12/09/19

Setlist... James

Setlist do concerto dos James, junto à Torre de Belém, no dia 07 de Setembro de 2019

01 - Sit Dowx
02 - Tomorrow
03 - Leviathan
04 - What's It All About
05 - Stutter
06 - She's a Star
07 - Out to Get You
08 - Heads
09 - Sometimes
10 - Attention
11 - Many Faces
12 - Laid
13 - Getting Away With It (All Messed Up)
14 - Come Home
15 - Sound
16 - Top of The World

02/09/19

Ao vivo... Festival Super Bock Super Rock

Data - 18, 19 e 20 de Julho de 2019
Local - Herdade do Cabeço da Flauta - Meco
Notas - O regresso ao Meco do festival mais mutante de Lisboa.

06/08/19

Pulseira... Festival Primavera Sound Barcelona

 
Cartão e pulseira de acesso ao recinto do Festival Primavera Sound Barcelona 2019.

25/07/19

Ao vivo... Muse

Data - 24 de Julho de 2019
Local - Passeio Marítimo de Algés
Notas - Se em termos cénicos, qualidade sonora e desempenho por parte dos elementos do grupo este concerto foi irrepreensível, não deixámos no entanto de ficar com um ligeiro sabor agridoce.
Sendo a digressão dos Muse intitulada "Simulation Theory Tour" era óbvio que o alinhamento do concerto incidisse principalmente no mais recente disco "Simulation Theory", editado no final do ano passado. Assim foi, e desse trabalho, Matthew Bellamy, Christopher Wolstenholme e Dominic Howard, tocaram oito temas que, por incrível que possa parecer, ainda permanecem algo desconhecidos por parte de muito do público presente, tendo como consequência alguma falta de entusiasmo dos espectadores que acabou por se repercutir no resto do concerto, não deixando de causar alguma estranheza a apatia do público em temas como, por exemplo, "Plug in Baby" ou "Time is Running Out".
Outro aspecto menos bom foi o facto de o palco "secundário" estar colocado num nível muito baixo, fazendo com que grande parte dos espectadores não conseguissem vêr o grupo quando para lá ia, arrefecendo um pouco os ânimos.
No geral foi um óptimo concerto e, pela parte que me toca, continuo a não achar positivo a questão da divisão da plateia em duas "categorias", mas isso são opções dos grupos ou das organizações e, ressalvo que o facto de se ficar na plateia mais junto ao palco nem sempre quer dizer que quem lá fica sejam os maiores fans dos grupos... antes pelo contrário.
A anteceder a actuação dos Muse, passaram pelo palco no Passeio Marítimo de Algés os Mini Mansions para um concerto muito discreto tipicamente de final de tarde, e ainda Miles Kane em muito bom nível, a justificar mesmo um espectáculo em nome próprio numa sala de pequena dimensão.

20/07/19

Ao vivo... Charlotte Gainsbourg

Data - 19 de Julho de 2019
Local - Herdade do Cabeço da Flauta - Meco
Notas - Nem as pequenas falhas no som que em determinas alturas tornavam quase inaudível a voz de Charlotte e dos elementos do seu grupo impediram que este concerto fosse muito bom.
A voz doce, frágil e terna de Charlotte e o seu pop melódico encantaram o público que em número razoável se dirigiu ao palco secundário de mais uma edição do Super Bock Super Rock, que em boa hora decidiu regressar à zona do Meco.

19/07/19

Ao vivo... Lana Del Rey

Data - 18 de Julho de 2019
Local - Herdade do Cabeço da Flauta - Meco
Notas - Lana Del Rey, como cabeça de cartaz do primeiro dia do SBSR e graças à imensa legião de fans que se deslocou à Herdade do Cabeço da Flauta, proporcionou a maior enchente do festival e, seguramente, as maiores dores de cabeça ao público, que no final demorou cerca de três horas - quando não mais - para conseguir sair da zona de estacionamento das viaturas,
No que diz respeito ao concerto propriamente dito, a cantora nascida em New York em Junho de 1985, para além de deslumbrar os mais novos que se "apinhavam" junto do palco, agradou muito aos menos novos, sendo um concerto transversal percorrendo as várias faixas etárias, originando que uns ficassem extasiados de prazer, e outros satisfeitos, não dando o tempo por mal empregue.

Setlist:

West Coast (Intro)
Born to Die
Cherry
Pretty When You Cry
Blue Jeans
Mariners Apartment Complex
Change / Black Beauty / Young and Beautiful
Ride
Video Games
Doin' Time /Sublime Cover)
National Anthem
Summertime Sadness
Off to the Races
Venice Bitch

Ao vivo... The 1975

Data - 18 de Julho de 2019
Local - Herdade do Cabeço da Flauta - Meco
Notas - Os ingleses The 1975 deram um concerto cheio de energia com o seu Pop-Rock que acaba por tornar-se aborrecido, pelo menos para quem não é grande apreciador da sua música.
Comunicativos e enérgicos em palco, não deixou de ser visível algum egocentrismo do grupo chegando ao ponto de mencionarem "palavras de ordem" como "Rock and Roll is Died", e logo de seguida "God Bless The 1975", auto intitulando-se (quase) como o supra-sumo da música.
O talento está lá, mas um pouco de modéstia na postura em palco não lhes ficaria mal.

Setlist

Give Yourself a Try
TooTimeTooTimeTooTime
She's American
Sincerity Is Scary
It's Not Living (If It's Not With You)
Robbers
Love Me
I Couldn't Be More in Love
I Like America and America Likes Me
Somebody Else
I Always Wanna Die (Sometimes)
Love It If We Made It
Chocolate
Sex
The Sound

Ao vivo... Jungle

Data - 18 de Julho de 2019
Local - Herdade do Cabeço da Flauta - Meco
Notas - A existir um vencedor neste primeiro dia do festival, eles seriam, seguramente, os ingleses Jungle com o seu electrizante soul e uma energia em palco contagiante.
O grande concerto e o som de excelente qualidade fizeram com que, mesmo quem não fosse grande apreciador do grupo, não deixasse de dançar e fazer parte da festa dos Jungle. Muito bom.

Setlist do concerto:

Smile
Heavy, California
The Heat
Julia
Happy Man
Beat 54 (All Good Now)
Cherry
Casio
Pray
Platoon
Drops
Busy Earnin'
Time

Ao vivo... Cat Power

Data - 18 de Julho de 2019
Local - Herdade do Cabeço da Flauta - Meco
Notas - Cat Power foi o nome escolhido para abrir o palco principal da edição do Festival Super Bock Super Rock, o festival mais mutante do país, que no entanto este ano regressou à zona do Meco, de onde nunca devia ter saído, na opinião de quem escreve este texto.
Trazendo na bagagem o seu mais recente trabalho "Wanderer" editado no último trimestre do ano passado, e perante uma plateia algo apática, Chan Marshall, simpática e mais comunicativa que é usual em si, deu um concerto morno, cumprindo sem no entanto deslumbrar.
Decididamente, a música de Cat Power funciona melhor em espaços mais intimistas do que em grandes recintos.

Momentos - Super Bock Super Rock

Recinto onde decorreu a edição de 2019 do SBSR

Momentos... Festival Super Bock Super Rock

Cartaz e acesso ao recinto do Festival Super Bock Super Rock, 2019

18/07/19

Pulseira - Festival Super Bock Super Rock

Pulseira da edição de 2019 do SBSR

17/07/19

Recortes... Festival Super Bock Super Rock

Com o rock cada vez mais ausente, aí está mais uma edição do Festival Super Bock Super Rock, que este ano regressa à zona do Meco.
Espera-se que corra melhor, em termos logísticos e organização, do que nos últimos anos em que lá se realizou, mas diga-se o que se disser, ali é o seu lugar.

12/07/19

Setlist... Barry White Gone Wrong

Setlist do excelente concerto dos portugueses Barry White Gone Wrong, no Sabotage.

31/05/19

Ao vivo... Festival Primavera Sound - Barcelona

Data - 31 de Maio de 2019
Local - Parc Del Fòrum
Notas - Bilhete diário do Festival Primavera Sound Barcelona, de 2019.

30/05/19

Recortes - Festival Primavera Sound Barcelona

Mapa do recinto onde decorre o Festival Primavera Sound - Barcelona

04/05/19

Ao vivo... GNR

Data - 03 de Maio de 2019
Local - Centro Cultural Olga Cadaval - Sintra
Notas - Mais um concerto da banda de Tóli César Machado, Rui Reininho e Jorge Romão.
Inserido na digressão de divulgação do recente single, "Quem?", no alinhamento deste concerto o grupo do Porto não deixou de fora os grandes clássicos que fazem parte do extenso reportório que nos foram dando a ouvir ao longo dos mais de 35 anos de carreira, uma carreira que nem sempre terá sido brilhante, mas que, diga-se em abono da verdade, nos anos mais recentes tem atingidos níveis de excelência, provando não só a intemporalidade da música do grupo, como também fazendo jus a uma velha máxima linguística portuguesa, através da qual os podemos comparar a um produto tipicamente português e do Norte do país, o vinho do Porto, ou seja, tal como esse afamado vinho, os GNR estão, como se costuma afirmar, "Quanto mais velhos, melhores".

08/04/19

Ao vivo... James

Data - 04 de Abril de 2019
Local - Coliseu dos Recreios, Lisboa
Notas - Depois do mau concerto na edição do Rock in Rio de 2018 - facto realçado pelo grupo durante o concerto do Coliseu dos Recreios - os James regressaram a Lisboa para um grande concerto perante uma sala esgotada.
Dividido em duas partes, sendo a primeira acústica, a banda liderada pelo carismático Tim Booth levou  ao delírio a imensa legião de fans incontestáveis que tem por terras lusas.
Ao fazerem com que o alinhamento do concerto incidisse, maioritariamente, no mais recente trabalho do grupo, "Living in Extraordinary Times" de Agosto 2018, fazendo com que vários êxitos incontornáveis da banda ficassem de fora - como por exemplo, Sometimes -, o grupo arriscou imenso, já que este último trabalho, apesar da sua boa qualidade, passou ligeiramente despercebido, sendo isso visível pois os temas deste disco eram os "menos participados".
Em termos gerais foi um excelente concerto, que deixou, quer o público quer o grupo, extremamente satisfeitos.
Já agora, fica-se com a ideia que o grupo anda à procura de uma "reinvenção", com temas menos directos, mas bons.
Pelo menos foi com esta ideia que ficámos a ouvir "Living in Extraordinary Times", e que foi possível confirmar com este concerto.
Ainda bem.

06/04/19

Setlist... James

Setlist do concerto dos James no Coliseu dos Recreios, Lisboa

Hello
Broken by the Hurt
All I'm Saying
Pleasure's On
Sit Down
I Wanna Go Home
Just Like Fred Astaire

Intervalo

Hank
Extraordinary Times
What's All About
Tomorrow
Dream Thrum
Five-O
Nothing But Love
Born of Frustration
Heads
Stutter
Moving Car
Picture of This Place
Getting Away With It (All Messed Up)
Leviathan
Sound

Encore

Attention
Come Home
Many Faces
Laid

21/03/19

Ao vivo... Triou Joubran

Data - 19 de Março de 2019
Local - Teatro da Trindade
Notas - "Espero que em breve possam assistir a um concerto nosso em Jerusalém, capital da Palestina.". Foi desta forma que Samir, irmão mais velho do Trio Joubran, se despediu do público que quase esgotou a sala do Teatro da Trindade.
Um concerto maravilhoso que nos transportou para essa terra oprimida e ocupada, Palestina. Samir disse ainda que "gostaria de chegar aqui, cantar e tocar como um músico normal, sem política à mistura, mas isso não é possível; a nossa terra está ocupada".
Na primeira parte tocou João Morais com o seu novo projecto "O Gajo" que, com a sua viola campaniça, durante cerca de 30 minutos, acabou por funcionar como um excelente aperitivo para a magia que havia de se seguir com os irmãos Joubran que, ao longo de hora e meia, apresentaram um alinhamento assente, essencialmente, no seu mais recente trabalho "The Long March", considerado um dos melhores discos editados da chamada World Music, durante o ano passado, disco este que conta, numa das músicas, em "Carry The Earth", com a colaboração e o génio de Roger Waters, um dos maiores defensores da causa Palestina e que não tem olhado a meios.
Uma noite de grande música, com excelentes músicos.
Memorável.

14/03/19

Trio Joubran


Oriundos de Nazaré, Palestina, o Trio Joubran é formado pelos irmãos Samir, Wissam e Adnan Joubran.
Descendentes de uma conhecida família de grande tradição artística, que há quatro gerações se dedica a construir e tocar o “Oud”, os irmãos Joubran, com o seu entusiasmo e virtuosismo transformaram este instrumento numa paixão, num modo de vida. Através de um exímio domínio deste instrumento musical característico do seu país, Sami, Wissam e Adnan têm divulgado, um pouco por todo o muito, a sua excelente música contando com a colaboração de Youssef Hbeisch nas percussões, funcionando como uma mais-valia à já boa música do trio, pois esta colaboração cria novas sonoridades e ritmos, tornando a construção musical mais, para quem a ouve.
Samir (irmão mais velho) começou a sua carreira musical em 1996, mas o trio de irmãos só deu início à sua actividade em 2004.
Desde então gravaram seis discos de originais, sendo o mais recente “The Long March” editado em 2018 e que irá, seguramente, servir de suporte ao espectáculo no Teatro da Trindade, em Lisboa, no próximo dia 19 de Março.

12/03/19

Helado Negro - This Is How You Smile


Helado Negro (Roberto Carlos Lange) editou recentemente o seu sexto álbum de originais, "This Is Your Smile", que já é considerado por grande parte da crítica, um dos bons discos deste ano.
Oriundo de Miami, Flórida, Roberto Lange teve a sua iniciação musical nas sonoridades do hip-hop e da música electrónica, algo que com o passar dos anos foi sendo, ligeiramente e de forma gradual posto de lado, sem no entanto perder essas raízes, principalmente no que às sonoridades electrónicas diz respeito.
"This Is Your Smile" é a prova disso, pois apesar do recurso a samplers, eles nunca entram nos ritmos techno ou dançáveis, funcionando sim como uma forma suave e constante de base rítmica musical que serve de suporte à sua voz suave e terna, colocando-nos perante um daqueles discos que se torna ideal para ouvir num momento relaxante quando, por exemplo, estamos a ler um romance ou numa praia ao por-do-sol, servindo a música como uma banda-sonora que nos dá trazer, que nos envolve por completo e que acaba por nos transportar para dentro desse livro ou dessa paisagem de praia e todo o tipo de cenários bucólicos.
"This Is Your Smile" é um disco que vale a pena ouvir, como um todo, da primeira à última música.

01 - Please Won't Please
02 - Imagining What to Do
03 - Echo for Camperdown Curio
04 - Fantasma Vaga
05 - Pais Nublado
06 - Running
07 - Seen My Aura
08 - Sabana de Luz
09 - November 7
10 - Todo Lo Que Me Falta
11 - Two Lucky
12 - My Name Is For Friends

Nota - 8/10

28/02/19

Mari Boine


Mari Boine nasceu em Karasjok, Noruega, no dia 08 de Novembro de 1956, tendo passado a sua infância e crescido em Gámehisnjárga, uma aldeia no rio Anarjohka, município de Karasjok em Finnmark, extremo norte da Noruega.

Os seus pais eram Sapmi, povo de uma região no Norte da Noruega, viviam da pesca do salmão e da agricultura, tendo Boine crescido imersa no ambiente natural da região e também no meio-ambiente rígido do movimento cristão Luterano, um dos principais movimentos religiosos da Noruega e do Norte da Europa e que discriminava o povo Sapmi, chegando ao ponto de considerar que o facto de se cantar no estilo tradicional Sapmi Joik era "uma obra do diabo".

A escola local frequentada por Boine reflectia um mundo completamente diferente do da sua família, tendo sido toda a sua aprendizagem em norueguês. À medida que foi crescendo, Mari Boine começou a revoltar-se contra o preconceito existente na sociedade norueguesa Luterana, segundo o qual, uma mulher "Lappish" é um ser inferior. Aproveitando a sua música, não só nos espectáculos ao vivo como também nas edições discográficas, Boine aproveitou para divulgar as suas mensagens contra o racismo e contra essa atitude preconceituosa em relação à situação da mulher na sociedade norueguesa. Durante os seus concertos tem o cuidado de abordar sempre essa questão, criticando fortemente a discriminação social das mulheres e das minorias.

“Gula Gula”, editado em 1990 pela Real World de Peter Gabriel, trouxe a Mari Boine enorme reconhecimento a nível internacional. Editado com o nome de Mari Boine Persen, apelido que a identificava como norueguesa, a capa do disco apresentava o olho de uma coruja, imagem icónica da sua região natal. A título de curiosidade, é de mencionar que na contracapa do disco, no espaço em que habitualmente a editora menciona o país de origem do músico, aparece “Sapmi”, em vez de Noruega. Em 2007 este disco foi reeditado pela sua própria editora, Lean, tendo a capa sido alterada e, em vez da águia, surge Boine vestida como uma dançarina tradicional Xamanista e em vez de Mari Boine Persen, surge simplesmente Mari Boine.

Mari Boine conta com uma extensa discografia, na qual apresenta um estilo musical fortemente enraizado na cultura e tradições do seu povo, aliando sonoridades Jazz e Rock e baseando o seu modo de cantar no folclore tradicional. Usando a voz e o canto Yoik Yodelling, faz-se acompanhar por uma enorme panóplia de instrumentos de acompanhamento e percussão, alguns deles tradicionais, proporcionando sonoridades, momentos e ambientes de grande beleza.

27/02/19

Ao vivo... Mari Boine

Data - 26 de Fevereiro de 2019
Local - Teatro da Trindade
Notas - Integrado no Ciclo Mundos - numa colaboração entre o Inatel e o Festival Músicas do Mundo - Mari Boine deu um bom concerto perante uma plateia que não foi suficiente para esgotar a bonita sala do Teatro da Trindade.
Na primeira parte actuaram os portugueses Recanto, adaptando clássicos da música popular portuguesa a novas sonoridades, não deixando de apresentar alguns temas originais; Uum grupo interessante.

18/02/19

Setlist... Fucked Up


Setlist do concerto dos Fucked Up, na sala Cassiopeia, Berlim

01 - Dose Your Dreams
02 - Son The Father
03 - I Want You Right Now (MC5 Cover)
04 - Raise Your Voice Joyce
05 - Tell Me What you See
06 - Normal People
07 - Queen of Hearts
08 - Turn The Season
09 - Black Albino Bones
10 - Crusades
11 - Living in a Simulation
12 - Love Is an Island in The Sea
13 - Under My Nose
14 - I Hate Summer
15 - David Comes to Life
16 - Accelerate
17 - The Other Shoe