30 August 2016

Ao vivo... David Fonseca

Data - 26 de Agosto de 2016
Local - Vilar de Mouros
Notas - David Fonseca deu um excelente concerto em Vilar de Mouros comprovando que a sua música funciona muito melhor em palco do que em disco, contrastando a garra e a força da música ao vivo com a excessiva suavidade melódica do disco.
Durante cerca de uma hora tocou alguns dos seus clássicos, num alinhamento típico de festival, em formato "Best of", aproveitando ainda para apresentar alguns temas do seu último disco, "Futuro Eu" de 2015, o primeiro cantado em português.
No entanto, acabaram por ser os temas interpretados em Inglês que mais cativaram, exceptuando, obviamente, a legítima homenagem a António Variações, pois David Fonseca fez parte do projecto "Humanos" que em 2004 editou um excelente disco homónimo, como forma de homenagem a esse músico que viveu antes do seu tempo, António Variações.
Apesar de ser um concerto curto, ainda interpretou temas dos Silence 4, e prestou mais uma merecida homenagem, desta vez a um monstro da música que partiu no início deste ano, David Bowie.

Ao vivo... Echo and the Bunnymen

Data - 26 de Agosto de 2016
Local - Vilar de Mouros
Notas - Onze anos depois, os britânicos Echo & The Bunnymen, liderados por Ian McCulloch regressaram ao Festival Vilar de Mouros.
Actuando, como sempre, na penumbra do palco, com tonalidades escuras e sem autorizar qualquer recolha de imagem, os Echo and The Bunnymen não desiludiram, ao contrário do sucedido em 2005.
Num concerto relativamente curto, com cerca de uma hora, os momentos que mais empolgaram o pouco público presente foram, como era previsível, os grandes clássicos da banda, como por exemplo "The Killing Moon".
De realçar ainda a excelente voz de McCulloch, que demonstrou estar em grande forma.

29 August 2016

Ao vivo... Festival Vilar de Mouros

Data - Dias 25, 26 e 27 de Agosto de 2016
Local - Vilar de Mouros
Notas - No ano em que se celebram os 50 anos da primeira edição do Festival Vilar de Mouros decorrida em 1965 e vocacionada somente para a chamada música folclórica, é feita mais uma tentativa de fazer ressurgir aquele que foi o primeiro festival da Península Ibérica.
Numa das mais bonitas zonas do país, numa pequena localidade que acolhe de muito bom grado o festival e se integra dento do espírito do mesmo, algo tem faltado para que o mesmo não consiga cimentar a sua posição no panorama dos festivais em Portugal.
Após o ressurgimento em 1996, realizou-se uma nova edição em 1999. Desde então e até 2006 o festival aconteceu de forma ininterrupta. Em 2006 existiu alguma megalomania ao celebrarem os 35 anos comemorativos da edição de 1971, ano em foi considerado o Woodstock português e por onde passaram Elton John e Manfred Mann, entre muito outros nomes de relevo do panorama musical português. Nesse ano de 2006 o festival foi celebrado com o lema "35 anos, 35 bandas, 35 Euros". Apesar de o preço ser muitíssimo acessível, o número de festivaleiros ficou muito aquém do previsto, resultando num enorme prejuízo.
Não sendo isto suficiente, a política entrou nos meandros do festival, e devido às divergências que foram surgindo o mesmo teve um interregno de 8 anos, regressando somente em 2014. Este enorme hiato, aliado à indefinição de datas e interesses de cariz político, teve graves consequências no Festival Vilar de Mouros, tendo o mesmo deixado de fazer parte do roteiro dos festivais portugueses.
Nem o facto de a edição de 2014 ter-se saldado por um enorme fracasso, demoveu a "Surprise & Expectation" de fazer uma nova tentativa para o ressurgimento daquele que, na opinião de quem escreve estas linhas, é um dos melhores festivais que se realiza em Portugal, um festival onde a música e o  ambiente se fundem de uma maneira como em nenhum outro sucede; o cenário idílico, o ambiente com verdadeiro espírito de festival, e a forma como se é acolhido pela gente da terra, são a prova mais do que evidente de que o Festival Vilar de Mouros não pode acabar.
Pode não ter estado muita gente na edição deste ano - segundo os números da organização, terão sido cerca de 22000 pessoas - mas a certeza com que ficou alguém que pela décima primeira vez marcou presença em Vilar de Mouros, é que quem lá esteve, saiu de lá feliz e com vontade de voltar.
Assim o desejo, e espero que a organização continue a ser tão boa como foi este ano.

P.S. - Brevemente serão publicados pequenos textos de alguns concertos.

27 August 2016

Ao vivo... Orchestral Manoeuvres in the Dark

Data - 26 de Agosto de 2016
Local - Vilar de Mouros
Notas - Quase 40 anos após a sua formação (1978), os ingleses Orchestral Manoeuvres in The Dark, também conhecidos como OMD, continuam em grande forma. Arrisco mesmo a afirmar que este foi o melhor concerto da edição do renascido Vilar de Mouros, e um dos melhores concertos a que assisti até aos dias de hoje.
Os OMD apresentaram um alinhamento de grande nível que não deixou de fora nenhum dos clássicos deste grupo que regressou aos palcos em 2006 após um interregno que durou mais de dez anos, interregno esse originado pelo fim do grupo quando da edição de "Universal" em 1996, disco que passou praticamente despercebido no seguimento, aliás, do que já havia sucedido com os anteriores, já que após o estrondoso sucesso com os primeiros trabalhos - desde o homónimo OMD editado em 1980 até "Junk Culture" de 1984 - a partir da edição de "Crush" de 1985 foram editados vários discos que ficaram muito longe de obter qualquer sucesso, originando o final do grupo, ou pelo menos uma longa pausa.
Com a edição de "History of Modern" em 2010, os OMD voltaram aos trilhos do sucesso e em Vilar de Mouros, para além dos clássicos, ainda foi possível ouvir o excelente tema "Metroland", de English Electric, o último álbum de originais, editado em 2013.
Com disse Andy McCluskey na introdução a este tema: "A new song, don't worry... it's fantastic"; foi, e nem perante uma música praticamente desconhecida de uma grande parte do público o entusiasmo diminuiu e isso era bem visível nos rostos do público e dos músicos em palco, que se mostraram extremamente felizes com a recepção que lhes foi proporcionada, prometendo voltar em breve.
Espera-se que cumpram o prometido.

18 August 2016

Recortes... Festival Vilar de Mouros 2016

Cartaz do Festival Vilar de Mouros de 2016, ano em que se celebram os 50 anos da primeira edição. Este ano verifica-se mais uma tentativa no sentido de o Festival passar a ter periodicidade regular, o que não tem sido nada fácil.
Depois das tentativas, aparentemente falhadas, de 2006 e 2014, pode ser que, como é costume dizer-se, à terceira seja de vez.
Esperemos que sim, pois este evento realiza-se numa das zonas mais bonitas de Portugal e, para além disso, tem um ambiente totalmente diferente dos imensos festivais que há nesta época do ano em todo o país. Não é melhor nem pior do que os outros... é diferente.
É um festival em que existe uma plena integração da comunidade local, com o público do festival, criando um ambiente e proporcionando momentos inesquecíveis.

09 August 2016

Momentos... GNR

Data - 13 de Janeiro de 2016
Local - Espinho
Notas - Jantar que os GNR fazem anualmente com um pequeno grupo de fans.

01 June 2016

Ao vivo... Steve Gunn

Data - 31 de Maio de 2016
Local - Galeria Zé Dos Bois
Notas - Bom concerto de Steve Gunn, no qual este músico de Brooklyn apresentou temas do seu mais recente disco, "Eyes on the lines" editado recentemente pela Matador.
Depois de ter colaborado com Kurt Vile, Gunn continua a desenvolver a sua carreira a solo, sem no entanto deixar de participar em projectos conjuntos com Vile e ainda com outros grupos, como por exemplo His Golden Messenger ou Mike Copper com quem editou em 2014 "Cantos de Lisboa", para além de muitos outros projectos de cariz rock, mas com algum experimentalismo à mistura.
Na primeira parte da noite o guitarrista Sleepy Doug Shaw apresentou alguns temas novos, num espectáculo que acabou por se tornar monótono.

22 May 2016

Setlist... Bruce Springsteen

Setlist do concerto de Bruce Springsteen no Rock in Rio. Como é característico nos seus concertos, o alinhamento definido por Bruce Springsteen no início dos seus concertos acaba por ter várias alterações. Esta imagem foi tirada do palco mas a setlist real já foi publicada neste site.

21 May 2016

Ao vivo... Bruce Springsteen

Data - 19 de Maio de 2016
Local - Parque da Bela Vista
Notas - Excelente concerto de Bruce Springsteen apesar de ser num formato mais curto do que é costume.
Mesmo assim, durante cerca de duas horas e meia e acompanhado pela sua banda de sempre, a E Street Band, pode-se afirmar que o "Boss" não desiludiu com o seu ritmo frenético e entusiasmante, e a sua simpatia extraordinária.

Setlist "real" do concerto de Bruce Springsteen na edição do Rock in Rio de 2016

01 - Badlands
02 - No Surrender
03 - My Love Will Not Let You Down
04 - Cover Me
05 - Darkness On The Edge Of Town
06 - Hungry HEart
07 - The Promised Land
08 - Out In The Street
09 - Downbound Trains
10 - I'm On Fire
11 - Atlantic City
12 - Darlington County
13 - Working On The Highway
14 - Johnny 99
15 - The River
16 - Because The Night
17 - Spirit In The Night
18 - Lonesome Day
19 - The Rinsing
20 - Thunder Road
21 - Born In The U.S.A.
22 - Born To Run
23 - Glory Days
24 - Dancing In The Dark
25 - Tenth Avenue Freeze-Out
26 - Twist And Shout
27 - This Hard Land

Ao vivo... Festival Rock in Rio

Data - 20 de Maio de 2016
Local - Parque da Bela Vista
Notas - Neste dia, entre outros artistas, passaram pelo Parque da Bela Vista, Fergie, Mika e os Queen + Adam Lambert.
Numa das edições mais fracas de que há memória do Rock in Rio Lisboa, este acabou por ser o dia com mais público, apesar de muito desse público estar lá pelos presentes e pelo ambiente de festa, não pela música.
Enquanto que o concerto da ex-Black Eyed Peas, Fergie, foi bastante fraco, apesar de todo o seu esforço, o libanês Mika acabou por proporcionar um espectáculo agradável, graças à excelente boa-disposição e à enorme interacção com o público.
No entanto, neste dia, a grande expectativa residia na actuação de um dos grupos mais importantes da história da música Rock de todos os tempos, os britânicos Queen.
Sem o lendário Freddie Mercury, falecido no dia 24 de Novembro de 1991, o grupo actualmente constituído por Brian May e Roger Taylor tem mantido actividade regular em termos de espectáculos, primeiro com Paul Rodgers (2005-2009), e desde então com o finalista do concurso American Idol, Adam Lambert. John Deacon, e muito bem, recusou-se a fazer parte deste projecto desde o início.
Apesar das reconhecidas qualidades vocais de Lambert, nada nem ninguém poderá algum dia, substituir Mercury, não só pelo seu carisma, mas também pelo seu inigualável timbre musical.
Para alguém que sempre acompanhou a obra deste grupo formado em Londres no ano de 1971, para alguém que devorou todos os seus álbuns até à exaustão, desde "Queen" de 1973 até "Innuendo" de 1991 e ainda ao póstumo "Made in Heaven" de 1995 editado como forma de homenagem a Freddie Mercury, para esse alguém, vêr em palco Brian May e Roger Taylor é excelente; mas não deixa de ser péssimo, vêr e ouvir Adam Lambert a desempenhar o papel de Freddie Mercury.
Apesar de não se poder colocar em causa a qualidade de Lambert, que tem a inteligência de não copiar excessivamente a postura de Mercury, repito, para quem acompanhou a carreira do grupo, foi uma sensação estranha a que viveu neste dia no Parque da Bela Vista.

20 May 2016

Ao vivo... Stereophonics

Data - 19 de Maio de 2016
Local - Parque da Bela Vista
Notas - Os britânicos Stereophonics, infelizmente desconhecidos para uma grande parte do público, apesar de se terem formado no já longínquo ano de 1992 e com perto de uma dezena de discos editados, acabaram por ser a grande surpresa do dia, interagindo com o público e, de forma experiente, conseguiram cativá-lo e prender a sua atenção, algo que não era fácil pois aguardava-se a presença de Bruce Springsteen e os Xutos & Pontapés estavam "a jogar em casa".
Com um alinhamento em formato Best Of, o grupo liderado por Kelly Jones agradou imenso nesta edição do Rock in Rio, chegando a ouvir-se muitos comentários na plateia, no sentido de que já mereciam um concerto em nome próprio e numa sala mais pequena.

Ao vivo... Xutos & Pontapés

Data - 19 de Maio de 2016
Local - Parque da Bela Vista
Notas - Esta ano, os Xutos & Pontapés voltaram a marcar presença em mais uma edição do Festival Rock in Rio, que de dois em dois anos é realizado em Lisboa e que se auto-intitula "O Maior Festival do Mundo" mas que de alguns anos a esta parte tem vindo a perder um pouco da sua identidade, visto estar a tornar-se cada vez mais pop e menos rock e, para além disto, tem adoptado uma vertente mais comercial e de diversão.
Hoje em dia há quem veja uma ida ao RiR como uma oportunidade de passar um dia divertido durante o qual aproveita-se para tirar selfies, andar em carroceis, e trazer algumas lembranças (quase lixo) para casa. Opções.
Quanto ao concerto dos Xutos & Pontapés, talvez tenha sido um dos seus piores concertos. A banda parecia estar distante, o público amorfo e ausente reagia apenas aos hits do passado de um grupo que enche os recintos por onde passa, mas do qual as pessoas só conhecem (praticamente) os temas mais antigos, exceptuando os seus fiéis seguidores... que são bastantes.
Na opinião de quem escreve este pequeno texto, que vale o que vale, a banda composta por Tim, Zé Pedro, Kalú, Cabeleira e Gui devia reinventar-se, criar uma nova dinâmica e não estar refém dos hits do passado, o que acontece actualmente, acabando por tornar-se maçador assistir a um concerto deste histórico grupo.

Ao vivo... Festival Rock in Rio

Data - 19 de Maio de 2016
Local - Parque da Bela Vista
Notas - Comentários já publicados.

19 May 2016

Ao vivo... Peter Murphy

Data - 16 de Maio de 2016
Local - Aula Magna
Notas - Sala cheia para prestar culto a Peter Murphy, que deu um bom concerto num estilo unplugged. Se inicialmente o som chegou a ser assustadoramente mau, ao fim de duas músicas, com os respectivos acertos, ficou de grande nível, algo habitual naquela que é uma das melhores salas de Lisboa.
Apesar de terem ficado de fora muitos dos grandes êxitos da carreira a solo do eterno senhor Bauhaus, o público saiu de lá extremamente satisfeito, ou não estivessem lá na esperança de ouvirem temas dessa mítica banda... o que aconteceu.

09 May 2016

Ao vivo... GNR

Data - 08 de Maio de 2016
Local - Teatro Tivoli
Notas - Concerto de entrada livre anunciado com muito pouca antecedência. Mais uma vez, incompreensivelmente, os GNR não conseguem encher uma sala em Lisboa. Não terá sido somente a pouca divulgação do evento a "responsável" por isso. Infelizmente o grupo de Rui Reininho Tóli César Machado e Jorge Romão raramente esgotam salas em Lisboa, vá-se lá saber porquê.
Bairrismos? Se for esse o caso é uma tremenda estupidez pois este grupo que se formou em 1980 (da formação original só resta Tóli César Machado), tem tido uma carreira das mais consistentes da música portuguesa, apresentando sempre, ou quase sempre, discos de grande qualidade, e a prova disso é o mais recente trabalho "Caixa Negra".
Um excelente concerto que, para além de incluir temas desse disco, não deixou de percorrer toda a carreira do grupo, havendo apenas a apontar a fraca qualidade do som.

Ao vivo... AC DC

Data - 07 de Maio de 2016
Local - Passeio Marítimo de Algés
Notas - Perante o anunciado dilúvio que se confirmou durante todo este dia de Maio, a expectativa para o concerto dos AC/DC era enorme, pois sem Brian Johnson na voz e com Axl Rose a substituí-lo a curiosidade tomou conta, não só dos cerca de 55000 fans da banda australiana, mas também de toda uma imensidão de jornalistas dos quatro cantos do mundo que marcou presença neste concerto, um concerto que iria acrescentar um parágrafo na história da música, parágrafo esse que tanto poderia ser em letras douradas com num negro muito escuro, pois tudo o que mete Axl Rose tem um final sempre imprevisto.
A substituição de Johnson por Rose não foi bem aceite por muitos fans do grupo, no entanto Axl não comprometeu e, apesar de cantar sentado numa poltrona por causa de ter fracturado a perna recentemente, apesar desse enorme contratempo, Axl encheu por completo o palco, sem deixar que o seu ego interferisse com o facto de não ser o principal elemento em palco, dando todo o protagonismo aos membros do grupo, principalmente a Angus Young.
Graças a estes factores, à postura e desempenho de Axl, e à postura e desempenho dos membros do grupo, neste dia que começou chuvoso e terminou com um por-de-sol lindo como que a anunciar que nessa noite, no Passeio Marítimo de Algés, na cidade de Lisboa, iria ser escrita com letras de ouro uma página inimaginável na história do rock.
Fez-se história... e estive lá.

04 May 2016

Ao vivo... Muse

Data- 03 de Maio de 2016
Local - MEO Arena Lisboa
Notas - Segundo dia dos Muse em Lisboa com mais um concerto totalmente esgotado. Se em termos cénicos foi exactamente igual ao do dia anterior, já no alinhamento existiram algumas diferenças, com a inclusão de alguns temas por exclusão de outros, tendo, também este, tido a duração de perto de duas horas.
Na primeira parte de ambos os dias, tocaram os holandeses De Staat, com um rock simples mas com margem de progressão.
Resumindo um pouco estes dois concertos, pode-se dizer que os Muse cumpriram na perfeição o conceito do que é um concerto / espectáculo ao vivo. Alinhamento perfeito, concertos com bom ritmo, sem quebras e empolgantes.
Ficamos a aguardar pelos concertos de estádio.

Setlist... Muse


Setlist do concerto dos Muse, no dia 03 de Maio de 2016

01 - Drones (Gravação)
02 - Psycho
03 - Reapers
04 - Resistance
05 - Dead Inside
06 - Bliss
07 - The 2nd Law: Isolated System
08 -The Handler
09 - Supermassive Black Hole
10 - Prelude
11 - Starlight
12 - Citizen Erased
13 - Munich Jam
14 - Madness
15 - Undisclosed Desires
16 - JFK
17 - Stockholm Syndrome
18 - Time Is Running Out
19 - Uprising
20 - The Globalist
21 - Drones (Gravação - Reprise)
22 - Mercy
23 - Knights Of Cydonia

03 May 2016

Ao vivo... Muse

Data - 02 de Maio de 2016
Local - MEO Arena Lisboa
Notas - O recinto da MEO Arena há muito tempo estava esgotado para os concertos dos Muse em Portugal. Desde o seu primeiro concerto por cá, na pequena sala da Aula Magna em Abril de 2002, Matthew Bellamy, Chris Wolstenholme e Dominic Howard, têm vindo a construir uma carreira sólida que vai esgotando todos os recintos, de todos os países por onde passa, e Portugal não é excepção.
Se no que a edições discográficas diz respeito, a carreira do grupo tem, momentaneamente, vindo a perder algum fulgor, em palco passa-se exactamente o contrário, confirmando que este grupo formado em 1997 em Teignmout, Devon, Inglaterra, é actualmente uma das melhores bandas em palco, com uma música poderosa e repleta de força.
No primeiro dos dois concertos em Lisboa, no âmbito da digressão de promoção do mais recente trabalho do grupo - "Drones" (2015), no qual conseguem voltar aos discos de excelente nível, redimindo-se dessa forma do mal-amado "The 2nd Law" (2012), não foi de estranhar que o alinhamento desta primeira noite recaísse sobre "Drones" (6) e "Black Holes and Revelations" de 2006 (5), mas sem deixar de passar por "Absolution" de 2003 (4), "The 2nd Law" (3), "Origin of Simmetry" de 2001 (1) e "The Resistance" de 2009 (1), e ainda o excelente dueto bateria-baixo em "Munich Jam".
Com Drones, os Muse voltaram aos bons discos, e com esta digressão, na qual o palco é colocado ao meio da plateia permitindo uma visão de 360º, o grupo confirma toda a sua força em palco, montando um excelente espectáculo cénico, aliado a uma qualidade sonora de excelência.
Arrisco mesmo a afirmar que os Muse são das poucas bandas da actualidade (a par com Coldplay), que têm capacidade para encher estádios.

Muse... Setlist

Setlist do concerto dos Muse, no dia 02 de Maio de 2016

29 April 2016

Ao vivo... Hey Colossus

Data - 28 de Abril de 206
Local - Galeria Zé Dos Bois
Notas - Com oito álbuns editados em dez anos de existência, os londrinos Hey Colossus passaram pelo aquário da Zé Dos Bois para um bom concerto perante uma plateia que não foi suficiente para esgotar a pequena e excelente sala, mas que acabou por estar bem composta. Bom concerto de rock puro e duro, algo que nos dias que correm é cada vez mais raro.
Na primeira parte tocaram os Killimanjaro, trio oriundo de Barcelos, que lentamente vai impondo a sua música e o seu estilo no panorama rock português, apesar de actualmente existir muito pouca divulgação por parte das rádios nacionais para este tipo de música. José Gomes, Joni Dores e Luís Masquete formaram os Killimanjaro em 2011 e passaram pela ZDB para apresentarem alguns temas de Hook, álbum de estreia, conseguindo agarrar a plateia com bons pormenores musicais.
Depois de os ter visto em Paredes de Coura em 2014, é notória a evolução da música e sonoridade deste trio.

28 March 2016

Ao vivo... A-Ha

Data - 26 de Março de 2016
Local - O2 Arena
Notas - Viagem ao passado ao som de um dos grupos mais marcantes da década de 80, os noruegueses A-Ha. O som excelente e o previsível alinhamento com principal incidência nos temas mais antigos e que ajudaram a imortalizar este trio composto por Magne Furuholmen, Morten Karket e Pal Waaktaar, fizeram com que esta se tornasse uma noite inesquecível para todos os que esgotaram esta excelente sala londrina.
Houve ainda tempo para ouvir alguns temas dos mais recentes trabalhos do grupo, "Foot of The Moutain" de 2009 e "Cast in Steel" de 2015.

Setlist... A-Ha

Setlist do concerto dos A-Ha na O2 Arena, Londres, no dia 26 de Março de 2016.

01 - I've Been Losing You
02 - Cry Wolf
03 - Move To Memphis
04 - Stay on These Roads
05 - The Swing of Things
06 - Cast in Steel
07 - Crying in the Rain (Carole King cover)
08 - Mother Nature Goes To Heaven
09 - We're Looking for the Whales
10 - Velvet (Savoy cover)
11 - Lifelines (Pal na voz)
12 - Here I Stand and Face the Rain (Anneli Drecker na voz)
13 - Sycamore Leaves
14 - She's Humming a Tune
15 - Foot of the Moutain
16 - Hunting High and Low
17 - Scoundrel Days

Encore 1
18 - The Sun Always Shines on T.V.
19 - Under The Makeup
20 - The Living Daylights

Encore 2

21 - Take on Me

18 March 2016

Ao vivo... Angel Olsen

Data - 17 de Março de 2016
Local - Galeria Zé dos Bois
Notas - Angel Olsen, com o seu folk tipicamente americano, a sua voz suave e a sua simpatia, tem tudo o que é necessário para nos transportar virtualmente para longe, para um local paradisíaco repleto de paisagens e sons idílicos. As suas actuações são sempre de grande nível, próximas da perfeição, e mais uma vez isso ficou provado na ZDB.

26 February 2016

Ao vivo... Festival Rescaldo

Data - 25 de Fevereiro de 2016
Local - Galeria Zé Dos Bois
Notas - Pelo aquário da ZDB passaram dois projectos recentes da música alternativa portuguesa, Acid Acid e Plus Ultra.
Em meados do ano de 2014, o radialista Tiago Castro decidiu transpor para os palcos toda a sua paixão pela música. A partir de uma guitarra, um sintetizador e alguns samples começou por participar em alguns festivais, como por exemplo o Mucho Flow e o Reverence Valada. Nesta noite, na ZDB, apresentou alguns dos seus temas, com uma sonoridade que pode ser apelidada de estranha, em looping constante, com distorções e influências que tanto percorrem caminhos do Krautrock como do psicadelismo electrónico proporcionando ambiências estranhas mas envolventes. Um bom concerto de um bom músico, mas com um estilo musical muito difícil.
Após a curta actuação do Tiago Castro, seguiu-se a actuação dos Plus Ultra.
Esta banda oriunda do norte do país pode ser apelidada de super-grupo, já que são compostos por Gon, membro dos Zen, Kino dos Ornatos Vioelta e Azevedo dos Mosh.
Com uma guitarra e "duas" baterias, os Plus Ultra deram um excelente concerto de rock puro e duro, um rock de definição difícil, pouco melódico e anárquico, mas simultaneamente agradável e repleto de musicalidades e sonoridades que levavam à dança, tornando o ambiente do pequeno aquário próximo do insuportável, e não fosse a excelente prestação dos músicos teria sido difícil, mas atendendo ao espectáculo proporcionado ninguém se lembrou do calor.
Grande noite de música, ambiente quente, corpos suados e ritmos dançantes.

16 February 2016

Setlist... Tindersticks

Setlist do concerto dos Tindersticks na sala Volksbuhne, em Berlin

01 - Follow Me
02 - Second Chance Man
03 - Were We Once Lovers
04 - Help Yourself
05 - Hey Lucinda
06 - This Fear of Emptiness
07 - How He Entered
08 - The Waiting Room
09 - Planting Holes
10 - We Are Dreamers
11 - Like Only Lovers Can

12 - Johnny Guitar (Peggy Lee cover)
13 - Keep You Beautiful
14 - Medicine
15 - She's Gone
16 - Flicker
17 - Boobar Come Back To Me
18 - A Night So Still
19 - Sleepy Song
20 - This Fire Of Autumn
21 - The Other Side Of The World

Encore

22 - Slippin' Shoes
23 - Factory Girls

15 February 2016

Ao vivo... Tindersticks

Data - 13 de Fevereiro de 2016
Local - Volksbuhne, Berlin
Notas - Nem os problemas técnicos que originaram um atraso de uma hora no início do concerto, nem a ausência das cadeiras inicialmente previstas para que as pessoas se sentassem foram suficientes para que o concerto dos Tindersticks não fosse mais um a acrescentar à longa lista de momentos memoráveis que a banda liderada por Stuart Staples, tem proporcionado ao longo dos anos aos seus fans.
Numa noite musical com duas partes, a primeira foi preenchida com a interpretação na íntegra do mais recente trabalho deste grupo que se formou em Nottingham no já longínquo ano de 1992. Enquanto os temas de "The Waiting Room" - disco de grande nível, editado muito recentemente - eram tocados pelo grupo, no ecrã eram projectadas curtas-metragens que serviam de suporte a cada música, como se estivéssemos numa sala de cinema a vêr esses pequenos filmes com a banda-sonora dos mesmos a ser tocada em directo, provocando um efeito misto em que teríamos de ouvir e ver a música e de ver e ouvir as imagens, despertando todos os nossos sentidos, algo que, pessoalmente, me dá imenso prazer.
Após um pequeno intervalo, segundo Stuart Staples "iriam ser passados os créditos dos filmes", o grupo voltou para a segunda parte, durante a qual seriam tocados temas dos álbuns anteriores, tendo sido possível ouvir, canções de "The Hungry Saw" (2008) com natural destaque para "Boobar Come Back To Me"; de "Tindersticks II" (1995), com um belíssimo momento em "She's Gone"; "Falling Down a Montain"(2010), com a lindíssima "Keep You Beautiful"; "Johnny Guitar", uma cover de Peggy Lee; e ainda temas de "The Something Rain" (2012) o disco que fez com que os Tindersticks voltassem ao prazer de tocar, de estar em palco, sendo essa a ideia que transparece para quem os segue há muitos anos. Para além do brilhantismo musical que sempre tiveram, fica a ideia que este disco marca um ponto de viragem na obra do grupo e isso foi confirmado em 2013  com a edição de "Across Six Leap Years", disco em que Earl Harvin (bateria), Dan McKinna (baixo), Neil Fraser (guiatrra), David Boulter (teclas) e Stuart Staples (voz), pegaram em clássicos do grupos e revisitaram-nos, tocando-os com uma nova "roupagem", mais acústica e cada vez mais bela e sedutora.
O mais recente "The Waiting Room" confirma isto tudo, sendo seguramente um dos grandes discos do corrente ano.

01 February 2016

Ao vivo... Rafael Toral - Space Collective 3

Data - 29 de Janeiro de 2016
Local - Galeria Zé Dos Bois
Notas - Sendo que as suas actuações cada vez são mais raras, a expectativa para este concerto na Zé Dois era enorme.
Perante um aquário que não encheu, Rafael Toral apresentou-nos alguns temas da sua indefinida música, com uma sonoridade na qual se sente a liberdade de criação e de estilo, não estando amarrada a qualquer estrutura musical.
Fazendo-se acompanhar por Afonso Simões na bateria e por Ricardo Webbens em diversos instrumentos electrónicos, Rafael Toral conduziu-nos numa viagem musical com tanto de estranha como de cativante.
Na primeira parte actuou Bleiddwn, um projecto musical muito recente, cuja estrutura divaga pelo lado mais negro das pistas de dança.

11 January 2016

Homenagem... David Bowie

08.01.1947 - 10.01.2016
Um dos meus músicos preferidos, partiu.
Durante o fim-de-semana estive a ouvir "Blackstar", trabalho editado no passado dia 08, data em que este músico nascido em Londres celebrou os seus 69 anos.
Após ouvir pela segunda vez consecutiva, disse a quem estava comigo "hoje, dia 10 de Janeiro de 2016, digo-te que este vai ser um dos 10 melhores discos de 2016"
Hoje, ao acordar, ligo o rádio e "levo" com uma notícia destas.
Um murro no estômago.
Bowie deixa-nos um legado de mais de duas dezenas de discos de originais, repletos de excelentes músicas, umas soberbas, outras nem por isso, e algumas menos conseguidas.
Deixa-nos, também, no dia do seu aniversário, um dos seus melhores discos de sempre, como se fosse uma carta de despedida, com letras escuras e sombrias, um disco para ouvir, ouvir, ouvir, e quando já estivermos fartos de o fazer, voltamos a ouvir, pois Bowie foi para o reino do arco-íris, mas a sua obra fica para que nós possamos continuar a deleitar-nos com as suas canções e também para que, no futuro, os mais novos saibam que alguém como David Bowie passou por aqui e que esse alguém fez-nos felizes, fez-nos dançar e, hoje, fez-nos chorar.

26 November 2015

Setlist... Arcade Fire

Setlist do concerto dos Arcade Fire no Festival Primavera Sound Barcelona, no dia 29 de Maio de 2014.

25 November 2015

Ao vivo... Kurt Vile

Data - 24 de Novembro de 2015
Local - Armazém F
Notas - O norte-americano Kurt Vile, repetiu a receita da noite anterior dos Beach House. Casa cheia, setlist assente no disco editado recentemente B'lieve I'm Goin Down, um dos mais aclamados discos deste ano, mas sem deixar de tocar alguns temas dos seus anteriores trabalhos discográficos.

24 November 2015

Ao vivo... Beach House

Data - 23 de Novembro de 2015
Local - Armazém F
Notas - Mais uma noite mágica nesta pena sala de Lisboa. Depois de terem actuado neste mesmo espaço em 2013, com lotação esgotada, o grupo de Victoria Legrand e Alex Scally voltou a esgotar, não se percebendo o porquê de não se realizar o concerto numa sala maior, como por exemplo o Coliseu de Lisboa ou a Aula Magna.
Trazendo na bagagem dois discos editados recentemente, "Depression Cherry" e "Thank You Lucky Stars", o alinhamento percorreu ainda os anteriores trabalhos do grupo, numa excelente noite de celebração musical, de momentos mágicos e sedutores, algo habitual nos Beach House.

23 November 2015

Ao vivo... Lower Dens

Data - 21 de Novembro de 2015
Local - Galeria Zé Dos Bois
Notas - Casa cheia, aquário a "rebentar pelas costuras", noite muito fria a contrastar com o calor abrasador desta pequena sala por onde, por norma, passam concertos de grande qualidade, e os Lower Dens, banda de Jana Huntler não desiludiram neste regresso a Lisboa, apresentando temas do mais recente disco "Escape From Evil", de "Nootropics" de 2012 e também de "Twin-Hand Movement", o álbum com que se estreou em 2010 este grupo de Baltimore, sendo de imediato muito bem recebidos pela crítica musical e pelo público, criando um grupo de fieis seguidores.

20 November 2015

Ao vivo... Sean N. Savage e Weyes Blood

Data - 19 de Novembro de 2015
Local - Galeria Zé Dos Bois
Notas - Mais um excelente concerto na ZDB. Com a forma estranha de estar em palco Sean N. Savage trouxe-nos a sua música muito enraizado no indie-pop, com um concerto extremamente agradável numa primeira parte que antecedeu o belíssimo concerto de Weyes Blood e, já perto do final, "a cereja no topo do bolo", um dueto. Brilhante.

03 November 2015

Setlist... GNR

Setlist do concerto dos GNR, no Coliseu dos Recreios, dia 31 de Outubro de 2015

02 November 2015

Ao vivo... GNR

Data - 31 de Outubro de 2015
Local - Coliseu dos Recreios
Notas - Mais um excelente concerto de uma banda história do pop/rock português, mas que, vá-se lá saber porquê, raramente tem bom público nos seus concertos em Lisboa, apesar de manter uma edição regular de excelentes discos repletos de óptimas canções. Este concerto teve como mote principal a apresentação do mais recente trabalho, "Caixa Negra", um dos melhores de música portuguesa editados durante este ano de 2015.

28 September 2015

Ao vivo... Cured Pink - Fingers

Data - 24 de Setembro de 2015
Local - Galeria Zé dos Bois
Notas - Nesta noite, na ZDB apresentaram-se dois grupos australianos com enorme vontade de emergirem no panorama da música independente numa vertente mais experimentalista.
O trio Fingers, composto por Samuel Karmel, Carla dal Forno e Tarquin Manek, apresentaram temas de "Hide Before Dinner", disco editado para a conceituada Blackest Ever Black. Com uma estrutura musical assente em guitarra e teclas, foi um concerto demasiado morno, um pouco por desconhecimento da obra do grupo, por parte do pouco público presente.
Relativamente aos Cured Pink, nesta sua estreia em termos de digressão europeia, Andrew McLellan, Mitchell Perkins, Glen Schenau e Stuart Busby, deram um concerto interessante, mas que não chegou a empolgar, ficando no entanto a ideia que a banda pode chegar um pouco mais longe.

11 September 2015

Ao vivo... Angel Olsen

Data - 09 de Setembro de 2015
Local - Galeria Zé dos Bois
Notas - A norte-americana Angel Olsen apresentou-se sozinha no palco do aquário da Galeria Zé dos Bois, para um excelente concerto, intimista, interagindo muito com o público que esgotou por completo a pequena sala, mostrando-se simpática e feliz por estar perante uma plateia devota e resistente ao imenso calor que se fazia sentir.
O seu mais recente trabalho, "Burn Your Fire for No Witness", editado em 2014 pela Jagjaguwar, serviu de suporte ao alinhamento da noite, mas também tivemos a oportunidade de ouvir temas dos discos anteriormente editados pela Bathetic Records, "Half Way Home" de 2012 e "Strange Cacti" de 2011, dois bons trabalhos de uma cantora que tem construído uma carreira sólida mas ainda curta, assente no Indie Folk e Country de raízes americanas, mas sem nunca entrar pelos campos do Folk e Country tradicionais, dando-lhe sempre uma característica indie, funcionando a sua bem timbrada voz como "a cereja no topo do bolo".

07 August 2015

Ao vivo... GNR

Data - 06 de Agosto de 2015
Local - Casino Estoril
Notas - Num formato próximo do acústico, Rui Reininho, Jorge Romão, Toli César Machado e amigos, apresentaram um alinhamento em jeito Best Of, ficando de fora a maior parte dos temas do mais recente disco, "Caixa Negra", editado este ano.
Num concerto que durou cerca de hora e meia, foi possível ouvir alguns dos maiores êxitos desta banda que está cada vez mais pop e cada vez menos rock, e isso é bom.
Entre as canções tocadas, destaque para Tirana, Sangue Oculto, Morte ao Sol, Caixa Negra, Popless, Ana Lee, Asas, Desnorteado, e a fundamental Dunas, entre muitos outros temas.
Um bom concerto perante uma plateia apática, como se estivessem num evento de gala. Nem a farpa de Reininho "obrigado por todo o vosso apoio" foi suficiente para quebrar o gelo de uma plateia fria.
Espera-se que o concerto agendado para Outubro no Coliseu de Lisboa, tenha mais participação por parte do público, o que não será difícil.

05 August 2015

Ao vivo... Taylor Swift

Data - 27 de Junho de 2015
Local - Hyde Park
Notas - Estrela do momento da música, sendo das cantoras que mais vende actualmente e, consequentemente, mais público arrasta, Taylor Swift esgotou o imenso Hyde Park e, perante uma plateia de cerca de 65000 pessoas de todas as idades, deu um bom concerto, rodeada de excelentes músicos, uma dúzia de bailarinos e com uma boa presença em palco.
Tocaram ainda Vance Joy, John Newman e Ellie Goulding.
Setlist do concerto de Taylor Swift.

01 - Welcome To New York
02 - New Romantics
03 - Blank Space
04 - I Knew You Were Trouble
05 - I Wish You Would
06 - How You Get The Girl
07 - I Know Places
08 - All You Had To Do Was Stay
09 - You Are In Love
10 - Clean
11 - Love Story
12 - Bad Blood
13 - We Are Never Ever Getting Back Together
14 - Style
15 - This Love
16 - Wildest Dreams
17 - Out Of The Woods
18 - Shake It Off

04 August 2015

Ao vivo... Orlando Julius & The Heliocentrics

Data - 25 de Julho de 2015
Local - Sines - Festival Músicas do Mundo
Notas - Orlando Julius, da Nigéria, apresentou-se em Sines com os Heliocentrics, num bom concerto com muito afrobeat, jazz, R&B, funk, algum psicadelismo, muita improvisação, e muita diversão. Sendo considerado por muitos uma lenda da música africana, Julius apresentou temas do trabalho editado no final do ano passado "Jaiyede Afro", gravado com os Heliocentrics, banda composta por músicos, na sua maioria, americanos, que também estiveram em palco.
Uma excelente forma de terminar os concertos no castelo, nesta edição do Festival Músicas do Mundo, encerramento esse ao qual não faltou, como já é tradição, o espectáculo de fogo de artifício.

Ao vivo... Salif Keita

Data - 25 de Julho de 2015
Local - Sines - Festival Músicas do Mundo
Notas - A voz de ouro da música africana esteve na edição deste ano do Festival Músicas do Mundo. Salif Keita, nascido em Djoliba, Mali, no dia 25 de Agosto de 1949, interpretou com a sua característica e inconfundível voz, alguns dos seus maiores êxitos, de uma carreira longa, com muitas adversidades motivadas pelas suas características albinas, algo que na cultura do Mali (Madinka), e em grande parte de África, é visto como um mau presságio, fazendo com que essas pessoas sejam ostracizadas.
Aos 18 anos Keita decide abandonar a sua cidade Natal e muda-se para Bamako, onde se junta aos Super Rail Band de Bamako, para em 1973 passar a fazer parte dos Les Ambassadeurs, colectivo que a meio da década de 70 decide abandonar o Mali para fugir à instabilidade política da altura; mudam-se para Abidjan, Costa do Marfim e passam a chamar-se Les Ambassadeurs Internationales, ganhando alguma reputação a nível internacional, reputação essa que fez com que Keita se mudasse para Paris em 1984, para, dessa forma, poder expandir a sua música.
O concerto da edição deste anos inseriu-se na digressão acústica que o músico anda actualmente a fazer, num regresso às origens.

Setlist... James

Setlist do concerto dos James na Expofacic - Cantanhede

All I'm Saying
Waltzing alone
Seven
Sit Down
Interrogation
Gone Baby Gone
Curse Curse
Say Something
Sometimes
PS
Walk Like You
Just Like Fred Astaire
Moving on
Come Home
Sound
She's a Star
Out To Get You
Getting Away With It
Laid