17/07/19

Recortes... Festival Super Bock Super Rock

Com o rock cada vez mais ausente, aí está mais uma edição do Festival Super Bock Super Rock, que este ano regressa à zona do Meco.
Espera-se que corra melhor, em termos logísticos e organização, do que nos últimos anos em que lá se realizou, mas diga-se o que se disser, ali é o seu lugar.

12/07/19

Setlist... Barry White Gone Wrong

Setlist do excelente concerto dos portugueses Barry White Gone Wrong, no Sabotage.

04/05/19

Ao vivo... GNR

Data - 03 de Maio de 2019
Local - Centro Cultural Olga Cadaval - Sintra
Notas - Mais um concerto da banda de Tóli César Machado, Rui Reininho e Jorge Romão.
Inserido na digressão de divulgação do recente single, "Quem?", no alinhamento deste concerto o grupo do Porto não deixou de fora os grandes clássicos que fazem parte do extenso reportório que nos foram dando a ouvir ao longo dos mais de 35 anos de carreira, uma carreira que nem sempre terá sido brilhante, mas que, diga-se em abono da verdade, nos anos mais recentes tem atingidos níveis de excelência, provando não só a intemporalidade da música do grupo, como também fazendo jus a uma velha máxima linguística portuguesa, através da qual os podemos comparar a um produto tipicamente português e do Norte do país, o vinho do Porto, ou seja, tal como esse afamado vinho, os GNR estão, como se costuma afirmar, "Quanto mais velhos, melhores".

08/04/19

Ao vivo... James

Data - 04 de Abril de 2019
Local - Coliseu dos Recreios, Lisboa
Notas - Depois do mau concerto na edição do Rock in Rio de 2018 - facto realçado pelo grupo durante o concerto do Coliseu dos Recreios - os James regressaram a Lisboa para um grande concerto perante uma sala esgotada.
Dividido em duas partes, sendo a primeira acústica, a banda liderada pelo carismático Tim Booth levou  ao delírio a imensa legião de fans incontestáveis que tem por terras lusas.
Ao fazerem com que o alinhamento do concerto incidisse, maioritariamente, no mais recente trabalho do grupo, "Living in Extraordinary Times" de Agosto 2018, fazendo com que vários êxitos incontornáveis da banda ficassem de fora - como por exemplo, Sometimes -, o grupo arriscou imenso, já que este último trabalho, apesar da sua boa qualidade, passou ligeiramente despercebido, sendo isso visível pois os temas deste disco eram os "menos participados".
Em termos gerais foi um excelente concerto, que deixou, quer o público quer o grupo, extremamente satisfeitos.
Já agora, fica-se com a ideia que o grupo anda à procura de uma "reinvenção", com temas menos directos, mas bons.
Pelo menos foi com esta ideia que ficámos a ouvir "Living in Extraordinary Times", e que foi possível confirmar com este concerto.
Ainda bem.

06/04/19

Setlist... James

Setlist do concerto dos James no Coliseu dos Recreios, Lisboa

Hello
Broken by the Hurt
All I'm Saying
Pleasure's On
Sit Down
I Wanna Go Home
Just Like Fred Astaire

Intervalo

Hank
Extraordinary Times
What's All About
Tomorrow
Dream Thrum
Five-O
Nothing But Love
Born of Frustration
Heads
Stutter
Moving Car
Picture of This Place
Getting Away With It (All Messed Up)
Leviathan
Sound

Encore

Attention
Come Home
Many Faces
Laid

21/03/19

Ao vivo... Triou Joubran

Data - 19 de Março de 2019
Local - Teatro da Trindade
Notas - "Espero que em breve possam assistir a um concerto nosso em Jerusalém, capital da Palestina.". Foi desta forma que Samir, irmão mais velho do Trio Joubran, se despediu do público que quase esgotou a sala do Teatro da Trindade.
Um concerto maravilhoso que nos transportou para essa terra oprimida e ocupada, Palestina. Samir disse ainda que "gostaria de chegar aqui, cantar e tocar como um músico normal, sem política à mistura, mas isso não é possível; a nossa terra está ocupada".
Na primeira parte tocou João Morais com o seu novo projecto "O Gajo" que, com a sua viola campaniça, durante cerca de 30 minutos, acabou por funcionar como um excelente aperitivo para a magia que havia de se seguir com os irmãos Joubran que, ao longo de hora e meia, apresentaram um alinhamento assente, essencialmente, no seu mais recente trabalho "The Long March", considerado um dos melhores discos editados da chamada World Music, durante o ano passado, disco este que conta, numa das músicas, em "Carry The Earth", com a colaboração e o génio de Roger Waters, um dos maiores defensores da causa Palestina e que não tem olhado a meios.
Uma noite de grande música, com excelentes músicos.
Memorável.

14/03/19

Trio Joubran


Oriundos de Nazaré, Palestina, o Trio Joubran é formado pelos irmãos Samir, Wissam e Adnan Joubran.
Descendentes de uma conhecida família de grande tradição artística, que há quatro gerações se dedica a construir e tocar o “Oud”, os irmãos Joubran, com o seu entusiasmo e virtuosismo transformaram este instrumento numa paixão, num modo de vida. Através de um exímio domínio deste instrumento musical característico do seu país, Sami, Wissam e Adnan têm divulgado, um pouco por todo o muito, a sua excelente música contando com a colaboração de Youssef Hbeisch nas percussões, funcionando como uma mais-valia à já boa música do trio, pois esta colaboração cria novas sonoridades e ritmos, tornando a construção musical mais, para quem a ouve.
Samir (irmão mais velho) começou a sua carreira musical em 1996, mas o trio de irmãos só deu início à sua actividade em 2004.
Desde então gravaram seis discos de originais, sendo o mais recente “The Long March” editado em 2018 e que irá, seguramente, servir de suporte ao espectáculo no Teatro da Trindade, em Lisboa, no próximo dia 19 de Março.

12/03/19

Helado Negro - This Is How You Smile


Helado Negro (Roberto Carlos Lange) editou recentemente o seu sexto álbum de originais, "This Is Your Smile", que já é considerado por grande parte da crítica, um dos bons discos deste ano.
Oriundo de Miami, Flórida, Roberto Lange teve a sua iniciação musical nas sonoridades do hip-hop e da música electrónica, algo que com o passar dos anos foi sendo, ligeiramente e de forma gradual posto de lado, sem no entanto perder essas raízes, principalmente no que às sonoridades electrónicas diz respeito.
"This Is Your Smile" é a prova disso, pois apesar do recurso a samplers, eles nunca entram nos ritmos techno ou dançáveis, funcionando sim como uma forma suave e constante de base rítmica musical que serve de suporte à sua voz suave e terna, colocando-nos perante um daqueles discos que se torna ideal para ouvir num momento relaxante quando, por exemplo, estamos a ler um romance ou numa praia ao por-do-sol, servindo a música como uma banda-sonora que nos dá trazer, que nos envolve por completo e que acaba por nos transportar para dentro desse livro ou dessa paisagem de praia e todo o tipo de cenários bucólicos.
"This Is Your Smile" é um disco que vale a pena ouvir, como um todo, da primeira à última música.

01 - Please Won't Please
02 - Imagining What to Do
03 - Echo for Camperdown Curio
04 - Fantasma Vaga
05 - Pais Nublado
06 - Running
07 - Seen My Aura
08 - Sabana de Luz
09 - November 7
10 - Todo Lo Que Me Falta
11 - Two Lucky
12 - My Name Is For Friends

Nota - 8/10

28/02/19

Mari Boine


Mari Boine nasceu em Karasjok, Noruega, no dia 08 de Novembro de 1956, tendo passado a sua infância e crescido em Gámehisnjárga, uma aldeia no rio Anarjohka, município de Karasjok em Finnmark, extremo norte da Noruega.

Os seus pais eram Sapmi, povo de uma região no Norte da Noruega, viviam da pesca do salmão e da agricultura, tendo Boine crescido imersa no ambiente natural da região e também no meio-ambiente rígido do movimento cristão Luterano, um dos principais movimentos religiosos da Noruega e do Norte da Europa e que discriminava o povo Sapmi, chegando ao ponto de considerar que o facto de se cantar no estilo tradicional Sapmi Joik era "uma obra do diabo".

A escola local frequentada por Boine reflectia um mundo completamente diferente do da sua família, tendo sido toda a sua aprendizagem em norueguês. À medida que foi crescendo, Mari Boine começou a revoltar-se contra o preconceito existente na sociedade norueguesa Luterana, segundo o qual, uma mulher "Lappish" é um ser inferior. Aproveitando a sua música, não só nos espectáculos ao vivo como também nas edições discográficas, Boine aproveitou para divulgar as suas mensagens contra o racismo e contra essa atitude preconceituosa em relação à situação da mulher na sociedade norueguesa. Durante os seus concertos tem o cuidado de abordar sempre essa questão, criticando fortemente a discriminação social das mulheres e das minorias.

“Gula Gula”, editado em 1990 pela Real World de Peter Gabriel, trouxe a Mari Boine enorme reconhecimento a nível internacional. Editado com o nome de Mari Boine Persen, apelido que a identificava como norueguesa, a capa do disco apresentava o olho de uma coruja, imagem icónica da sua região natal. A título de curiosidade, é de mencionar que na contracapa do disco, no espaço em que habitualmente a editora menciona o país de origem do músico, aparece “Sapmi”, em vez de Noruega. Em 2007 este disco foi reeditado pela sua própria editora, Lean, tendo a capa sido alterada e, em vez da águia, surge Boine vestida como uma dançarina tradicional Xamanista e em vez de Mari Boine Persen, surge simplesmente Mari Boine.

Mari Boine conta com uma extensa discografia, na qual apresenta um estilo musical fortemente enraizado na cultura e tradições do seu povo, aliando sonoridades Jazz e Rock e baseando o seu modo de cantar no folclore tradicional. Usando a voz e o canto Yoik Yodelling, faz-se acompanhar por uma enorme panóplia de instrumentos de acompanhamento e percussão, alguns deles tradicionais, proporcionando sonoridades, momentos e ambientes de grande beleza.

27/02/19

Ao vivo... Mari Boine

Data - 26 de Fevereiro de 2019
Local - Teatro da Trindade
Notas - Integrado no Ciclo Mundos - numa colaboração entre o Inatel e o Festival Músicas do Mundo - Mari Boine deu um bom concerto perante uma plateia que não foi suficiente para esgotar a bonita sala do Teatro da Trindade.
Na primeira parte actuaram os portugueses Recanto, adaptando clássicos da música popular portuguesa a novas sonoridades, não deixando de apresentar alguns temas originais; Uum grupo interessante.

18/02/19

Setlist... Fucked Up


Setlist do concerto dos Fucked Up, na sala Cassiopeia, Berlim

01 - Dose Your Dreams
02 - Son The Father
03 - I Want You Right Now (MC5 Cover)
04 - Raise Your Voice Joyce
05 - Tell Me What you See
06 - Normal People
07 - Queen of Hearts
08 - Turn The Season
09 - Black Albino Bones
10 - Crusades
11 - Living in a Simulation
12 - Love Is an Island in The Sea
13 - Under My Nose
14 - I Hate Summer
15 - David Comes to Life
16 - Accelerate
17 - The Other Shoe

28/11/18

Ao vivo... Idles

Data - 27 de Novembro de 2018
Local - LAV  Lisboa Ao Vivo
Notas - Sala esgotada para receber esta excelente banda britânica, de um rock muito próximo do Punk.
Formados no ano de 2011, só em 2017 editaram o primeiro trabalho "Brutalism", mas a grande projecção a nível mundial surgiu em 2018 coma  edição de "Joy as an Act of Resistance", um excelente disco que vem provar que o rock puro, com boas guitarras e poderosas sonoridades, continua bem vivo.
Um concerto muito, muito bom, que contou com uma primeira parte em bom nível por parte do duo John.

01/11/18

Ao vivo... Paulo Bragança

Data 31 de Outubro de 2018
Local - Sabotage
Notas - De regresso a Portugal e aos concertos em Lisboa, perante uma pequena sala muito despida de público, Paulo Bragança foi enorme dando um concerto de excelente nível, sendo, seguramente, um dos melhores deste ano de 2018.
Desde temas originais a versões de clássicos do rock português, sempre no seu estilo muito característico, este músico com uma carreira longa mas algo errante, proporcionou ao pouco público que marcou presença nesta excelente sala do Cais do Sodré, uma noite inesquecível.

26/10/18

Ao vivo... Kurt Vile

Data - 25 de Outubro de 2018
Local - Lisboa ao Vivo
Notas - Na bagagem, Kurt Vile & The Violators traziam o recentemente editado "Bottle It In", para uma noite de boa música rock, a momentos com laivos do característico folk americano.
Ora na guitarra eléctrica, ora na acústica Kurt Vile agradou imenso à legião de fans que, aos poucos, começa a ter em Portugal, onde actuou por três vezes nos últimos quatro anos.
Na primeira parte actuou Meg Baird, que se fez acompanhar por May Lattimore que apresentaram temas do seu novo trabalho, "Ghost Forests", conseguindo criar na sala um ambiente intimista, funcionando como a introdução ideal para o concerto de Kurt Vile.

22/10/18

Ao vivo... Anna Calvi

Data - 20 de Outubro de 2018
Local - Cineteatro Capitólio
Notas - Depois de ter actuado no Hard Club, Porto, Anna Calvi apresentou-se no Cineteatro Capitólio, Lisboa, para o concerto de promoção a "Hunter", disco editado este ano e já considerado um dos melhores discos de rock de 2018.
Perante uma sala bem composta mas que não encheu, durante cerca de 70 minutos a britânica nascida no dia 24 de Setembro de 1980, encantou com o seu charme e deslumbrou com a sua postura crua e dura em palco.
Com um alinhamento curto de apenas treze canções, sete delas pertenceram ao já mencionado "Hunter", para além dos já clássicos "Desire", "I'll Be Your Man", a belíssima "No More Words" ou ainda "Suzanne and I" do álbum homónimo de estreia, datado de 2011.
Sendo, como já foi referido, um concerto de certo modo curto, como momento alto da noite, poder-se-á destacar o silêncio arrepiante durante "Swimming Pool", de "Hunter", silêncio este contrastante com a "ferocidade" de Calvi em palco em certos momentos da noite, como por exemplo em "Wish" (forte candidata a canção rock do ano), aproximando-se do público, rebolando pelo chão, ajoelhando-se, e o público (pelo menos o das primeiras filas) estava siderado ao vêr e ouvir tamanho concerto, que será, seguramente, um dos melhores deste ano de 2018.
E para terminar, não se pode deixar de dar razão a Brian Eno quando afirmou que Anna Calvi "será a melhor coisa a aparecer depois de Patti Smith".

Setlist... Anna Calvi


Setlist do concerto de Anna Calvi, no Capitólio:

01 - Rider to The Sea
02 - Indies or Paradise
03 - As a Man
04 - Hunter
05 - Don´t Beat The Girl Out Of My Boy
06 - I'll Be Your Man
07 - Alpha
08 - No More Words
09 - Swimming Pool
10 - Suzanne and I
11 - Desire
12 - Wish

Encore

13 - Ghost Rider

11/10/18

Ao vivo... Marky Ramone

Data - 10 de Outubro de 2018
Local - RCA Clube
Notas - Hora e meia de música e mais de três dezenas de temas a um ritmo alucinante, provaram que o espírito dos Ramones contínua vivo pela mão do seu baterista Marky Ramone, que neste concerto fez-se acompanhar por músicos convidados, dos quais há que destacar o excelente vocalista Iñaki Urbizu (dos espanhóis Sumisión City Blues) e Greg Hetson (guitarrista dos Bad Religion).
Na primeira parte actuaram os portugueses Decreto 77 que, com o seu rock puro, conseguiram entusiasmar e "aquecer" o público, para o concerto de Marky Ramone.


27/09/18

Ao vivo... Beach House


Data - 26 de Setembro de 2018
Local - Coliseu dos Recreios
Notas - Victoria Legrand e Alex Scally formaram os Beach House no ano de 2004, em Baltimore, nos Estados Unidos, e editaram o primeiro trabalho homónimo em 2006.
Desde então têm mantido uma carreira regular, não só em termos de edições discográficas e concertos, como também no que diz respeito à qualidade da sua música.
Este ano editaram o sétimo trabalho "7" e foi no âmbito de promoção a este novo disco que regressaram mais uma vez a Portugal, para concertos em Lisboa e Porto.
Na primeira parte actuaram os Sound of Ceres.



26/09/18

Setlist... Beach House


Setlist do concerto dos Beach House no Coliseu dos Recreios, em Lisboa:

01 - Levitation
02 - Walk in The Park
03 - PPP
04 - Dark Spring
05 - Lazuli
06 - L'Inconnue
07 - Rough Song
08 - Sparks
09 - Black Car
10 - Space Song
11 - Drunk in LA
12 - 10 Mile Stereo
13 - Girls of The Year
14 - Wishes
15 - Beyond Love
16 - Lemon Glow

Encore

17 - Myth
18 - Dive

17/07/18

Ao vivo... 5 Lésbicas e uma quiche

Data - 27 de Abril de 2018
Local - Teatro Armando Cortez
Nota - Uma peça de teatro muito divertida com grande interacção do público, proporcionando momentos de enorme diversão.

13/07/18

Ao vivo... Ópera na Prisão

Data - 12 de Julho de 2018
Local - Fundação Calouste Gulbenkian
Notas - Ópera na Prisão é um projecto PARTIS (Práticas Artísticas para a Inclusão Social), que nasceu no Estabelecimento Prisional de Leiria no ano de 2014, com o objectivo de reduzir os níveis de reincidência criminal nos jovens reclusos.
Depois da estreia com o libreto de Don Giovanni, este grupo de jovens reclusos regressou com uma nova apresentação, a ópera de Mozart, "Cosi Fan Tutte".
Contando com a colaboração e prestação da orquestra Gulbenkian, misturando sonoridades de hip-hop com ópera, pode-se afirmar que foi um espectáculo de grande nível e tocante, pois a alhear à música, houve ainda tempo (felizmente) para depoimentos de alguns desses jovens e de membros da sua família que estavam presentes na plateia que lotou o magnífico auditório da Gulbenkian.
Sem qualquer dúvida, um espectáculo marcante.

30/06/18

Setlist... James

Setlist do concerto dos James no dia 29 de Junho de 2018, no Festival Rock in Rio, Parque da Bela Vista.

Setlist... Xutos & Pontapés

Setlist do concerto dos Xutos & Pontapés no dia 29 de Junho de 2018, no Festival Rock in Rio, Parque da Bela Vista.

Setlist... Killers

Setlist do concerto dos Killers no dia 29 de Junho de 2018, no Festival Rock in Rio, Parque da Bela Vista.

23/06/18

Ao vivo... Jane Birkin

Data - Dia 02 de Junho de 2018
Local - Parc Del Forum (Festival Primavera Sound - Barcelona)
Notas - O concerto de Jane Birkin com orquestra corria o risco de poder ser considerado um erro de casting, se atendermos ao tipo de público do Festival Primavera Sound.
Perante cerca de 20000 pessoas, esta senhora da canção francesa não desiludiu, chegando mesmo a fazer com que o público permanecesse durante certos momentos do concerto num silêncio profundo, quase em devoção, naquele que foi um dos momentos altos deste último dia do festival.

Setlist:

01 - Ces Petits Riens
02 - Baby Alone in Babylone
03 - Valse de Melody
04 - Physique et Sans Issue
05 - Fuir Le Bonheur
06 - La Chason de Prévert
07 - Manon
08 - Les Dessous Chics
09 - La Gadoue
10 - Jane B.
11 - L'Anamour
12 - La Javanaise

20/06/18

Ao vivo... Damed Squad

Data - 02 de Junho de 2018
Local - Parc Del Forum (Festival Primavera Sound - Barcelona)
Notas - Os espanhóis Damed Squad, com o seu Hip-Hop deram um concerto aborrecido, sendo, na minha opinião foi um dos mais fracos da edição deste ano do Primavera Sound.

19/06/18

Ao vivo... Nuria Graham

Data - 02 de Junho de 2018
Local - Parc Del Forum (Festival Primavera Sound - Barcelona)
Notas - Nuria Graham, cantora catalã de grande prestígio e popularidade dentro da música independente espanhola, deu um concerto de bom nível para os fans mais devotos.
Não brilhou, mas também não desiludiu.

08/06/18

Ao vivo... Sparks

Data - 31 de Maio de 2018
Local - Par Del Forum (Festival Primavera Sound - Barcelona)
Notas - Muita experiência, simpatia e enorme profissionalismo, fizeram com que o concerto dos veteranos Sparks fosse um dos pontos altos deste primeiro dia do Primavera Sound.
Com quase cinquenta anos de carreira, o grupo formado em Los Angeles pelos irmãos Ron Mael e Russell Mael, continua em grande forma e a encantar onde quer que actue.

07/06/18

Ao vivo... (Sandy) Alex G

Data - 31 de Maio de 2018
Local - Parc Del Forum (Festival Primavera Sound - Barcelona)
Notas - Alex Giannascoli, conhecido como (Sandy) Alex G trouxe ao Parc Del Forum o seu rock tipicamente americano, com pequenas sonoridades folk, num concerto morno e com pouco público.

06/06/18

Ao vivo... The Zephyr Bones

Data - 31 de Maio de 2018
Local - Parc Del Forum (Festival Primavera Sound - Barcelona)
Notas - O surf-pop melancólico e psicadélico deste grupo oriundo de Barcelona trouxe uma lufada de "ar fresco" num final de tarde quente. Não deslumbraram, mas mesmo assim, foram um bom concerto de final de dia / princípio de noite.

05/06/18

Ao vivo... Vagabon

Data - 31 de Maio de 2018
Local - Parc Del Forum (Festival Primavera Sound - Barcelona)
Notas - Laetitia Tamko, nascida em Camarões e residente em Nova Iorque deu um concerto demasiado morno e desinteressante, sendo, na minha opinião, uma das maiores desilusões deste dia.

04/06/18

Ao vivo... F/E/A

Data - 31 de Maio de 2018
Local - Parc Del Forum (Festival Primavera Sound - Barcelona)
Notas - De Mallorca chegaram os F/E/A (Forces Elèctriques d'Andorra), com um rock experimental e progressivo completamente instrumental, numa descarga eléctrica de sonoridades por vezes densas e obscuras que, apesar de certos momentos muito interessantes, acaba por torna-se algo aborrecido e repetitivo.

01/06/18

Ao vivo... War on Drugs

Data - 31 de Maio de 2018
Local - Parc Del Forum (Festival Primavera Sound - Barcelona)
Notas - Mais um excelente concerto de uma banda que só sabe fazer boas músicas.

31/05/18

Pulseiras... Festival Primavera Sound - Barcelona

 
Cartão e pulseira de acesso ao recinto do Festival Primavera Sound de Barcelona

21/05/18

Ao vivo... Roger Waters

Data - 20 de Maio de 2018
Local - Altice Arena
Notas - Se existem concertos perfeitos, este foi um desses.
Desde a qualidade do som, à encenação e a toda a envolvência que a música de Roger Waters proporciona, esta foi, seguramente, uma noite inolvidável para o imenso público que esgotou a Altice Arena.

Recortes... Roger Waters

Confete lançado no final do concerto de Roger Waters

Setlist... Roger Waters

Setlist do concerto de Roger Waters na Altice Arena, no dia 20 de Maio.

Em vez de "Mother", do álbum "The Wall", Roger Waters tocou "Wait for Her" do seu mais recente trabalho "Is This the Life You Really Want?", um dos grandes momentos da noite.

23/04/18

Ao vivo... Arcade Fire

Data - 21 de Abril de 2018
Local - Palau Sant Jordi - Barcelona
Notas - Durante quase duas horas os canadianos Arcade Fire voltaram a não desiludir o público que esgotou o Palau Sant Jordi.
Se relativamente a edições discográficas a carreira do grupo tem perdido algum brilhantismo, ao vivo não se pode dizer o mesmo, pois os Arcade Fire continuam a proporcionar concertos extremamente animados, como se cada um fosse uma festa.
Com um som de excelente qualidade, o alinhamento escolhido percorreu todos os álbuns do grupo, com especial incidência em Everything Now.
A primeira parte do concerto foi assegurada pelo colectivo de New Orleans, Preservation Hall Jazz Band, que durante uma hora animaram o público, com o seu Jazz tradicional mas com um ritmo muito propício à dança.
No final da noite os Preservation Hall Jazz Band voltaram ao palco para, juntamente com os Arcade Fire, interpretarem o icónico "Wake Up", em ambiente de festa.

22/04/18

Setlist... Arcade Fire

Setlist do concertos dos Arcade Fire, no dia 21 de Abril, no Palau Sant Jordi, Barcelona.

18/04/18

Ao vivo... Metz


Data - 17 de Abril de 2018
Local - Musicbox
Notas - Com o seu rock simples, puro e duro, os canadianos Metz são uma daquelas bandas obrigatórias, pelo menos ao vivo.
Se em disco a música do grupo, em termos de envolvimento, fica um pouco aquém das expectativas,  faltando alguma força, já em palco, a banda liderada Alex Edkins proporciona momentos de grande nível.

Momentos... Metz

Metz em concerto no Musicbox

09/03/18

Ao vivo... Slowdive

Data - 08 de Março de 2018
Local - Lisboa ao Vivo
Notas - Depois de uma pausa longa, demasiado longa, de 22 anos, atenuada apenas pelo projecto Mojave 3, a música dos Slowdive regressou no final de 2017, com o álbum homónimo.
Foi esse álbum e alguns clássicos que eles apresentaram na noite do dia 08 de Março de 2018, nesta excelente sala de Lisboa, LAV.

28/02/18

Setlist... Tricky

Setlist do concerto de Tricky no espaço Lisboa ao Vivo

Setlist... Tricky

Setlist do guitarrista para o concerto de Tricky no espaço Lisboa ao Vivo.

Ao vivo... Tricky

Data - 27 de Fevereiro de 2018
Local - Lisboa ao Vivo
Notas - Durante quase duas horas, Tricky proporcionou um bom concerto, prejudicado apenas pelo comportamento do público, que grita onde não deve, assobia onde não convém, insiste em filmar, tira fotografias por tudo e por nada recorrendo estupidamente ao uso do flash, tendo levado inclusivamente a uma chamada de atenção por parte do músico inglês.
Este tipo de situações é perfeitamente evitável, não só por uma questão de respeito para com o músico, mas também por respeito para com o restante público que não tem de estar - passe a expressão - a levar com a luz proveniente dos aparelhos de quem está à sua frente. Para além desta "cruz" dos telemóveis e aspirantes a fotógrafos, não seria má ideia que o público participasse, cantasse ou assobiasse somente nos devidos momentos, não quando lhes apetece, pois existem certas músicas para serem ouvidas em silêncio tal a sua densidade e obscuridade, acabando esses comportamentos por cortar a magia sentida ao escutar determinados temas... e na música de Tricky, isso é por demais evidente.
Após este pequeno desabafo, passemos ao que interessa: análise do concerto.
Nesta digressão por salas pequenas, o génio nascido em Bristol apresenta um alinhamento baseado nos seus mais recentes trabalhos, Uninform de 2017 e Skilled Mechanics de 2016, sem no entanto deixar de visitar os seus grandes temas de culto de outrora, como por exemplo Overcome ou Hell Is Around The Corner do seu disco de estreia Maxinquaye de 1995, ou Vent de Pre-Millennium Tension de 1996, passando ainda por temas de False Idols de 2013 ou Blowback de 2001.
Em palco a sua postura é a mesma de sempre, sombrio, obscuro, luzes escuras a incidir preferencialmente nas costas dos músicos, e no seu jeito muito peculiar, Tricky dança, numa dança  serpentear e sensual, sexual, na qual vai simulando um rasgar de T-shirt que nunca acontece, de "cigarro" na mão, constantemente a fumar, a tocar-se e a tocar-nos com a sua forma de cantar, o seu sussurrar profundo que nos deixa siderados, e quando se tem a sorte de estar na primeira fila, junto ao gradeamento, essa sensação é indescritível.
Acompanhado por um leque de excelentes músicos, com destaque para a imprescindível e carismática Martha, Tricky foi o génio, o maestro que ia controlando os seus músicos, pedindo que subissem ou baixassem de tom, que o guitarrista prolongasse ou encurtasse os solos, que parassem de ou começassem a tocar, sendo curioso o facto de os músicos presentes em palco terem de estar sempre a olhar para ele, para ver o que se seguiria, o que ele faria do cimo de toda a sua genialidade, de uma genialidade ímpar no seio da música, de uma forma de estar em palco que, mesmo não tendo qualquer tipo de interacção com o público, connosco, nós que estamos do outro lado, que nos deslocámos à excelente sala Lisboa ao Vivo numa noite de imensa chuva, nós sentimos e vibrámos como se ele estivesse constantemente a comunicar connosco, a sussurrar-nos ao ouvido o que queríamos ouvir, com a sua forma de canção e de cantar que nos enche a alma, proporcionando uma noite inesquecível, à qual faltou somente, um correcto comportamento por parte do público.

18/12/17

Ao vivo... Academia de Música de Santa Cecília

 
Data - 17 de Dezembro de 2017
Local - Basílica do Palácio Nacional de Mafra
Notas - Concerto de Natal pelos alunos da Academia de Música de Santa Cecília.

17/11/17

Ao vivo... Alphaville

Data - 16 de Novembro de 2017
Local - Campo Pequeno
Notas - Nesta noite fria de inverno, regressámos ao passado através do som e das músicas dos Alphaville, icónica banda oriunda da Alemanha e liderada pelo incontornável Marian Gold.
Numa sala que continua a apresentar grandes debilidades em termos acústicos, os Alphaville não desiludiram os milhares de fans que marcaram presença, esgotando a capacidade do recinto.
Para além do bom desempenho do único membro que vem da formação inicial, Marian Gold, destaque para os novos membros, o guitarrista Dave Goodes, o baterista Jakob Kiersch, a baixista Alexandra Merl e o excelente teclista Carsten Brocker, a grande surpresa da noite.

19/10/17

Ao vivo... Mazgani

Data - 18 de Outubro de 2017
Local - Teatro do Bairro
Notas - Mazgani subiu ao palco da pequena sala do Teatro do Bairro para apresentar o seu mais recente trabalho discográfico, o excelente "The Poet's Death".
Apesar da qualidade do disco, a adesão do público ficou muito aquém do que seria expectável, mas não deixou de ser um bom concerto, muito profissional, mas que merecia mais público, com uma sala desoladamente vazia.
Uma conclusão que se pode tirar do panorama musical português, é que mais vale uma boa promoção do que um bom trabalho discográfico... infelizmente.