30/12/16

2016... Ano improvável (Parte 3)

Tal como Bowie e ao contrário de Prince, Leonard Cohen faz parte do restrito leque de músicos que me habituei a ouvir de forma ininterrupta ao longo dos anos.
Descobri a sua música em 1977, quando, com somente 15 anos de idade adquiri "Death of a Ladies' Man", disco que me cativou de imediato, tendo surgido dentro de mim um impulso sensorial que me levou à procura dos trabalhos anteriormente editados por este músico nascido no Quebec, Canadá, no ano de 1934.
Numa procura nem sempre fácil, pois na altura não existiam as tecnologias dos dias de hoje, consegui adquiri-los, "Songs of Leonard Cohen" (1967), "Songs From a Room" (1969) e "Songs of Love and Hate" (1971), sendo este último disco considerado por muitos como o seu melhor trabalho e uma obra incontornável na história da música, como incontornável é Leonard Cohen, homem discreto, sóbrio, encantador, dono de uma voz belíssima, e que destila charme por todos os poros da sua pele.
Ao olhar para uma foto sua, sempre de roupa escura e quase sempre com o seu chapéu, o nosso interior sente-se tocado, invadido; ao ouvir a sua música. os nossos sentimentos, a forma como nos sentimos no momento altera-se. Se estamos deprimidos, ela reconforta-nos; se estamos felizes, tem o dom de nos alegrar ainda mais.
No dia 07 de Novembro do improvável ano de 2016, Leonard Cohen partiu.
Soube-o uns dias mais tarde, dezoito dias decorridos do mês de Novembro. Estava longe do país onde resido e muito mais longe do país em que ele partiu. Por incrível que possa parecer, tinha feito um jejum de notícias de alguns dias e quando decidi aceder a sites noticiosos, levei outro murro no estômago, daqueles bem fortes que nos deixam sem respirar, sem capacidade de reagir. A primeira reacção que tive foi, e passo a citar "porra, morreu o Leonard Cohen".
Senti de imediato as lágrimas nos olhos, como se tivesse perdido alguém muito próximo, apesar de não o ser, longe disso. Leonard Cohen e a sua música faziam parte da minha vida como estando entranhados em mim, na minha pele.
Apesar de ser uma partida previsível atendendo à debilidade do seu estado de saúde nos últimos tempos, não deixa de ser um choque, uma injustiça levar um murro destes. Cohen sabia que estava prestes a partir naquela que seria a sua última viagem, sabia-o quando no dia 21 de Outubro deste ano lançou "You Want It Darker", onde diz, em forma de sussurro:

"If you are the dealer, I'm out of the game
If you are the healer, it means I'm broken and lame
If thine is the glory then mine must be the same
You want it darker
We kill the flame

Magnified, sanctified, be thy holy name
Vilified, crucified, in the human frame
A million candles burning for the help that never came
You want it darker

I'm ready my lord"

Ele estava... nós não.

Numa outra das belíssimas oito canções que completam este seu último disco, sussurra-nos, como se estivesse junto aos nossos ouvidos:

"I'm leaving the table
I'm out of the game"

Ouvir atentamente "You Want it Darker" acaba por tornar-se uma experiência intensa e dura.
Neste décimo quarto álbum de originais, Cohen consegue surpreender-nos, por incrível que possa parecer, não pela qualidade apresentada no disco mas pela sua enorme capacidade de não nos desiludir e simultaneamente fazer com que nos sintamos parte da sua vida, como ele fez, faz, e fará, da nossa. "You Want it Darker" tem o dom de fazer com que interiorizemos que somos aquilo que ele nos chamava nos concertos - seus amigos -, sentimos que quer partilhar connosco os seus bons e maus momentos, sentimos que nos queria confidenciar a brevidade da sua partida.
Neste disco de sensações belas e estranhas, sentimos que alguém está a cantar para nós, num jeito simultaneamente doce, alegre e triste, melancólico, e fá-lo de uma forma envolvente, uma das características dos seus concertos. Vi alguns, senti isso. Em certos momentos às lágrimas invadiam os meus olhos, sim, lágrimas de felicidade, só que agora, quando ouço o disco com que ele nos deixou, elas voltam, mas desta vez são lágrimas de tristeza.
Lacrimejei ao ouvir o disco, e em segredo chorei quando soube que ele nos tinha deixado... aos seus amigos.