30 May 2014

Ao vivo... Festival Rock in Rio 2014

Data - 25 de Maio de 2014
Local - Parque da Bela Vista
Notas - No ano em que celebrava o décimo aniversário do festival Rock in Rio em Portugal, a "edição comemorativa" foi a pior de sempre, com um cartaz muito fraco e sem qualquer tipo de coerência musical, ao nível dos nomes apresentados.
Sendo inegável que a organização do evento optou por uma estratégia de cariz familiar, mesclada com algo parecido com feira popular, a edição deste ano ficou muito aquém das expectativas, quer em termos de publico quer ao nível da qualidade musica.
Neste dia actuaram Boss AC com Áurea, que deram um concerto interessante e curioso com alguns bons pormenores, Paloma Faith, demasiado mau para ser verdade e Robbie Williams, que acabou por não desiludir, mas também não deslumbrou, proporcionando um daqueles tipos de concerto que passado um ou dois anos já ninguém se lembra.

26 May 2014

Ao vivo... Robbie Williams

Data - 31 de Maio de 2014
Local - Parque da Bela Vista
Notas - Concerto muito certinho de um músico que, goste-se ou não da sua música, temos de admitir que sabe estar em palco, empolgando o público e interagindo com ele de forma inteligente.
Setlist do concerto de Robbie Williams na edição de 2014 do Festival Rock in Rio

22 May 2014

Ao vivo... Dean Wareham

 
Data - 06 de Maio de 2014
Local - Sabotage Club
Notas - O primeiro concerto a que assisti nesta boa sala que abriu portas em Lisboa, na Rua de São Paulo, há cerca de um ano.
E para estrear o local, nada melhor do que um concerto do genial Dean Wareham, ex-líder dos Galaxie 500, formados em 1986 em Boston e que deram por terminada a sua actividade em 1991. Apesar de só terem editado três discos, Today (1988), On Fire (1989) e This is Your Music (1990), os Galaxie 500 marcaram de forma indelével a música independente da altura, e mesmo dos dias de hoje, não sendo portanto de estranhar que na plateia estivesse presente muito público jovem, provando desta forma a intemporalidade da música do grupo.
Com uma setlist que percorreu a obra de todos os grupos e projectos por Wareham tem andado, não existe outra palavra para definir o que se passou na pequena sala do Sabotage, a não ser: perfeito.
Desde o já mencionado alinhamento, à postura dos músicos em palco e à participação do público, tudo esteve perfeito, proporcionando uma noite memorável para quem lá esteve, mas que, lamentavelmente não foi suficiente para encher a sala.

18 May 2014

Coldplay... Ghost Stories

Muito mal-amados ultimamente ao serem acusados por alguns fans de rendição ao mainstream, não será este o disco da reconciliação, mas é um disco, acima de tudo, bonito, com nove agradáveis canções que acabam por ser uma boa surpresa, pois os Coldplay conseguem criar, na perfeição, um ambiente intimista sem que a identidade do grupo se perca.
"Ghost Stories", no seu conjunto, está longe daquilo que Chris Martin, Jon Buckland, Guy Berryman e Will Champion nos habituaram desde o início da carreira do grupo, Londres 1998.
Neste sexto trabalho de originais, surgem com uma sonoridade cada vez mais próxima do pop (onde sempre estiveram), e mais longe do rock (onde muita gente gostaria que tivessem permanecido), e apresentam um trabalho, acima de tudo, coeso, o que é também uma característica do grupo.
Logo a abrir o disco surge "Always on My Head", talvez pelo reflexo do recente divórcio de Martin, e não é por acaso que ao ouvirmos todas as canções que o compõem, ficamos com a sensação de alguém que estava angustiado e melancólico quando as criou, e isso é algo que se sente, e é aí, nessa capacidade de fazer sentir, que reside o virtuosismo do grupo, o ser capaz de transportar para quem o ouve, o estado de espírito de quem o compôs e tocou.
À excepção de "A Sky Full Of Stars", todo o disco é suave, terno e melancólico. Se este tema está mais vocacionado para as pistas de dança (graças à colaboração do DJ Avicii), os restantes criam o ambiente intimista já referido e a também já referida identidade do grupo mantém-se: o piano de Martin está lá, do princípio ao final do disco, as características guitarras também lá estão - ouça-se "Magic", "Another's Arms" ou "True Love", por exemplo, e, mesmo em Midnight, tema repleto de influências de Bon Iver (até vocalmente), o som inconfundível da banda permanece isso mesmo, inconfundível.
Finalmente e para o grupo não perder a sua característica de dar sempre a todos os seus discos um tom algo conceptual, o tema que encerra este disco é "O". Um nome enigmático para um tema ambíguo e extremamente intimista, à base de um piano que parece terminar a meio da canção, mas eis que nessa altura surge a voz de Martin, quase à capela, proporcionando um dos mais belos momentos do disco, o epílogo perfeito para um trabalho muito aguardado que, sem deslumbrar também não desilude, e do qual se aprende a gostar.
Relativamente à previsível digressão, fica a ideia que não serão estas as canções que irão fazer parte ou servir de base ao alinhamento dos concertos - algumas farão, seguramente - mas os Coldplay já atingiram o estatuto de banda de estádio ou espaços de grande dimensão e não me parece que estes temas possam funcionar nessas condições. Para além disso, quer queiramos quer não, os Coldplay de "Parachutes" (2000), de "A Rush of Blood To The Head" (2002) ou de X & Y (2005), continuam a ser mais fortes e impossíveis de apagar da memória, principalmente nos espectáculos ao vivo.
Ficamos a aguardar pela digressão, e até lá resta-nos ir degustando este "Ghost Stories".

01 - Always in My Head
02 - Magic
03 - Ink
04 - True Love
05 - Midnight
06 - Another's Arms
07 - Oceans
08 - A Sky Fulk of Stars
09 - O

Nota - 7.5 / 10

08 May 2014

02 May 2014

Ao vivo... Editors

Data - 16 de Outubro de 2013
Local - Coliseu dos Recreios
Notas - Sala muito vazia para um bom concerto dos Editors, com um alinhamento em jeito de Best Of. Curiosamente, os Editors são uma banda que teima em não se conseguir afirmar para grandes públicos, isto apesar da boa qualidade musical, da excelente voz de Tom Smith e do bom conjunto de músicos que fazem parte do grupo, e mais uma vez a sala do Coliseu estava com um aspecto desolador.
A Primeira parte esteve a cargo dos belgas Balthazar que nos apresentaram temas dos dois trabalhos editados até à altura, "Applause" de 2010 e "Rats" de 2012, cujo estilo musical assenta num pop rock inconsequente.

Setlist do concerto dos Editors

01 - Sugar
02 - Someone Says
03 - Smokers Outside The Hospital Doors
04 - Bones
05 - Eat Raw Meat = Blood Drool
06 - Two Hearted Spider
07 - You Don't Know Love
08 - All Sparks
09 - Formaldehyde
10 - A Ton of Love
11 - Like Treasure
12 - An End Has a Start
13 - Bullets
14 - In This Light and on This Evening
15 - The Phone Book
16 - Munich
17 - The Racing Rats
18 - Honesty

Encore

19 - Bricks and Mortar
20 - Nothing
21 - Papillon