11 December 2013

Entrevista... Trabalhadores do Comércio

Quarta parte de uma entrevista feita pelo autor deste blog aos Trabalhadores do Comércio, em vésperas de concerto no Rock Rendez-Vous.

Perg. – O que levou tu e o Sérgio Castro a desdobrarem-se em dois grupos, os Trabalhadores do Comércio e os Arte & Ofício?
Resp. – Eu estava a ouvir as perguntas que fazias ao Sérgio, e ouvi-o falar mais ou menos do assunto. Nós estávamos nos Arte & Ofício que é o grupo onde tocamos há 6 anos. Os Trabalhadores do Comércio surgiram de uma brincadeira e graças ao impacto que teve obrigou-nos a pensar um bocado no que tínhamos feito. A partir daí começaram a surgir concertos, contratos que a principio não podíamos cumprir, pois éramos só três. Claro que mais tarde isso veio dar origem a que tivéssemos que procurar mais pessoas para fazerem um suporte musical. Inicialmente foi uma brincadeira, mas agora é um caso nacional; então surge a inclusão do Luís, que é um cantor (não gosto de dizer que é um puto). Apesar de ser um “puto”, ele assume o seu papel de vocalista, e posso adiantar que assume muito mais profissionalmente que muitos músicos que existem e que já andam nisto há muito tempo.
Perg. – Para terminar, gostava que me dissesses quais os músicos que servem de vosso suporte musical nos espectáculos ao vivo.
Resp. – Os músicos que nos acompanham são: Miguel Cerqueira (baixo); Jorge Filipe (sintetizados, vacoder); e o Carlos Araújo (guitarra).

FIM

10 December 2013

Entrevista... Trabalhadores do Comércio

Terceira parte de uma entrevista feita pelo autor deste blog aos Trabalhadores do Comércio, em vésperas de concerto no Rock Rendez-Vous.

(Depois do grande João Luís, chegou a vez do Álvaro Azevedo).
Perg. – O que achas desta enorme avalanche de grupos rock Portugueses, que surgiu no ano passado e este ano continua?
Resp. – Ora bem: tu dizes avalanche porque talvez não tenhas assistido aqui há 15 anos atrás como eu assisti, e foi nessa altura que comecei a tocar num grupo que na altura ganhou alguma nomeada que foram os Pop Five, que eram formados por mim, pelo Tozé Brito, Paulo Godinho e pelo Miguel Graça Moura. Foi um grupo que foi para a frente e em 1971 chegou a ir a Inglaterra gravar. Nessa altura já havia uma grande avalanche de grupos rock. Talvez não existisse uma grande publicidade por parte dos jornais nem apoio por parte da rádio, e eram coisas isoladas que se faziam, pois havia um grupo aqui e outro ali. Actualmente existem alguns 20 ou 30 grupos já com discos gravados e a fazerem espectáculos. Desses grupos, alguns têm qualidade, outros não, mas eu acho que da quantidade irá aparecer a qualidade, e já se fala muito de separar o “trigo do joio” e é claro que isso vai acontecer. Há quem condene esta avalanche, mas eu não porque a acho necessária, pois a lei dos 50% da música Portuguesa vai fazer com que as editoras tenham de editar qualquer coisa, já que têm de ter músicas para a rádio funcionar.
Perg. – Falaste numa selecção de grupos. Quais são, na tua opinião, os que “vão ficar pelo caminho”?
Resp. – Isso é uma pergunta um bocado tirada de surpresa. Sou uma pessoa que não gosta de estar a dizer mal disto ou daquilo, porque por um lado o que está mal agora daqui a um ou dois meses pode estar bem, porque já existe uma rodagem e ensaios. Grupos de certa nomeada ouço todos, como por exemplo os Salada de Frutas.
...

09 December 2013

Entrevista... Trabalhadores do Comércio

Segunda parte de uma entrevista feita pelo autor deste blog aos Trabalhadores do Comércio, em vésperas de concerto no Rock Rendez-Vous.

Perg. – Disseste que o “Lima 5” não obteve maior êxito porque a editora não fez grande promoção. Quer dizer que muitas vezes, a música pode não ter grande qualidade e ser um grande êxito, de vido a uma boa promoção editorial?
Resp. – Exacto. A campanha promocional é uma coisa fundamental. Nós temos um exemplo a nível mundial que é o caso dos Ramones e do Elvis Costelo, que são muito maus músicos. Mas os Ramones são um grupo que se dá ao luxo de vir aqui sacar quarenta e quatro mil contos por um ou dois concertos. Ora bem, isto é grave e é um insulto aos verdadeiros músicos; é uma amostra mais do que suficiente de como é que se funciona a nível promocional. Quer dizer, a partir do momento em que há uma editora gigante, como a dos Ramones, esses músicos têm êxito. Eu considero os Ramones um disparate absoluto e são apenas um caso de publicidade. E depois temos o caso contrário: toda a gente sabe que o John McLauphin é um tipo que tem imensos problemas quando toca em determinados sítios; quer dizer, as pessoas estão assim um bocado “nas tintas” para o que se passa num concerto dele, e isso acontece porque ele tem pouca publicidade.
(Mudando de entrevistado, a próxima pergunta é para o João Luís que tem apenas nove anos).
Perg. – Gostas de cantar numa banda que é composta por elementos muito mais velhos do que tu?
Resp. – Gosto. Adoro.
Perg. – Como é que foi que apareceste a cantar nos Trabalhadores do Comércio?
Resp. – O Sérgio mostrou-me as músicas e eu andava sempre a cantá-las. Um dia, estava a cantar e passado um bocado o Sérgio olhou para o Álvaro, o Álvaro olhou para ele e abanaram a cabeça; depois o Sérgio perguntou-me se eu queria vir a Lisboa gravar e aceitei. Depois gravámos, começamos a tocar ao vivo e agora vamos gravando.
Perg. – Em quê que a música mudou a tua vida.
Resp. – Antes, eu estava em casa sem fazer nada, só com a minha irmã a chatear-me. Agora já não.
...

08 December 2013

Entrevista... Trabalhadores do Comércio

Primeira parte de uma entrevista feita pelo autor deste blog aos Trabalhadores do Comércio, em vésperas de concerto no Rock Rendez-Vous.

Sérgio Castro, Álvaro Azevedo e João Luís formam um grupo rock que apareceu em 1980, grupo esse que tem o nome de Trabalhadores do Comércio. Actualmente tem gravado um LP e dois singles, e uma característica do grupo, é que cantam à moda do Porto. Aproveitando uma vinda deles a Lisboa para uma actuação no Rock Rendez-Vous, fui entrevistá-los.
Perg. – A gravação do vosso LP foi feita em Londres. Porquê Londres? Será que os estúdios portugueses, não têm as condições necessárias para a gravação de um álbum.
Resp. – (Sérgio Castro) – Isso é uma pergunta que muita gente nos faz, e não tem nada a ver com a questão dos estúdios cá não terem as condições necessárias. Efectivamente existem algumas carências nos estúdios portugueses, muitas vezes até a nível humano, por muito que isso possa custar a muita gente e já nos tem acontecido trabalharmos com pessoas pouco experientes o que, às vezes, nos traz alguns problemas. Por outro lado, e a principal razão, é que enquanto nós estávamos ligados à antiga editora (Gira), não havia estúdios disponíveis, e quando a editora quis alugar o estúdio para gravarmos, não conseguiu, e foi então que pusemos a hipótese de ir gravar a Londres, pois éramos poucos e a coisa às tantas não ficava mais cara. Então marcámos a gravação, aquilo foi adiado por várias razões, e entretanto houve algumas chatices com a editora, que levaram à nossa saída. Foi então que passámos para a Polygram; aceitaram a nossa ideia pois tinham o mesmo problema que a editora anterior: só nos podiam arranjar estúdio para uma determinada altura, altura essa que já não nos interessava, sequer, gravar. Aproveitámos esse estúdio para os Arte & Oficio e fomos gravar a Londres. Foi essa a principal razão.
Perg. – Como toda a gente sabe, vocês cantam à moda do Porto. Existiu alguma preocupação especial, nessa escolha?
Resp. – (Sérgio Castro) – A preocupação é esta: durante muitos anos afirmei, e continuo a afirmar que não gosto de rock cantado em Português, e continuo a não gostar por muito que isso possa custar a muita gente e por muito que eu esteja fora de moda, e de certeza que estou. De repente, porque fizemos este projecto que começou por ser um disco que eu e o Álvaro íamos fazer, e que depois apareceu o João Luís; depois aparece um nome, a seguir há aquele “boom” que foi o “Lima e”, que não foi maior porque a editora “Nossa Senhora”, não é? Portanto a partir daí os Trabalhadores do Comércio são um projecto para levar para a frente. Acontece que já nesse disco estava notório o nós cantarmos à moda do Porto, ou melhor, utilizando a fonética, o sotaque portuense de determinadas zonas (como por exemplo a Ribeira), nós vamos conseguir, sem dúvida, uma maior musicalidade. Temos uma data de palavras que conseguimos aumentar, temos outras que conseguimos comprimir, mas sem aparecerem como erro. Aí já começo a concordar em cantar daquela maneira, e acho que conseguimos uma determinada musicalidade. Propriamente a nossa música tem influências rock, Reggae e de alguns blues. Essas influências todas juntas, com uma influência fundamental que é a da música popular portuguesa, em que nós fomos descobrir que tínhamos algumas influência do António Mafra, a quem nós dedicámos o nosso LP dão um tipo de música que me parece um pouco perto de raízes algo folclóricas.
...

06 December 2013

Homenagem... Nelson Mandela

Nelson Mandela (1918-2013)

Como muitas vezes referi, um dos homens que mais admirei. Partiu ontem, dia 05 de Dezembro, mas existem pessoas cuja vida vai muito para além da morte; Mandela é uma dessas pessoas.
Um enorme ser humano que, no longínquo ano de 1999, quando de uma visita a Portugal, vi à entrada do Centro Comercial Amoreiras. Jamais esquecerei a sua simplicidade ao sair da viatura e dirigir-se a um grupo de cidadãos, anónimos, com os quais conversou como se fossem amigos de longa data.
A enormidade da sua simplicidade e da sua pessoa, marcaram-me desde sempre.
Um homem que soube perdoar... anos e anos de cativeiro injusto.

04 December 2013