31/07/17

Ao vivo... Festival Músicas do Mundo

Data - 28 e 29 de Julho de 2017
Local - Castelo de Sines
Notas - Neste segundo fim-de-semana daquele que começa a ser considerado um dos grandes festivais de World Music à escala global, a bonita cidade de Sines encheu-se para receber música dos quatro cantos do mundo.
Do extenso cartaz destes dias, a escolha recaiu sobre os BCUC (África do Sul), Fatoumata Diawara & Hindi Zahra (Mali / Marrocos), Mário Lúcio (Cabo Verde), Lura (Cabo Verde), Gaye Su Akyol (Turquia), Oumou Sangaré (Mali) e Tiken Jah Fakoly (Costa do Marfim).
O melhor concerto deste fim-de-semana foi o dos sul-africanos BCUC que proporcionaram um espectáculo soberbo e contagiante, com temas longos de cerca de 20 minutos mas que não se tornavam enfadonhos.
Sempre no palco situado no interior do Castelo de Sines, seguiu-se Fatoumata Diawara & Hindi Zahra (Mali / Marrocos) com um concerto cheio de charme e classe musical; Mário Lúcio (Cabo Verde) com o seu Funaná um pouco monótono; Lura (Cabo Verde) com a curiosidade de o recinto do Castelo estar completamente cheio num final de tarde / início de noite, o que não é de todo normal em Sines, quando o tempo está bom e existe uma excelente praia mesmo ali ao lado; Gaye Su Akyol (Turquia) com um bom concerto mas que poderia ter sido ligeiramente mais curto; Oumou Sangaré (Mali) o principal nome do dia e uma das mais importantes figuras da música do Mali, mas que não conseguiu empolgar como era expectável; e para finalizar a edição deste ano dos concertos no castelo Tiken Jah Fakoly (Costa do Marfim) ao som do reggae africano.
Se musicalmente o festival começa a ser reconhecido a nível internacional, o que é excelente, isso origina um problema à organização: a massificação.
É cada vez mais gente a querer assistir e o recinto é limitado pois os concertos principais são no interior do castelo. Para além disto, a cidade de Sines não tem estruturas em termos de hotelaria para muito mais gente nesta altura do ano e pareceu começar a surgir algum descontentamento por parte dos residentes, o que não é nada conveniente.
Perante este cenário de massificação versus capacidade da cidade de Sines, creio que não será conveniente que a organização ceda à tentação de ter cada vez mais público e desse modo aumentar as receitas.
Claro que é agradável e excelente poder assistir a concertos de grandes nomes da World Music, como por exemplo o de Oumou Sangaré, mas aí surge o reverso da medalha, o excesso de público, e todos sabemos que nem sempre são os grandes nomes a proporcionarem os melhores concertos.
Como comecei por referir no início do texto, o melhor concerto do fim-de-semana foi dos sul-africanos BCUC, um grupo que urge ouvir e descobrir; e não se pense que o facto de alguns dos temas terem cerca de 20 minutos é "assustador"; nada disso, quando se ouve esta banda do Soweto, nem se dá pelo do passar do tempo.

30/07/17

Pulseira... Festival Músicas do Mundo

Pulseira do 2º fim-de-semana do Festival Músicas do Mundo 2017, Sines

28/07/17

Ao vivo... Dead Combo

Data - 27 de Julho de 2017
Local - Teatro da Trindade
Notas - Como dizia alguém ao meu lado, antes do concerto começar, "a música deste grupo parece para filmes".
Sendo injustamente redutora, esta afirmação não deixa de ter um pingo de verdade, pois nesta noite, Tó Trips e Pedro V. Gonçalves, proporcionaram-nos a banda-sonora ideal para percorrer alguns bairros de Lisboa, e ainda algumas pequenas e pitorescas histórias vividas por estes dois músicos desde o início da sua carreira, histórias essas que foram sendo contadas como introdução aos diversos temas que a banda tocou.
Um bom concerto numa boa sala, num ambiente descontraído.

27/07/17

Ao vivo... Bonnie 'Prince' Billy

Data - 26 de Julho de 2017
Local - Teatro da Trindade
Notas - O norte-americano Bonnie 'Prince' Billy proporcionou um  magnífico concerto no Teatro da Trindade.
Sozinho em palco, vestido de branco e acompanhado pela sua viola acústica, deu um concerto que nos transmitiu paz, arrebatador, criando nos espectadores a sensação de estarmos num outro mundo, naquele que não existe, no mundo perfeito.
Não deixa de ser curioso o efeito que a música tem em nós quando tocada de forma sincera e despretensiosa e condimentada com pequenas histórias (ou estórias) introdutórias.
Uma noite de magia, uma noite musicalmente perfeita.

10/07/17

The Killers - British Summer Time - Hyde Park

Setlist do concerto dos The Killers no British Summet Time, Hyde Park

01 - The Man
02 - Somebody Told Me
03 - Spaceman
04 - The Way It Was
05 - Smile Like You Mean It
06 - Jenny Was a Friend of Mine
07 - The Rives is Wild
08 - Bling (Confession of a King)
09 - Shadowily (Joy Division Cover)
10 - Human
11 - For Reasons Unknown
12 - A Dustland Fairytale
13 - Read My Mind
14 - Runaways
15 - All These Things That I've Done

Encore
16 - This Is Your Life
17 - Shot at the Night
18 - When You Were Young
19 - Mr. Brightside

09/07/17

Ao vivo... British Summer Time

Data - 08 de Julho de 2017
Local - Hyde Park - Londres
Notas - Cerca de sessenta e cinco mil pessoas encheram por completo este belíssimo parque da cidade de Londres com o objectivo de assistirem à actuação dos norte-americanos The Killers, num dos poucos concertos agendados até à data em território europeu pela banda liderada por Brandon Flowers.
Com um novo trabalho a ser editado brevemente, foi ao som de "The Man", primeiro avanço desse muito aguardado trabalho, que os The Killers deram início a um bom concerto que durou perto de hora e meia e cujo alinhamento percorreu toda a carreira do grupo.
Sem grandes "floreados" ou improvisações - verdade seja dita, a música do grupo não se proporciona muito a isso - Brandon Flowers, David Keuning, Mark Stoermer, e Ronnie Vannucci, levaram ao delírio a imensa multidão presente, que dançou, saltou e cantou, "como se não houvesse amanhã".
Um concerto de grande nível a fechar um grande dia de música onde pudemos assistir a uma boa actuação dos Tears For Fears, e uma excelente actuação de Elbow que, apesar de estarem perante um público maioritariamente desconhecedor da obra do grupo, não se inibiram e graças à simpatia de Guy Garvey, conseguiram cativar muitos dos milhares de espectadores presentes.
Pelo palco secundário passaram, para além de outros, os Mew, que deram um concerto morno, o típico concerto de início de tarde.