro foram em grande quantidade, devido ao entusiasmo inicial, pois não havia ninguém a fazer o Rock”.
...

19 September 2013

Ao vivo... James Blake

Dia - 24 de Maio de 2013
Local - Parc Del Fórum - Barcelona
Notas - Não tendo sido mau, caso o concerto de James Blake tivesse decorrido num outro palco mais pequeno e intimista, teria sido brilhante - lembro-me, por exemplo, do auditório Rock de Lux, onde Christopher Owens encantou -. As sonoridades de Blake, com o seu "sampling" e um estilo muito influenciado pelo Dubstep, mas numa vertente mais suave e menos ritmada, fizeram com que se fosse perdendo um pouco o ritmo ao longo do concerto que durou pouco mais de uma hora e no qual James Blake interpretou temas dos dois discos já editados, "James Blake" de 2011 e "Overgrown" de 2013.
É de acrescentar ainda, que os excelentes e reconhecidos dotes vocais de Blake, perdem-se muito em espaços demasiado amplos e para plateias de largos milhares de espectadores, em que as inevitáveis e dispensáveis conversas, tornam-se extremamente incomodativos, para não dizer irritantes.

13 September 2013

Ao vivo... Selena Gomez

Data - 11 de Setembro de 2013
Local - Campo Pequeno
Notas - Com as bancadas e galerias esgotadas e uma plateia quase cheia, a Praça de Touros do Campo Pequeno recebeu em apoteose a norte-americana Selena Gomez.
Com apenas 21 anos de idade (22 de Julho de 1992) e quatro discos editados - Kiss & Tell de 2009 foi o disco de estreia - esta jovem cantora já conseguiu granjear um imenso número de fans (maioritariamente femininos).
O ruído ensurdecedor das manifestações de apreço, tanto em forma de aplausos como de gritos, acabaram por fazer com que o pop melódico com laivos de dança de Selena Gomez, parecesse um bálsamo para os ouvidos, num concerto em que o som esteve em muito bom nível, pelo menos para quem estava na plateia, e no qual Selena cumpriu o seu papel na perfeição, de tal modo que no final do concerto e no consequente regresso a casa, ao abandonar a sala, fosse visível uma expressão de enorme satisfação nos rostos do público que, apesar do preço elevado dos bilhetes, compareceu em excelente número.
As lágrimas de felicidade de muitos fans no início do concerto quando Selena entrou em palco, e o elevado grau de satisfação visível no final do mesmo, fez com que esta, tenha sido uma noite inesquecível para os verdadeiros apreciadores da jovem cantora.
A primeira parte esteve a cargo dos Union J, banda de jovens britânicos saída do concurso X-Factor, que actuou pela primeira vez fora do seu país. Num alinhamento praticamente à base de covers (destaque para Run dos Snow Patrol), este jovem grupo não desiludiu os seus fans que se apresentaram, também, em bom número.

Setlist... Selena Gomez


Setlist do concerto de Selena Gomez, no Campo Pequeno
01 - Bang Bang Bang
02 - Round & Round
03 - Like a Champion
04 - B.E.A.T.
05 - Stars Dance
06 - Write Your Name
07 - Birthday
08 - Love You Like a Love Song
09 - Love Will Remember
10 - Dream
11 - Royals
12 - Who Says
13 - Whiplash
14 - Naturally
15 - Undercover
16 - Save The Day
17 - A Year Without Rain
18 - Come & Get It
19 - Slow Down

10 September 2013

Ao vivo... DaWangGang

Data - 27 de Julho de 2013
Local - Av. Vasco da Gama - Sines
Notas - DaWangGang é um dos projectos mais interessantes da música de origem chinesa. Liderados pelo cantautor Song Yuzhe, natural do nordeste da China, Hu Gejilet (violino, voz e berimbau de boca), Cao Yuhan (voz), Zeng Siaogang (violino vertical) e Zhang Yang (percussões), proporcionaram um concerto inesquecível, não só pela qualidade musica e da interpretação, como também por toda uma panóplia de sons que nos transportaram até à China profunda e à Ásia Central, pois uma grande parte da música de Song Yuzhe (voa, banjo de oito cordas e "Citten"), assenta numa pesquisa que o músico fez a partir de 2002, altura em que decidiu viajar e percorrer toda essa imensa zona, com o intuito de aprender canções tradicionais e, simultaneamente, dar-lhe uma "roupagem" ligeiramente ocidental, proporcionando sonoridades que tanto vão da mais pura tradicional música chinesa e asiática, ao rock e até ao jazz, numa beleza sonora desconfortante e sedutora.

01 August 2013

Ao vivo... Tony Carreira

Data - 16 de Julho de 2012
Local - Recinto da feira do Silvado
Nota - Espectáculo inserido nas Festas da Cidade de Odivelas e que contou, como era previsível, com lotação esgotada para ver Tony Carreira, músico que arrasta um mar de gente onde quer que actue e que se faz acompanhar por músicos de grande profissionalismo.

29 July 2013

Ao vivo... Festival Músicas do Mundo

Neste primeiro dia do segundo fim-de-semana do Festival Músicas do Mundo, o Jamaicano Winston McAnuff - também conhecido como "Electric Dread", devido à sua postura em palco - e o acordeonista francês Fixi, apresentaram-se numa altura em que se preparam para lançar o seu primeiro álbum, com edição prevista para o mês de Setembro, disco este que surge na sequência natural do sucesso obtido com o EP "Garden Love", editado em Abril deste ano.
Durante mais de uma hora, no palco situado na Avenida Vasco da Gama, junto à bonita praia de águas calmas de Sines, foi possível viajar de forma alegre e descontraída pela música com raízes na Jamaica mas que navega pelos campos do Rock, Soul, Afrobeat e ainda pelo Maloya da Ilha Reunião, demonstrando uma verdadeira universalidade de ritmos aos quais é extremamente difícil ficar indiferente, não só pelo seu efeito contagiante, como pela forma como os músicos se apresentam em palco, pois ao contrário da maioria dos grupos do chamado "mainstream", estes demonstram um prazer e uma alegria enorme, e isso é algo que se transmite a quem está a assistir, acabando por funcionar como a cereja no topo do bolo.
Depois deste primeiro concerto na avenida, há que subir a íngreme escadaria que nos leva ao castelo. Tarefa árdua, mas em que se aplica máxima de "quem corre por gosto, não cansa".
A primeira actuação no Castelo, esteve a cargo dos portugueses Gaiteiros de Lisboa que, pelo que era possível ouvir nos comentários do público presente proporcionaram um bom concerto e com algumas intervenções extremamente críticas para com a polícia à entrada do recinto, pois as revistas efectuadas davam a ideia de estarem perante um bando de criminosos.
A seguir aos Gaiteiros de Lisboa, era chegada a vez de Trilok Gurtu e Tigran Hamasyan. Infelizmente, e motivado pelos sucessivos atrasos nos voos que o traziam até Portugal, o percussionista indiano Trilok Gurtu não pôde estar presente, cabendo a Tigran Hamasyan a árdua tarefa de satisfazer o imenso público presente e, diga-se passagem, isso foi conseguido.
Sozinho em palco, o pianista da Arménia não desiludiu e conseguiu proporcionar um dos melhores concertos desta edição ao recorrer a estilos clássicos mas sem ficar refém disso, entrando por campos experimentalistas alimentados por loops de piano eléctrico, usando o assobio como forma de ritmo e chegando mesmo a cantar com o característico canto arménio, numa mistura lamentos com alegrias. Esta simplicidade, estranhamente complexa e embriagante, proporcionou um dos mais belos concertos do dia, e graças a isso foi possível esquecer (por muito difícil que possa parecer) a ausência de Trilok Gurtu.
Pronto; a calmaria e a beleza proporcionada por Tigran Hamasyan durou pouco tempo. Ao fim de um curto intervalo, o rocker argelino Rachid Taha entrou em palco para um concerto arrasador e divertido. Conhecido não só por raramente estar sóbrio em palco mas também pelos excelentes concertos que proporciona, Taha, mais uma vez cumpriu. Com um alinhamento que percorreu os seus últimos discos, Rock n Rai 2 (2010) e Zoom (2013), houve de tudo, numa espécie de anarquia organizada, desde temas com nítidas influências do Oeste americano a outros tipicamente Árabes, proporcionando uma sonoridade característica e curiosa, graças a Hakim Hamadouche e o seu bandolim-alaúde. Os momentos altos da noite foram conseguidos com o boémio "Ecoute Moi Camarade", no qual o público colaborou de forma excelente originando rasgos de boa disposição indisfarçável por parte dos músicos, e também com "Rock El Casbah", o clássico dos Clash que fez levantar poeira no Castelo de Sines. Um bom concerto mas que soube a pouco, pois como tudo o que é bom, acabou depressa, e nem pareceu que tinha passado quase hora e meia naquele que foi o melhor concerto do dia.
Se Rachid Taha proporcionou o melhor concerto do dia, os japoneses Shibusa Shirazu Orchestra proporcionaram o melhor espectáculo. Com 26 elementos em palco, apresentaram uma actuação que cruzava o teatro fantástico e fantasmagórico com a dança "Butoh" do absurdo e do grotesco e uma linha musical abrangente, desde o Jazz ao Rock, passando pelo Funk e pelo Ska, e incursões na característica música balcânica e de improvisação. Tudo isto foi "temperado" com uma boa dose de humor, numa mescla estranha e desorganizada ficando a ideia que cada um fazia o que queria, como se estivéssemos perante uma Jam Session teatral e musical, com excelentes solos por parte de praticamente todos os músicos.

16 July 2013

Ao vivo... Bots

Data - 22 de Maio de 2013
Local - Parc Del Fòrum - Barcelona
Notas - Os irmãos Mikaiah Lei (guitarra e voz) e Anaiah Lei (bateria e voz), com apenas 19 e 16 anos de idade, respectivamente, já editaram três discos, sendo o primeiro "Self-Titled Album" em 2009, "Black and White Lights" em 2010 e "Ladies & Gentleme" em 2011.
Oriundos de Los Angeles, os The Bots apresentam uma música assente num rock puro e duro, com algumas influências naturais de Blues, mas sem nunca chegarem a entrar nesse ritmo, sendo notórias as influência que o grupo colhe de uns Black Keys ou mesmo de Jack White.
Os The Bots, foram uma das boas surpresas desta edição do Primavera Sound Barcelona ao proporcionarem um concerto de bom nivel, e com isso ficou a vontade de descobrir algo mais sobre a discografia do grupo, e ainda alguma curiosidade relativamente à progressão que possam ter em termos de carreira, pois sendo inegavelmente bons executantes (e muito novos), navegam por um estilo musical que não é fácil nem muito abrangente em termos de mercado internacional, ficando a sensação que não irá ser fácil a sua entrada no mercado europeu.

12 July 2013

Ao vivo... Animal Collective

Os americanos Animal Collective, de Baltimore, não deslumbraram mas também não desiludiram nesta sua actuação no Festival Primavera Sound Barcelona.
David Portner (Avey Tare), Noah Lennox (Panda Bear), Josh Dibb (Deakin) e Brian Weits (Geologist), proporcionaram um concerto razoável.
A genialidade de alguns dos seus trabalhos discográficos - como por exemplo "Feels" de 2005, ou "Merriweather Post Pavilion" de 2009 - ao vivo e num recinto de grande dimensão, perde-se, acabando por se tornar em algo que chega a ser aborrecido.
Caso este concerto tivesse sido num espaço mais pequeno, como por exemplo o Auditório RockdeLux ou o palco Ray-Ban, poderia ter sido um dos melhores de todo o festival, mas, neste caso, acabou por ser apenas mais um, o que foi pena, pois a qualidade do grupo é enorme.

Ao vivo... Goat


Data - 24 de Maio de 2013
Local - Parc Del Fòrum - Barcelona
Notas - Oriundos da pequena localidade de Korpolombolo, na Suécia,os misteriosos Goat deram um bom concerto. Com máscaras, não permitindo identificar os rostos, a sua música divaga por diversos campos, desde a World Music a ritmos tribais, da dança ao pop melódico, passando inclusivamente por algum psicadelismo, originando uma sonoridade muito particular e cativante.
Talvez tenha sido graças a esta imensa panóplia de estilos, que foram considerados uma das grandes revelações do ano de 2012 com o álbum "World Music".
Um grupo a merecer alguma atenção em futuros trabalhos discográficos.

11 July 2013

Ao vivo... Orchestre Poly Rythmo de Cotonou


Data - 25 de Maio de 2013
Local - Parc Del Fòrum - Barcelona
Notas - Orchestre Poly Rythmo de Cotonou, da República do Benin, são uma lendária formação formada no final dos anos 60. Após um interregno de mais de 20 anos, o grupo regressou, recentemente, às edições discográficas com o disco "Cotonou Club".
Com a sua mistura de Afrobeat e Jazz, mantendo as raízes tradicionais do Benin, acabaram por proporcionar um excelente concerto, repleto de uma energia contagiante e de grande interacção com o público.

10 July 2013

Momentos... Primavera Sound Barcelona

Espaço do Festival Primavera Sound - Barcelona 2013.

Setlist... Christopher Owens

Setlist de Christopher Owens no festival Primavera Sound Barcelona.
Na confusão natural de um Festival de Música como o Primavera Sound Barcelona, este concerto do Ex-Girls Christopher Owens funcionou como um bálsamo, proporcionando um momento de verdadeira paz. A conjugação do tipo de música de Owens e a sua excelente e melodiosa voz, aliadas a uma sala verdadeiramente fabulosa como o Auditório Rockdelux, proporcionaram um momento de intensa e rara beleza e impossivel de descrever. Mágico.

01 - Here We Go
02 - New York City
03 - A Broken Heart
04 - Here We Go Again
05 - Riviera Rock
06 - Love Is In The Ear of The Listener
07 - Lysandre
08 - Everywhere You Knew
09 - Closing Theme
10 - Part Of Me (Lysandre's Theme)
11 - Wild World (Cover Cat Stevens)
12 - The Boxer (Cover Simon & Garfunkel)
13 - Let It Be Me (Cover Everly Brothers)
14 - Don't Think Twice, It's all Right

Setlist... Muse

Setlist do concerto dos Muse no dia 21 de Abril de 2002 (o primeiro a que assisti do grupo) na "pequena" sala da Aula Magna de Lisboa.
Este concerto, inicialmente esteve agendado para o dia 09 de Março de 2002, mas um ruptura de ligamentos do baixista Chris Wolstenholm fez com que fosse adiado para esta data.

01 - Space Dementia
02 - Hysteria
03 - New Born
04 - Micro Cuts
05 - Dead Star
06 - Citizen Erased
07 - Sunburn
08 - Uno
09 - Megalomania
10 - Feeling Good
11 - In Your World
12 - Hyper Music
13 - Muscle Museum
14 - Plug In Baby
15 - Bliss

09 July 2013

Recortes... Muse

Setlist... Muse


Setlist do concerto dos Muse, no Estádio Olímpico de Roma

01 - Supremacy
02 - Panic Station
03 - Plug In Baby
04 - Map of The Problematique
05 - Resistance
06 - Animals
07 - Knight of Cydonia
08 - Dracula Mountain
09 - Explorers
10 - Interlude
11 - Hysteria
12 - Monty Jam
13 - Feeling Good
14 - Follow Me
15 - Liquid State
16 - Madness
17 - Time is Running Out
18 - Stockholm Syndrome
19 - Unintended
20 - Guiding Light
21 - Blackout
22 - Undisclosed Desires
23 - The 2nd Law: Unsustainable
24 - Supermassive Black Hoke
25 - Survival

26 - Uprising
27 - Starlight

Nota: Este concerto foi gravado para futura edição em DVD.

29 May 2013

Setlist... My Bloody Valentine

Data - 25 de Maio de 2013
Local - Parc Del Fòrum - Barcelona
Notas - Um dos concertos aguardados com mais ansiedade e que não defraudou as expectativas. Não existem palavras para descrever a intensidade vivida durante a actuação dos My Bloody Valentine.

Setlist do concerto dos My Bloody Valentine no Festival Primavera Sound, Barcelona

01 - Only Said
02 - When You Sleep
03 - New You
04 - You Never Should
05 - Honey Power
06 - Only Tomorrow
07 - Come in Alone
08 - Only Shadow
09 - Thorn
10 - To Here Knows Whem
11 - Soon
12 - Feed Me With Your Kiss
13 - You Made Me Realise

18 February 2013

Ao vivo... GNR

Data - 16 de Fevereiro de 2013
Local - Centro Cultural de Belém
Notas - "Afectivamente".
Os GNR decidem desligar a maior parte das tomadas: o baixo eléctrico cede lugar ao baixo acústico, a guitarra eléctrica passa as cordas ao violino e os teclados rendem-se ao piano. O próprio Rui Reininho será mais acústico, entenda-se, menos eléctrico. Os clássicos que celebrizaram o Grupo Novo Rock vão soar de forma diferente. Nunca a banda do Porto esteve tão próxima do público porque efectivamente este é um concerto de afectos."
Foi desta forma, com este pequeno texto, que os GNR apresentaram estes dois concertos, um no Coliseu do Porto e o outro no Centro Cultural de Belém, concertos estes que julgo terem funcionado de uma forma embrionária, para que desta forma pudessem confirmar a receptividade do público a uma vertente mais intimista que de certo modo reinventa a música do grupo, sem qualquer perca de identidade... antes pelo contrário. Está lá toda a essência da música de um grupo que já conta com 32 anos de carreira, que teima em não envelhecer, e desse modo, muitos dos seus grandes clássicos mantêm-se actuais e continuam a ser ouvidos  com muito agrado.
Foi um ambiente de festa aquele que se viveu nesta noite no grande auditório do CCB,e a alegria de poder participar nessa festa esteve bem patente, não só nos rostos do público que esgotou a sala, mas também nos sorrisos dos músicos e de todos os convidados que partilharam o palco com Rui Reininho, Toli César Machado e Jorge Romão. Para além dos vários convidados, o grupo contou com Rui Lacerda na bateria, Hugo Novo nas teclas (que ao fim de 5 anos vai abandonar o grupo) e Ianina Khmelik no violino, que desta forma acompanharam Rui Reininho, Jorge Romão que trocou o baixo eléctrico pelo acústico, e Toli Cesar Machado  que esteve quase sempre sentado ao piano.
Esta faceta acústica acaba por criar uma maior proximidade entre o grupo e o público, visto ser mais intimista e vocacionada para salas mais pequenas e, é ao ouvir esta nova "roupagem", esta nova sonoridade, que nos apercebemos da intemporalidade e versatilidade da música dos GNR, funcionando todas elas extremamente bem neste tipo de concerto.
O início da noite foi com a junção de duas músicas "Popless" e "Rei do Roque", passando da primeira para a segunda de uma forma muito bem estruturada, quase imperceptível e a "reboque" do violino de Ianina. Estava assim dado o mote para um noite em que se iam ouvir grandes clássicos com uma sonoridade diferente, sonoridade essa muito marcada pelo violino, que substituiu a guitarra. E funcionou.
Durante quase duas horas de espectáculo, passaram pelo palco do CCB, como convidados, o projecto Stereossauro (2 DJs), Mitó, vocalista do projecto A Naifa, Márcia, e ainda Camané.
O projecto Stereossauro, Beatbomber, composto por dois DJs, colaborou em três temas, "Sangue Oculto" com uma participação pouco conseguida, "Las Vagas" e, de uma forma brilhante, na introdução ao tema "Canil", em que usaram o clássico da música portuguesa, "Verdes Anos" de Carlos Paredes, proporcionando um dos melhores momentos da noite.
Mitó, vocalista do projecto A Naifa, emprestou a sua excelente voz ao tema "Sete Naves", interpretado em dueto com Rui Reininho e ainda à "Valsa dos Detectives", desta vez a solo e com uma actuação segura, bem como Márcia, outra das convidadas a passar pelo palco do CCB para interpretar "Morte ao Sol" com Rui Reininho, e também um dos temas do grupo de que ela é autora, "Cabra-Cega". Duas convidadas de luxo que interiorizaram bem a música do grupo, ambas possuidoras de excelentes vozes e com carreiras bem conseguidas, pois se o projecto A Naifa já tem o seu próprio publico, Márcia editou recentemente o seu segundo disco e começa a ter algum reconhecimento, não só a nível musical, como também pelas causas que defende em termos ambientalistas.
Quem também esteve em excelente plano foi Camané, e Rui Reininho disse, no seu estilo muito peculiar "o maior cantor (Rui Reininho, em altura) e o melhor cantor Camané". Que voz que este senhor tem: simplesmente soberbo naquela que para mim é uma das melhores canções dos GNR, "Cais", na qual Camané canta como se a canção tivesse sido escrita para si. Brilhante, quer neste tema, quer em "Você (Verbo Amar).
Para além destes temas em que participaram convidados, é de destacar o clássico "Pronúncia do Norte", "Canadádá", "Bellevue", "Mais Vale Nunca", "Sexta-Feira" ou o incontornável "Dunas", isto tudo dentro de um leque de grandes canções interpretadas com grande satisfação e alegria por parte dos músicos, e sempre com a irreverência de Rui Reininho que não se consegue controlar, não conseguindo evitar o envio de algumas farpas em várias direcções, mas sempre com sentido e com razão de ser, desde o mundo da política ao futebol, passando pela ética... ou pela falta dela.
Foi uma noite de boa música portuguesa, interpretada por um grupo com história e que aos poucos começa a entrar numa onda mais pop e simultaneamente mais sedutora, como acontece com tudo aquilo que tem charme: à medida que os anos passam, o charme aumenta.
É isso que se passa com a música dos GNR.

14 February 2013

Ao vivo... Metz

Depois da passagem pela Plano B na cidade do Porto, para um concerto intenso e forte perante uma sala completamente esgotada, era chegada a vez de Lisboa na Galeria Zé dos Bois, e o pequeno aquário da ZdB, foi mesmo muito pequeno para tanto público e para a música dos Metz.
Este trio, oriundo de Toronto, Ontário, Canadá, durante quase uma hora descarregou energia com o seu rock puro e duro, muitas vezes próximo do Punk / Hardcore, e o público, que inicialmente esteve tímido, acabou por corresponder, e a partir desse momento houve espaço e tempo para pequenas "sessões" de mosh e crowdsurfing, fazendo deste modo jus à forma como o grupo define a sua música "Uma música sobre transpirar, beber, e andar aos encontrões aos amigos". Houve tudo isto neste concerto: uma sala demasiado pequena e quente, copos de cerveja a voar em direcção ao palco, e o grupo a oferecer uma garrafa de Whisky para o público partilhar, garrafa essa que depois voltou ao palco, praticamente vazia.
Com apenas um álbum editado, "Metz" pela Sub Pop em 2012, este trio formado em 2010 por Alex Edkins (voz e guitarra), Chris Slorach (voz e baixo) e Hayden Menzies (bateria), cumpriu na sua primeira passagem por Portugal, com bons desempenhos ao nível vocal, ora cantando ora berrando, músicas curtas, estruturalmente fortes, velozes e duras, assentes numa guitarra e num baixo que tanto "rasgam" como fazem curtos solos, e todo este frenesim sonoro assenta num desempenho soberbo por parte de um baterista incansável.
Um excelente concerto de um grupo que promete e que regressa a Portugal para o Primavera Sound.
Na primeira parte, tocou o duo português Cangarra, numa boa actuação que durou cerca de 30 minutos, durante os quais Ricardo Martins na bateria e Cláudio Fernandes na guitarra, conseguiram entusiasmar o público com o seu post-rock experimental e bem interpretado.

Nota - Como me esqueci da máquina fotográfica, "roubei" esta foto da net (faroutandbeyond.tumblr.com). Qualquer coisa, agradeço contacto via comentários e a foto será imediatamente retirada.

11 February 2013

Biffy Clyro... Opposites

Os primeiros acordes que ouvimos neste mais recente disco dos Biffy Clyro, são suaves, umas teclas harmoniosas e a característica voz de Simon Neil, embalam-nos, até que, aos dois minutos, começamos  a ouvir uns sons de guitarras que, de forma subtil, vão subindo de intensidade, é então a partir desse momentos que sentimos o verdadeiro espírito, poder e força, da música deste trio escocês que, ao seu sexto disco de estúdio confirma a maturidade atingida em 2009, com a edição de “Only Revolutions”.
Desde então. o grupo tem feito imensos concertos e participado em vários festivais, criando a ideia de ser uma banda com grande potencial ao vivo. Arrisco mesmo a afirmar que podemos estar perante uma das melhores bandas da actualidade em espectáculos ao vivo, e, ainda por cima, a música do grupo presta-se a isso, com bons ritmos e boas guitarras que, mesmo sem fazerem aqueles solos desgarrados e longos, dão um ritmo de grande intensidade e agressividade à música do grupo.
Este “Opposites” é um bom exemplo disso. Apesar de ser um CD duplo, é um disco que não satura, um disco completo e que nos satisfaz, da primeira à última música.
Se o início é feito com os tais acordes calmos e suaves, já o restante do disco é feito de grandes ritmos, alguns contra-ritmos, e com algumas baladas pelo meio. Se “Opposites”, “Trumper or Trap” e “The Thaw” se situam dentro dos parâmetros das chamadas baladas tradicionais dos grupos de Rock, já “The Tog” e “Skylight” são diferentes, pois são músicas cuja estrutura assenta essencialmente na voz de Simon Neil e numa sonoridade mais melódica, por vezes mais próxima de ambiências sonoras do que musicais (principalmente em “The Tog”), mas com pormenores muito interessantes, com algumas variações de intensidade musical que nunca chegam a ser variações rítmicas, proporcionando momentos muito agradáveis.
Para alem destas baladas que, como são poucas,  tornam-se mais fáceis de destacar, os outros temas que fazem parte deste disco duplo são, todos eles, cheio de garra, energia e força, e, apesar de ser extremamente difícil  destacar um tema deste “Opposites”, não posso deixar de mencionar, por exemplo, “Biblical” , “Different People”, “Black Chandeller”, “Little Hospiltals”, e “Modern Magic Formula”, que são temas que podem funcionar muito bem ao vivo, pois já em disco transmitem imensa energia, com uma construção simultaneamente melódica e agressiva, uma voz bem colocada e terna que serve de contrabalanço à agressividade transmitida pela parte musical da banda, agressividade essa que também é, diga-se “amaciada”, por pormenores orquestrais em fundo musical.
Os Biffy Clyro formaram-se em 1995, em Glasgow na Escócia. Este trio, composto por Ben Johnston (bateria), Simon Neil (voz e guitarra) James Johnston (baixo), tem mantido ao longo dos anos alguma regularidade em termos de edições discográficas, tendo sido editado o primeiro disco no ano de 2002. Na altura “Blackened Sky”,  foi um fracasso em termos comerciais e mal recebido pela critica musical, mas desde então o grupo tem evoluído e com este “Opposites” atinge e confirma a maturidade musical, que já tinha ficado evidenciada em “Only Revolutions”, lançado em 2009.
É devido a esta evolução do grupo e à energia que é transmitida nos discos, que repito o que já mencionei antes: estamos perante uma das melhores bandas ao vivo.
Biffy Clyro têm concerto agendado para o Optimus Alive.

Disco 1

01 - Stingin' Belle
02 - Sounds Like Balloons
03 - Biblical
04 - The Joke's on Us
05 - Black Chandelier
06 - A Girl and His Cat
07 - Opposite
08 - The Frog
09 - Little Hospitals
10 - The Thaw

Disco 2

01 - Different People
02 - Modern Magic Formula
03 - Spanish Radio
04 - Victory Over The Sun
05 - Pocket
06 - Trumpet Or Tap
07 - Skylight
08 - Accident Without Emergecy
09 - Woo Woo
10 - Pictture a Knife Fight

Nota - 7.8 / 10

05 February 2013

Nick Cave & The Bad Seeds... Push The Sky Away


Desde “Dig, Lazarus, Dig!!!", editado em 2008, que Nick Cave não lançava um disco de originais com os The Bad Seeds.
Durante este hiato, Nick Cave Nick Cave participou no projecto Grinderman, com Warren Ellis, Martyn Casey e James Sclavunus, que editaram dois discos, “Grinderman” em 2007 e “Grinderman 2” em 2010. Para além do argumento do filme "Lawless", estreado em 2012, Nick Cave fez ainda a respectiva banda sonora.
“Push The Sky Away” assinala o regresso de Nick Cave & The Bad Seeds às edições discográficas, num registo de bom nível, repleto de canções calmas e agradáveis.
Se para muitos fans do músico australiano, este disco pode não ser dos melhores nem daqueles de maior criatividade, face à ausência daquele estilo musical a que nos habituou em que a agressividade e o tipo de construção musical assentam numa base rítmica que em certos momentos é superada por sons extraídos dos instrumentos musicais, quase de uma forma desconexa, este “Push The Sky Away” é um bom disco, que não cansa e ouve-se com muito agrado, da primeira à última música.
Se, por exemplo, “We No Who U R”, “Wide Lovely Eyes” e “Mermaids”, são baladas melódicas e quase ternas, outros temas há em que aquele estilo mais rock a que Cave nos habituou, está bem presente, como por exemplo em “Jubilee Street” que começa de uma forma calma mas termina com pequenos devaneios musicais, mantendo sempre uma base rítmica próxima da balada.
“We Real Cool” e “Finishing Jubilee Street” são outros temas interessantes, mas o momento alto surge na penúltima música, “Higgs Boson Blues”, na minha opinião, a melhor deste disco, uma canção longa, com mais de 7 minutos e na qual surge a forma de cantar característica e fascinante de Nick Cave.
Pode-se gostar mais da vertente rock e “barulhenta” de Nick Cave, mas também se gosta desta faceta mais calma e melódica e destas canções bonitas, mas tenho sérias duvidas que funcionem bem em concertos ao vivo, no âmbito de um festival.
Nick Cave tem concerto agendado para o Primavera Sound, no Porto.

01 – We No Who U R
02 – Wide Lovely Eyes
03 – Water’s Edge
04 – Jubilee Street
05 – Mermaids
06 – We Real Cool
07 – Finishing Jubilee Street
08 – Higgs Boson Blues
09 – Push The Sky Away

Nota 8.0/10

04 February 2013

My Bloody Valentine... M B V


Sons distorcidos, vozes abafadas por vezes imperceptíveis, guitarras poderosas e saturadas, alguns solos, um autêntico caos ruidoso e sonoro.
Estes são os ingredientes que compõem "M B V", o disco que, de uma forma surpreendente, foi lançado esta semana pelos My Bloody Valentine, banda de culto que se formou em Dublin em 1984.
Liderados pelo guitarrista Kevin Shields, editaram o primeiro disco em 1985, o EP “This Is Your Bloody Valentine”, sem grande sucesso. No final de 1987, o vocalista Dave Conway abandona o grupo, sendo substituído por Bilinda Butcher, na voz e guitarra. É após esta alteração que a música do grupo começa a ter a sua própria identidade e sonoridade e em 1988, editam o muito festejado e aclamado “Isn’t Anything”, que obteve grande sucesso junto da crítica britânica e surpreendeu o mundo musical da altura, graças a um estilo muito próprio, aliado a uma presença em palco no mínimo estranha, já que os músicos actuavam com os olhos fixos no chão, sem encarar o público, daí surgindo a definição de “Shoegaze” para o seu estilo musical.
Em 1991 é editado o mítico – por muita gente considerado um dos melhores discos da história da música – “Loveless”, um disco soberbo que ainda hoje faz sentido, e que catapultou o grupo para um patamar muito elevado, apesar de ser uma música ruidosa e complexa, mas de grande qualidade e genialidade.
Após a edição deste disco, o grupo esteve inactivo durante muitos e muitos anos, e, vinte e dois anos depois, quase que de um dia para o outro, lançam um novo disco, apanhando de surpresa toda a imprensa musical e até os próprios fans, que há já muito tempo ansiavam por algo novo, mas sem grandes esperanças, apesar dos rumores que iam surgindo pela imprensa.
Neste início de Fevereiro aí está, o novo disco dos My Bloody Valentine, intitulado somente “M B V”, e que sucede a “Loveless” de 1991.
A sonoridade desse mítico disco, mantém-se neste novo trabalho, não só na parte mais ruidosa, como também na parte mais melódica, este M B V, acaba por dar uma certa continuidade à obra do grupo. Poder-se-ia afirmar estarmos perante "mais do mesmo"' não fosse a criatividade e o talento destes músicos, que continuam a ter a capacidade de surpreender pela positiva, e aquilo que podia parecer uma continuidade de Loveless – o tal mais do mesmo - não é, e não deixa de ser curioso que, à medida que vamos ouvindo o disco, apodera-se de nós a sensação de estarmos perante algo novo, tal a genialidade presente, que faz com que por vezes a música do grupo pareça estranha e requer mais do que uma simples audição.
Ao todo, este “M B V” traz-nos nove temas, todos eles repletos de guitarras em desgarradas permanentes, pequenos solos, temas caóticos e ruidosos, distorções, tudo o que se possa imaginar num cenário de caos, como se a música estivesse a ser interpretada de uma forma anárquica, mas, é então que a voz de Bilinda Butcher nos traz de volta à realidade, apesar de em alguns temas surgir abafada, mas isso faz com tenhamos a necessidade de ir à procura da paz que irradia dessa voz doce, terna e meiga, com um efeito “balsâmico”.
Se, a título de exemplo, em temas como “She Found Now”, “Nothing Is” ou “Wonder 2”, sentimos o efeito caótico da música do grupo, já em “Only Tomorrow” ou “Is This And Yes”, sentimos esse bálsamo, e aí sim, entendemos o tudo o que possa ser escrito sobre este disco e sobre os My Bloody Valentine.
Este pode não vir a ser considerado um dos melhores discos do ano (o que duvido), mas vai ser, seguramente, considerado o acontecimento do ano.
Um disco a ouvir em “repeat”, muitas e muitas vezes, pois a boa música é algo de que se vai gostando cada vez mais, à medida que se vai ouvindo e “entranhando” em nós, de forma viciante.
Este é um desses discos.

01 – She Found Now
02 – Only Tomorrow
03 – Who Sees You
04 – Is This And Yes
05 – If I Am
06 – New You
07 – In Another Way
08 – Nothing Is
09 – Wonder 2

Nota – 9/10

03 February 2013

Grouper... The Man Who Died In His Boat

Grouper, é um projecto de Liz Harris, jovem oriunda de Portland, que desde 2003 - em nome próprio, em colaboração com outros projectos ou como Grouper - tem tido uma carreira regular, não só em termos de edições discográficas, como também nos níveis qualitativos dessas mesmas edições.
Todos os discos editados foram bem recebidos pela crítica e, graças a isso, Liz Harris / Grouper, conseguiram criar um grupo de fans, que pode não ser muito numeroso mas é, seguramente, extremamente devoto e seguidor da sua carreira.
Este "The Man Who Died In His Boat", é a prova da coerência e maturidade de Harris que, passados sete discos desde a edição de "Way Their Crapt" em 2005, continua a inovar e a apresentar um som muito característico, que tão depressa vai do instrumental suave e estranho, a um ambiente com sonoridades ruidosas e experimentais, ou ainda a um estilo doce e calmo, graças a uma voz meiga que, em certos momentos, contrasta com uma sonoridade mais ruidosa da parte instumental, contraste esse que não choca, e até acaba por funcionar de uma forma muito agradável.
Este é um daqueles discos do qual não se gosta à primeira, mas também não se detesta. Dá-se uma segunda oportunidade, e essa segunda oportunidade acaba por ser fascinante e viciante num disco que reune todas as condições para poder vir a ser considerado um dos grandes trabalhos de 2013, apesar de o ano mal ter começado.

01 - 6
02 - Vital
03 - Clouds In Places
04 - Beig Her Shadow
05 - Cover The Long Way
06 - Difference (Vocals)
07 - Vanishing Point
08 - The Man Who Died In His Boat
09 - Towers
10 - STS
11 - Living Room

Nota - 8.5

01 February 2013

Ao vivo... Oneohtrix Point Never e Nate Boyle

Data -25 de Setembro de 2012
Local - Teatro Maria Matos
Notas - Daniel Lopatin, músico natural de Brooklyn, Nova Yorque, também conhecido como Oneohtrix Point Never, aliou-se ao produtor de vídeo Nate Boyce, para este espectáculo de promoção ao disco "Reliquary House".
Um espectáculo no mínimo estranho, em que Lopatin se entregou por completo a sintetizadores e osciladores, enquanto Boyce tratou da projecção de vários vídeos, também eles estranhos, que se interligavam com uma banda-sonora, também ela estranha, mas que, apesar de ser abstracta e até mesmo desorientada, proporcionou um espectáculo interessante.

31 January 2013

Recortes... Oneohtrix Point Never e Nate Boyce

Folheto entregue à entrada para o espectáculo de Oneohtrix Point Never & Nate Boyce, no Teatro Maria Matos.

18 January 2013

Burial - Truant / Rough Sleeper

Burial estreou-se em no ano de 2005, através da label Hyperdub, altura em participou no EP South London Borough, disco muito bem recebido por parte da crítica musical especializada.
"Southern Comfort" e "Broken Home" foram dois dos temas extraídos desse EP de estreia e fizeram parte do leque de treze canções que deu origem ao primeiro trabalho de Burial, álbum homónimo editado em 2006.
A este primeiro disco, seguiu-se o muito aclamado "Untrue" que fez parte de praticamente todas as listas dos melhores discos editados durante o ano de 2007. Este facto fez com que Burial não consegui-se manter por muito mais tempo o seu anonimato. Recordo que até à altura em que o jornal britânico "The Independent" revelou em Fevereiro de 2008 que Burial seria Willian Bevan, não exisitiam fotos do músico / produtor, e para além dos registos musicais, o que existia era somente uma entrevista que foi dada ao jornal "The Guardian" em 26 Outubro de 2007, na qual não foi revelada a identidade do músico, nem qualquer fotografia.
Este mistérito todo acabou por criar algum misticismo, não só na personagem mas também na música de Burial graças ao seu dubstep muito característico e estranho, uma vez que não existe propriamente uma coerência nas músicas do primeiro ao último minuto, mas existe um fio de ligação imaginário que liga todas as sonoridades que fazem parte de cada tema.
Em "Truant / Rough Sleeper", editado no início deste ano, essa característica é evidente. Composto apenas por dois longos temas, "Truant" e "Rough Sleeper", com 11.45 e 13.47 minutos repectivamente, estamos perante um disco que está muito longe de ser aborrecido, pois são tantas as variações de ritmo e de sonoridades em cada faixa, que ficamos com a sensação de estar a ouvir um disco completo em cada um desses dois temas.
Quando se fala de Dubstep, de uma forma algo redutora, acabamos por associar o estilo a Skrillex, que obviamente tem os seus méritos e alguns bons trabalhos editados, mas o Dubstep praticado por Burial é muito diferente desse, pois é menos barulhento e muito mais mais complexo, com uma sonoridade muito própria e característica.
A música de Burial faz parte do restrito leque que se aprende a gostar, devido à já referida complexidade, às constantes mudanças de ritmo com quebras que nos absorvem mas que de um momento para o outro nos despertam e às divagações estranhas e por vezes alucinadas que quase entram pelos campos da House Music.
Esta conjugação de factores e uma produção cuidada ao pormenor, são uma característica de Burial, e esse talvez seja um dos motivos que leva a que os seus discos sejam sempre considerados como trabalhos de imensa qualidade.
Este "Truant / Rough Sleeper", não é excepção.

01 - Truant
02 - Rough Sleeper

Nota 8,4

16 January 2013

Ao vivo... Scissor Sisters

Data - 17 de Julho de 2012
Local - Hipódromo Manuel Possolo - Cascais
Notas - Apesar do pouco público que esteve presente no Hipódromo Manuel Possolo, os Scissor Sisters não se inibiram e cumpriram na perfeição o seu papel, com muita energia e animação, actuando como se estivessem perante uma plateia esgotada.
O que fica deste espectáculo, e de todos os que fizeram parte desta primeira edição do Cascais Music Festival, é que são demasiados festivais e, talvez pelo facto de ser relativamente afastado de Lisboa, este em Cascais, ressentiu-se do exagero de eventos que houve durante o ano de 2012.

15 January 2013

Momentos... Dead Can Dance



Dead Can Dance, na Casa da Música - Porto

Ao vivo... Leonard Cohen

Data - 07 de Outubro de 2012
Local - Pavilhão Atlântico
Notas - "Não sei quando nos voltaremos a encontrar, mas o que posso garantir é que hoje à noite, vamos dar tudo o que temos cá dentro".
Após o arrebatador e cada vez mais belo, "Dance Me To The End Of Love", foi com esta frase que Leonard Cohen se dirigiu à imensa plateia que quase encheu o Pavilhão Atlântico
Entre "Dance Me To The End Of Love", e "Save The Last Dance For Me", foi possível ouvir com imenso deleite, um grande número de canções intemporais, interpretadas por um músico também ele intemporal e que já passou várias gerações: Leonard Cohen.
Por muito que os anos passem por este músico canadiano, como também passam por todos nós, Leonard Cohen continua em forma, cada vez mais encantador e sedutor. Como é natural, com o passar dos anos, a sua voz tem mudado muito, mas o encanto e efeito que ela tem sobre quem o ouve, esse encanto é cada vez maior, e isso já não é tão natural, mas sim o resultado de um dom que alguém tem, e Leonard Cohen é esse alguém, é alguém que tem sabido envelhecer e, como ouvi à saída "quando for velhinho, quero ser como Leonard Cohen".
Foi a quarta vez que assisti a um concerto de Cohen. A primeira foi pela altura em que lançou o disco "I'm Your Man", em 1988 no Coliseu dos Recreios. Vinte e quatro anos depois, o efeito continua a ser o mesmo dessa inesquecível noite.
Desta vez, foi no Pavilhão Atlântico que prestámos culto a um dos músicos mais importantes da história da música, a alguém que insiste em não parar; e nós agradecemos.

14 January 2013

Setlist... Muse na Papp László Arena

Setlist do bom concerto que dos Muse na Papp Laszló Sportaréna, em Budapest, no dia 20 de Novembro de 2012

01 - The 2nd Law: Unsustainable
02 - Supremacy
03 - Interlude
04 - Hysteria
05 - Panic Station
06 - Resistance
07 - Supermassive Black Hole
08 - Animals
09 - Monty Jam
10 - Explorers
11 - Sunburn
12 - Time Is Running Out
13 - Liquid State
14 - Madness
15 - Follow Me
16 - Undisclosed Desires
17 - Plug In Baby
18 - New Born

Encore 1

19 - Uprising
20 - Survival
21 - Starlight
22 - Knights Of Cydonia